Morre cineasta Andrea Tonnaci - Lazer e Cultura - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Luto18/12/2016 | 18h56Atualizada em 18/12/2016 | 18h56

Morre cineasta Andrea Tonnaci

Diretor tinha 72 anos e deixa como legado "Serras da desordem", um dos mais importantes e premiados filmes do cinema brasileiro dos anos 2000

Morre cineasta Andrea Tonnaci Ver Descrição/Ver Descrição
 Tonacci com o índio Carapiru, que reencena sua própria saga em "Serras da desordem" Foto: Ver Descrição / Ver Descrição

O diretor de cinema Andrea Tonacci morreu na sexta-feira em São Paulo, aos 72 anos, em decorrência de um câncer pancreático. Italiano nascido em Roma e radicado no Brasil desde criança, Tonacci deixa como legado uma produção com poucos títulos mas de alta relevância para o cinema brasileiro.  Tonacci deu seus primeiros passos como diretor em São Paulo, com dois elogiados curtas-metragens: Olho por olho (1965) e Bla bla blá (1968). Com seu longa de estreia, Bang bang (1971), alinhou-se à geração de jovens realizadores que radicalizaram as ideias transgressoras do movimento cinema novo em filmes de baixo orçamento que investiam na experimentação estética e circulavam à margem do circuito comercial. Esse chamado cinema marginal desafiava a censura da ditadura militar com suas produções anárquicas e alegóricas e teve como expoentes Tonacci e nomes como Rogério Sganzerla e Júlio Bressane.

Em 2006, após décadas sem filmar, Tonacci apresentou Serras da desordem, inventiva mistura documentário e ficção que recria a história de um índio que perambulou sozinho pelas matas do país. Ganhou no Festival de Gramado os prêmios de melhor filme (divido com Anjos do sol, de Rudi Lagemann), direção e fotografia.

Tonacci levou quase uma década para começar a filmar, em Serras da desordem, a incrível trajetória de Carapiru, índio guajá que sobreviveu ao massacre de seu grupo familiar em 1977 por um bando de homens brancos e perambulou solitário pelas serras do Brasil Central — até ser capturado 10 anos depois, a 2 mil quilômetros de distância de seu ponto de partida. Tonacci ficou sabendo da história em 1993 por meio do sertanista Sydney Possuelo, que levou Carapiru a Brasília e acompanhou o indígena enquanto antropólogos e linguistas polemizavam quanto à origem e à identidade do nômade. 

Originalmente, o diretor queria rodar Serras da desordem como uma ficção, mas as limitações de orçamento mudaram o curso do projeto. A solução encontrada foi colocar diante das câmeras o próprio Carapiru e outros personagens que cruzaram seu caminho. O resultado é uma obra híbrida que costura ficção e realidade, cenas atuais e reportagens de TV de época, imagens em preto e branco e coloridas, filme em película e vídeo digital.

O derradeiro trabalho do bissexto Tonacci seria apresentado nove anos depois: Já visto jamais visto (2015), no qual trabalhou sobre imagens registradas por ele ao longo da vida, de gravações domésticas com a família a bastidores e trechos de filmes inacabados. Tonacci deixa a companheira Cristina Amaral, montadora, e um filho.

 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaTrês irmãos morrem eletrocutados após tempestade em Itajaí, no Litoral Norte https://t.co/y0MmVSSL5z #LeiaNoSantahá 10 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaVendaval causa destruição em SC https://t.co/4R5q3aMgFi #LeiaNoSantahá 20 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros