Jaraguá do Sul dá largada a mais uma edição do Femusc - Lazer e Cultura - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

 

Portal Jaraguá 13/01/2018 | 13h05Atualizada em 13/01/2018 | 13h05

Jaraguá do Sul dá largada a mais uma edição do Femusc

Festival-escola que começa neste domingo e vai até 27 de janeiro transforma, ano a ano, a identidade da cidade

Jaraguá do Sul dá largada a mais uma edição do Femusc Cleber Gomes/Agencia RBS
Com 200 apresentações gratuitas pela cidade, o Femusc democratiza o acesso à música clássica Foto: Cleber Gomes / Agencia RBS

O que faz um colombiano de 20 a 30 anos comprar passagens e, com o dinheiro do próprio bolso, vir a Jaraguá do Sul em janeiro? — questionava o diretor executivo Fenísio Pires Jr. em uma sala da Sociedade Cultura Artística (Scar) na última quarta-feira.

A pergunta não esperava uma resposta que ele já não conhecesse. Atual diretor executivo do Festival de Música de Santa Catarina (Femusc), ele assiste há 13 anos ao que motiva não apenas um, mas, em 2018, 47 colombianos a passarem duas semanas do primeiro mês do ano no Brasil, em uma cidade que não apresenta chamariz turístico como outros destinos de verão da América do Sul.

Mesmo assim, é em Jaraguá do Sul que chega também uma comitiva de argentinos, assim como da Austrália, da China, da Espanha e dos Estados Unidos, reunindo 380 pessoas de 20 países, além de outros Estados do Brasil, depois de passarem por uma seletiva rigorosa entre mais de mil pessoas para estarem no Norte de Santa Catarina nesta época do ano. Selecionados, eles se tornam alunos do festival-escola que começa neste domingo e é considerado o mais importante da América Latina na área de música erudita.

Ganhos para a rede hoteleira

Como resultado, têm a chance de fazer aulas com professores de grandes universidades de música e tocar lado a lado com músicos de orquestras internacionais. Enquanto vivenciam estas experiências durante duas semanas, provocam naturalmente uma movimentação que mexe com a cidade de 170 mil habitantes. Situada a cerca de 55 quilômetros do litoral, com sua economia focada na indústria, Jaraguá é o tipo de cidade que “fica vazia” no verão, a ponto de os hotéis escolherem janeiro para as férias de seus funcionários.

– Os hotéis podiam fechar nessa época do ano, porque a ocupação é muito baixa. Nosso turismo é de negócios, não de lazer – afirma a coordenadora do núcleo de hospitalidade da Associação Empresarial de Jaraguá do Sul (Acijs), Cintia Buzian.

Ela avalia que, neste período, a ocupação dos hotéis seja incrementada em 20%. Não são, em sua maioria, os alunos do Femusc os hóspedes que aparecem nestes números. O evento oferece alojamento dentro do campus da Católica de Santa Catarina, transformando o local em uma espécie de albergue da juventude, o que torna a participação mais acessível. O incremento deve-se aos professores e profissionais contratados pelo festival e pelos turistas que ele atrai.

— Há pessoas que todos os anos dedicam duas semanas de suas férias para viajarem a Jaraguá por causa do Femusc, pelo amor que têm à música clássica — conta Fenísio.

 JARAGUÁ DO SUL, SC, BRASIL, 11-01-201814ª Edição do Femusc em Jaraguá do Sul, começa no dia 14, em Jaraguá. Na foto:  Giovana Hornburg da Casa do Chocolate. Eles produzem chocolates e lembranças personalizadas sobre o Femusc
Giovana viu no Femusc uma oportunidade e abriu estande para vender chocolates artesanaisFoto: Cleber Gomes / Agencia RBS

Mudança, aos poucos, no perfil econômico da cidade

Com um perfil tipicamente industrial, Jaraguá do Sul ainda começa a evoluir na preparação para atender ao turista e explorar a atividade ao fazer investimentos que atraiam o público para o comércio e os restaurantes. Por não ter o turismo como elemento econômico forte, não é comum, por exemplo, encontrar suvenir da cidade no comércio local.

Giovana e Valdir Hornburg perceberam isso e souberam aproveitar o momento para elevar as vendas. Há dez anos, eles montam um estande dentro do Centro Cultural da Scar para venda de chocolates artesanais. Com a experiência dos primeiros anos, entenderam a demanda e começaram a produzir chocolates temáticos, com instrumentos e notas musicais. Também compraram uma impressora para estampar camisetas e canecas personalizadas, que viram lembranças do Femusc para os alunos que vêm de fora. Neste período, as vendas sobem até 15%.

– No dia seguinte ao concerto, já estamos fazendo produtos com imagens da apresentação. O participante se reconhece na imagem e dificilmente deixa de comprar – conta Valdir.

Para o presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) de Jaraguá, Gabriel Seifert, eles foram inovadores ao conseguirem enxergar este nicho ainda no início do evento.

– Ainda há poucas opções de produtos temáticos para o Femusc, mas os comerciantes se preparam para ele, porque há entrada de dinheiro de fora. Além disso, o evento faz o morador sair de casa, e ele também passa a consumir mais – avalia.

O diretor da Fundação Turística de Jaraguá do Sul, Marcelo Nasato, também percebe a busca por mais qualificação nos serviços oferecidos pela cidade desde a criação do Femusc. Ela envolve o conhecimento na área de produção de eventos e reflete outras atividades, que inclui até o desenvolvimento de tecnologias específicas.

– Um evento deste porte, com tantas pessoas envolvidas nos bastidores, exige que a equipe busque mais qualificação e melhora o nível da prestação de serviços, do comércio. É um conhecimento que fica para a cidade – analisa.

 JARAGUÁ DO SUL, SC, BRASIL, 11-01-201814ª Edição do Femusc em Jaraguá do Sul, começa no dia 14, em Jaraguá. Na foto: Fenísio Pires Jr (Diretor-executivo do Femusc)
"Temos dificuldades de fazer o marketing e anunciar os destaques do ano porque todos os professores o são. Até mesmo os estudantes, em seus países, são profissionais contratados de orquestras", diz Fenísio Pires Jr., diretor executivo do FemuscFoto: Cleber Gomes / Agencia RBS

Responsabilidade aumenta a cada nova edição

O Femusc existe porque existe também o Centro Cultural Scar, um espaço de 10 mil metros quadrados, inaugurado há cerca de 15 anos. Foi a existência desta estrutura que possibilitou que, há 13 anos, o maestro Alex Klein escolhesse a cidade para sediar o evento. Ao mesmo tempo, a Scar possui, atualmente, um acervo instrumental e técnico graças às necessidades apresentadas pelo festival. Instrumentos grandes demais para os alunos trazerem na bagagem, como piano e harpa, foram comprados com a ajuda de empresários jaraguaenses e permanecem na cidade depois que o festival acaba.

– O que a Scar possui é o maior acervo instrumental do País. São 17 harpas e 36 pianos. A estrutura de sonorização e iluminação do prédio surpreende professores que vêm de outros países, que a comparam às de grandes teatros e universidades de música – comenta Fenísio.

Os 302 instrumentos do acervo da Scar são usados nos outros 11 meses para as orquestras do centro cultural e nas aulas oferecidas no local. Assim, ainda que em menor escala, a cidade mantém a arte que projeta sua imagem para fora do País como uma referência no ano inteiro.

– É comum que, logo depois do Femusc, o público da Orquestra Sinfônica aumente e os ingressos se esgotem. E isso faz com que a responsabilidade aumente, porque os moradores assistiram a grandes obras em bons espetáculos e se tornaram um público mais exigente – conta o fagotista Joel Henquemaier, 31 anos, que integra a Orquestra da Scar.

Participação de celebridades da música erudita

Aos olhos de um leigo em música erudita, os nomes dos músicos que integram o quadro docente do festival não representam mais do que nomes estrangeiros. Mas a um estudante de música, estar diante do cartaz do Femusc é semelhante a olhar um anúncio do Rock in Rio para o público em geral.

— Temos dificuldades de fazer o marketing e anunciar os destaques do ano porque todos os professores o são. Até mesmo os estudantes, em seus países, são profissionais contratados de orquestras. É como ter uma escolinha de futebol e o Neymar chegar para fazer aulas — analisa Fenísio.

Com mais de 200 apresentações divididas entre os 14 dias do evento, todas elas gratuitas, estar em Jaraguá em janeiro significa poder assistir a uma temporada com referências da música clássica, transformada em "maratona" cultural pelo curto espaço de tempo. Músicos que, em outras ocasiões, cobrariam cachês altíssimos se apresentam com prazer no Centro Cultural da Scar mesmo recebendo apenas R$ 7.500 como pagamento pelo período em que estão no Femusc. São eles, e sua maratona de música clássica, que atraem turistas, sejam eles o público conhecedor de música erudita ou aqueles que estão no litoral catarinense e aproveitam a proximidade da cidade para assistir a um espetáculo.

— Em dias de chuva, há a certeza de carros de hotéis do litoral trazendo hóspedes para os Grandes Concertos. Há noites em que chegam turistas com vestidos longos e paletó e sentam-se ao lado do "Fritz" de Jaraguá, que saiu da zona rural e foi assistir ao concerto de bermuda e sandálias — conta o diretor executivo.

Ele se refere ao fato de o Femusc ter criado a possibilidade de os moradores de Jaraguá do Sul assistirem a opções de espetáculos comuns apenas em grandes áreas metropolitanas em sua própria cidade, desmistificando uma arte pouco compreendida pelo grande público como a música erudita. Pelo quarto ano consecutivo, haverá ópera no Femusc e, em 2018, ela terá duas noites de apresentações para atender à grande procura, que leva o teatro de mil lugares da Scar a ficar lotado depois que os ingressos ficaram esgotados em 30 minutos de distribuição.

— Criamos um problema bom. Jaraguá já passou da fase de formação de plateia. A expectativa para este ano é de que o público comece a descobrir as pequenas salas, nos concertos de câmara, que geralmente atraem um público mais especializado — avalia.

PROGRAME-SE

O quê: 13º Festival de Música de Santa Catarina (Femusc).
Quando: de 14 a 27 de janeiro.
Onde: Jaraguá do Sul. Os Grandes Concertos ocorrem no Grande Teatro da Scar (rua Jorge Czerniewicz, 160, Czerniewicz).
Quanto: gratuito, com ingressos distribuídos 48 horas antes dos espetáculos, das 8h às 20h, limitado a dois por pessoa.

Leia as últimas notícias de Jaraguá do Sul e região.

 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaPolícia Civil vai abrir inquérito para apurar caso de criança que caiu de janela de prédio em Itajaí  https://t.co/patYLJiHea #LeiaNoSantahá 1 horaRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaEmprego volta a subir em SC após três meses de queda https://t.co/ogzRgKXfCehá 4 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca