Voluntariamente, aposentado identifica milhares de fotos históricas de Blumenau - Lazer e Cultura - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

 

Memória09/03/2018 | 11h59Atualizada em 09/03/2018 | 11h59

Voluntariamente, aposentado identifica milhares de fotos históricas de Blumenau

Aos 76 anos, Werner Reimer ajuda a resgatar o passado da cidade em fotos dos anos 1950 e 1960

Voluntariamente, aposentado identifica milhares de fotos históricas de Blumenau Patrick Rodrigues/Agencia RBS
No computador do Arquivo Histórico, ex-contador identifica imagens esquecidas de Blumenau Foto: Patrick Rodrigues / Agencia RBS

 Toda quinta-feira de manhã Seu Werner está em frente à Biblioteca Municipal de Blumenau, pontualmente às 8h. Aguarda a chegada dos primeiros funcionários, entra no prédio, sobe o lance de escadas de madeira e toma seu posto em uma mesa no segundo andar, no Arquivo Histórico cidade. Durante uma hora, ali será o lugar que ele se reencontrá com o passado.

Fotografias e memórias são momentos gravados no tempo. A primeira congelada em um fragmento, a outra viva e em constante mudança com a vida. Ambas, no entanto, se completam e reacendem décadas passadas ao ajudar a contar histórias e evitar o esquecimento. Semanalmente a memória de Werner Reimer encontra as fotos de Hans Raun e, juntas, contam parte da história de Blumenau.

Aos 76 anos, o contador aposentado assumiu o novo posto de trabalho em outubro de 2017. Após a morte da esposa, dois anos atrás, ele começou um mergulho no passado. Primeiro, reviveu as memórias sobre o pioneiro motoclube de Blumenau, fundado nos anos 1950 pelo pai, e escreveu um artigo publicado na revista Blumenau em Cadernos. Apaixonado por motos e carros, Werner começou a botar no papel as memórias sobre a história automobilística na cidade, até que recebeu a tarefa que hoje cumpre.

A diretora de Patrimônio Histórico da Fundação Cultural de Blumenau, Sueli Petry, já conhecia Werner e viu nele a pessoa certa para um trabalho. No ano 2000 a família do fotógrafo Hans Raun doou ao Arquivo Histórico todo o acervo de negativos dos anos 1960. Milhares de fotos tiradas de pessoas, lugares, imóveis, acontecimentos e tudo mais. Raun, que Werner lembra com clareza que “tinha um estúdio fotográfico em cima do Cine Blumenau, Rua XV, número 1477, primeiro andar”, fotografou passo a passo a mudança de Blumenau nos anos 1950 e 1960, época da verticalização da cidade.

Os milhares de negativos deixados por Raun tinham apenas poucas palavras que marcavam – em alemão – a ocasião em que cada foto foi tirada. Desde 2000 em um armário no acervo, os arquivos já estavam quase se perdendo enquanto ninguém identificava as imagens. Ali estava o trabalho de Werner. Uma estagiária da Fundação Cultural digitaliza as imagens e no computador o aposentado vai, uma a uma, identificando pessoas, locais e histórias congeladas na tela. Quando necessário, ele busca a lista telefônica e tira dúvidas com algum conhecido da época, mas quase tudo vem da memória.

– O que me vem a mente sobre uma foto, escrevo. Detalhes sobre o que interpreto sobre a foto, as pessoas que estão nela, o que havia naquele local, o que lembro. Tenho uma memória muito boa, nasci e cresci em Blumenau e naquela época todo mundo se conhecia, a cidade ainda era pequena – conta o senhor de fala clara, olhar atento e uma memória de dar inveja.

Entre janeiro e fevereiro, Werner já identificou quase 7 mil fotos de diferentes momentos e lugares de Blumenau. Material que agora é catalogado no acervo e não corre mais o risco de cair no esquecimento.

 Blumenau - SC - Brasil - 08032018 - Werner Reimer voluntario na identificação de fotos do arquivo histórico de Blumenau
Werner e os negativos deixados pelo fotógrafo Hans RaunFoto: Patrick Rodrigues / Agencia RBS

"Os detalhes estão vivos"

Werner Reimer viveu a vida inteira em Blumenau. Cresceu na região que hoje é o bairro Victor Konder e trabalhou muito tempo na empresa do pai, que consertava canetas tinteiro. Trabalhou também por vários anos em uma concessionária da Ford, até estudar Contabilidade e abrir o próprio escritório – que hoje é comandado pelo filho. Teve duas esposas e nos últimos anos se dedicava a trabalhos sociais através da igreja com a falecida mulher

–  Eu me sinto útil, porque posso beneficiar uma pessoa que quer encontrar alguma informação do passado. É difícil achar alguém que vai reconhecer tudo, até porque o Hans anotou tudo em alemão. Morei a vida toda em Blumenau e os anos 1950 e 1960 estão bem vivos na minha cabeça. Eu me lembro de detalhes.

 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaPM apreende aparelhos usados em jogos de azar em Blumenau https://t.co/3J7z1ti00e #LeiaNoSantahá 1 horaRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaPM apreende equipamentos usados em jogos de azar em Blumenau https://t.co/qZeLtaR0Df #LeiaNoSantahá 1 horaRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca