Cabeleireiros de rua buscam sobreviver à crise venezuelana - Mundo - Jornal de Santa Catarina - Jornal de Santa Catarina: notícias de Blumenau, Vale do Itajaí e SC
 

Caracas06/06/2018 | 19h21

Cabeleireiros de rua buscam sobreviver à crise venezuelana

AFP
AFP

Debaixo de uma ponte ou em uma feira de rua de Caracas, cabeleireiros ganham a vida com uma lâmina de barbear, um espelho, uma mesinha e uma cadeira de plástico, um serviço voltado aos que não podem pagar um salão de beleza devido à crise econômica.

Há pouco mais de um ano, Gilbert Arteaga instalou debaixo da ponte Fuerzas Armadas a "Barbería Bolívar". O que ganhava como funcionário de um salão de beleza não era suficiente para viver, e não podia alugar um estabelecimento devido ao alto custo.

"Em um local é preciso pagar serviços, aqui não. A luz (para ligar o secador de cabelo) a tiramos de um bueiro e a água nos dão de presente", conta Gilbert, barbeiro profissional de 27 anos.

Por um corte cobra 100.000 bolívares - o preço de um ovo - se o pagamento for em dinheiro, escasso; e 150.000 se for com cartão de débito, para o qual usa um dispositivo de pagamento eletrônico que lhe emprestam em um local vizinho.

Recebe 15 clientes por dia. "Metade do lucro vai em comida e o resto em passagens", diz Gilbert, que conta que alguns usuários lhe agradecem por ter recuperado a tradição dos cabeleireiros de rua.

Em uma esquina do setor popular de El Valle, Franklin Aguilera, de 28 anos, também resiste à grave crise com um salão improvisado. Conta que chegou ali depois que seu negócio em um shopping center faliu.

Segundo a organização empresarial privada Consecomercio, um terço dos negócios do país fechou no último ano.

Cortar o cabelo na rua custa em média dez vezes menos que em um salão.

"Já não se pode ir a um estabelecimento, sai muito caro", diz Luis Guerrero, cliente de Gilbert e funcionário de uma loja de roupas, de 26 anos. Em um negócio formal teria que desembolsar 40% de um salário básico.

Os rendimentos precários dos barbeiros de rua os tentam a seguir o caminho de milhares de venezuelanos que emigram pela situação econômica.

Gilbert recebeu propostas, e o sócio de Franklin foi embora para a Colômbia. Mas por enquanto decidiu ficar.

* AFP

 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaCapotamento deixa uma pessoa ferida e pista interditada na Via Expressa, em Blumenau https://t.co/4W3V4jOYoGhá 32 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaConselho tutelar é chamado após criança de 11 anos levar munição para escola no Alto Vale https://t.co/XwkguRKjY4há 2 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca