Restrições às construções de prédios em Balneário Camboriú serão discutidas na criação do novo Plano Diretor da cidade - Jornal de Santa Catarina: notícias de Blumenau, Vale do Itajaí e SC

Vers?o mobile

 
 

Construção civil07/07/2014 | 07h42

Restrições às construções de prédios em Balneário Camboriú serão discutidas na criação do novo Plano Diretor da cidade

Arquiteto afirma que prédios mais altos alteram a paisagem natural da cidade

Restrições às construções de prédios em Balneário Camboriú serão discutidas na criação do novo Plano Diretor da cidade Ricardo Wolffenbüttel/Agencia RBS
Praia ganhou fama de ter horário marcado para se tomar sol Foto: Ricardo Wolffenbüttel / Agencia RBS
Embora empolguem o setor da construção civil de Balneário Camboriú, os espigões — prédios mais altos do Brasil — podem estar com os dias contados. O novo Plano Diretor começa a ser discutido no município e as restrições às construções, que atualmente se limitam ao número de apartamentos ou taxa de ocupação do terreno, estarão na pauta, assim como os possíveis impactos.

Leia também:
.:
Disputa entre construtoras muda a paisagem de Balneário Camboriú
.: Construtoras buscam ter o prédio mais alto do Brasil

Por conta dos altos prédios, a praia ganhou fama de ter horário marcado para se tomar sol. Para o arquiteto urbanista Jacques Suchodolski esses impactos já são visíveis. Ele defende que os gigantes impõem concentração de tráfego, impedem a insolação de grande área em seu entorno e causam impacto nas correntes de ar. Além disso, acabam alterando a paisagem natural da cidade.

— Esses impactos podem ser mitigados através de um bom planejamento urbano, mas não é o caso de Balneário. Não existe justificativa urbanística para que haja edifícios tão altos numa cidade tão pequena e próxima ao mar, existem justificativas mercadológicas — afirma.

Para Ricardo Fonseca, presidente da Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura em Santa Catarina (AsBEA/SC), a verticalização é uma solução para sociedades modernas, porque facilita a mobilidade e diminui o custo da infraestrutura.

— É preciso adensar, e a maneira mais inteligente de fazer isso é verticalizando — diz.

Fonseca destaca que é fundamental analisar o tamanho dos terrenos para os grandes prédios, para que haja afastamento em relação aos vizinhos, além de estabelecer estudos de impacto de vizinhança para saber a influência que essa nova edificação vai causar no entorno imediato.

Disputa entre construtoras muda a paisagem de Balneário Camboriú Ricardo Wolffenbüttel/Agencia RBS

DIÁRIO CATARINENSE

Notícias Relacionadas

Construção civil 07/07/2014 | 07h42

Restrições às construções de prédios em Balneário Camboriú serão discutidas na criação do novo Plano Diretor da cidade

Arquiteto afirma que prédios mais altos alteram a paisagem natural da cidade

 
Jornal de Santa Catarina
Busca