Edifício comercial de Blumenau é projetado para usar 60% de água coletada da chuva - Jornal de Santa Catarina: notícias de Blumenau, Vale do Itajaí e SC

Versão mobile

 

Projeto Água26/06/2015 | 07h42

Edifício comercial de Blumenau é projetado para usar 60% de água coletada da chuva

Inaugurado há 10 meses, o prédio fica na Rua Francisco Margarida, no bairro Itoupava Norte

Edifício comercial de Blumenau é projetado para usar 60% de água coletada da chuva Rafaela Martins/Agencia RBS
Cisternas ficam na cobertura do prédio Foto: Rafaela Martins / Agencia RBS

Localizado na Rua Francisco Margarida, bairro Itoupava Norte em Blumenau, o Edifício Cristal foi projetado para não depender tanto da água fornecida pelo sistema de abastecimento do município. Através de uma estrutura hidráulica formada por duas cisternas, hoje 60% do que é consumido no prédio vem do reaproveitamento da chuva. Mesmo que a cidade enfrente dias seguidos de estiagem, a capacidade de armazenamento garante abastecimento para cerca de três semanas.

::: Confira mais matérias do Projeto Água
::: Veja o especial sobre a bacia do rio Itajaí-Açu
::: Lei prevê que prédios comerciais tenham sistema de coleta da chuva

Logo na entrada do edifício o visitante se depara com uma pequena cascata. O arquiteto Jonatan Welter, do escritório Volkmann Arquitetura, responsável pelo planejamento do prédio, adianta que até mesmo a água que corre ali é reaproveitada da chuva. Como esta água captada não é própria para o consumo, o que vai para as torneiras do banheiro e da cozinha é fornecido pelo Samae, correspondendo a 40% do uso total.

– É impossível faltar água no prédio – garante Welter.

Projetado em 2011, o Edifício Cristal começou a ser construído em 2013, até que fosse inaugurado há cerca de 10 meses. A ideia dos donos – a Service Contabilidade e Morastoni Advogados – era de que ele combinasse modernidade com aproveitamento consciente dos recursos naturais. No caso do sistema hídrico para reaproveitar a água da chuva, os arquitetos transformaram a cobertura numa espécie de piscina.

Para que a estrutura funcione, a laje foi impermeabilizada e recebeu isolamento. A água que cai na cobertura escorre para os ralos e desce para uma cisterna no subsolo. Ela funciona como auxiliar de uma caixa d’água de 17 mil litros situada na cobertura. Quando uma está mais vazia, a outra fornece água até o nível se normalizar. Segundo Welter, apenas 15% da água que cai no terreno não é captada. A cobertura do primeiro piso também conta com ralos que ajudam na captação.

O arquiteto explica que, como as duas caixas são feitas em concreto (mais resistente aos vazamentos), por causa do peso uma delas teve de ficar no subsolo. Depois de armazenada nas cisternas, a água da chuva é usada nos vasos sanitários, jardins, calçadas e garagem, que são os locais do prédio. Com térreo, sete andares e três banheiros por pavimento, o prédio abriga cerca de 150 pessoas.

– O custo que temos com a água é pequeno, inclusive porque, por ser um prédio comercial, o consumo não é tão grande. Vale a pena este tipo de investimento – afirma o contador Thiago José Gonçalves, um dos donos do Edifício Cristal.

JORNAL DE SANTA CATARINA

 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaPolícia Civil prende quatro dos cinco envolvidos no assassinato de médico em Timbó https://t.co/AZIHrny2BY #LeiaNoSantahá 13 horas Retweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaCorpo de médico desaparecido desde sábado passado em Timbó é localizado  https://t.co/z02JpmorI6 #LeiaNoSantahá 22 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca