Secretaria de educação prevê implantação de sistema de registros de ocorrências online - Jornal de Santa Catarina: notícias de Blumenau, Vale do Itajaí e SC

Versão mobile

 

Violência na escola26/08/2017 | 03h00Atualizada em 29/08/2017 | 14h26

Secretaria de educação prevê implantação de sistema de registros de ocorrências online

Ação poderá efetivar as ações dos Núcleos de Educação e Prevenção às Violências na Escola, presentes em 890 das 1.081 escolas catarinenses

A expectativa da Secretaria de Estado da Educação (SED) é de que as anotações feitas em diários de classe sobre casos de violência escolar passem a ser informatizadas a partir dos próximos dias. Isso porque será implantado um sistema online de registros desses episódios, que poderá efetivar as ações dos Núcleos de Educação e Prevenção às Violências na Escola (Nepre) _ presentes em 890 de 1.081 escolas catarinenses.

Foto: Betina Humeres / Diário Catarinense

A partir daí, também será possível ter dimensão, em números, do problema no Estado. A ferramenta é um instrumento da Política Estadual de Educação, Prevenção, Atenção e Atendimento às violências na escola, que propõe atuação integrada e intersetorial em parceria com setores da saúde, justiça, segurança pública, assistência social, conselhos tutelares e Ministério Público. 

A coordenadora do Nepre, Rosemari Kock Martins, salienta que o objetivo é que as escolas se tornem espaços de referência para que estudantes, professores e familiares possam dialogar em torno da mediação de conflitos.

— Esse núcleo estuda caso a caso e propõe, dentro da escola, formas de lidar com isso, já que os conflitos são inerentes às relações humanas — explica.

Há, ainda, um caderno pedagógico que fornece o passo a passo aos mestres, mas deixa de instruir o aluno que se envolve em uma situação de violência.

— Esse material traz, por exemplo, a importância da afetividade nas relações interpessoais que se dão no contexto da escola. Ele subsidia a prática pedagógica e diz o que se faz nesse momento: acalmar o estudante, chamar a família, discutir a questão, orienta como encaminhar a professora e o adolescente para atendimento — explica Rosemari.

Especialista defende trabalhos de mediação de conflitos

O psicólogo educacional Rogério Rosa diz que os casos de violência escolar são responsabilidade de toda a sociedade civil. O estudioso, que é professor na Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul), defende que a escola não é uma ilha e que, por isso, não está imune aos conflitos existentes ao redor dela.

— Para se ter uma análise mais comprometida sobre a singularidade de cada caso, é necessário olhar para fatores macros (como os rumores sociais que atravessam a escola) e micro (da relação entre os envolvidos). A escola é um espaço de conflitos e disputa, então há de haver uma visão mais complexa sobre o que acontece lá. Assim, é possível visualizar as saídas possíveis para esse fenômeno — avalia.

Além de investimento em formação docente e estreitamento da relação entre professor e aluno com apoio da comunidade, Rosa acredita no trabalho promovido por grupos de mediação de conflitos para minimizar o contexto da violência em sala de aula.

— Esses projetos que visam a qualificação das relações sociais na escola, a valorização das diferenças e a promoção da cultura de paz são interessantes, desde que apostem em um diálogo franco e aberto. A escola precisa se ater na promoção de convivência, prestígio e valorização do outro — opina.

Leia também:
Justiça determina internação de adolescente que agrediu professora em Indaial

"Quero mostrar para as pessoas que eu não sou um monstro", diz jovem que agrediu professora em SC

 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaQuinta-feira terá mais um desfile natalino no Centro de Blumenau https://t.co/VZuDGwGlduhá 28 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaEm 12h, Guarda de Trânsito registra 17 acidentes de trânsito em Blumenau https://t.co/ykQ8Mm5ghVhá 28 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca