Senado aprova impeachment e afasta Dilma Rousseff da Presidência da República em definitivo - Política e Economia - Santa

Impeachment31/08/2016 | 13h35Atualizada em 31/08/2016 | 16h48

Senado aprova impeachment e afasta Dilma Rousseff da Presidência da República em definitivo

Foram 61 votos a favor e 20 contra a saída do cargo

Senado aprova impeachment e afasta Dilma Rousseff da Presidência da República em definitivo Mateus Bruxel/Agencia RBS
Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS
Zero Hora, Carlos Rollsing, Fábio Schaffner e Guilherme Mazui e RBS Brasília

carlos.rollsing@zerohora.com.br fabio.schaffner@zerohora.com.br guilherme.mazui@gruporbs.com.br

Às 13h35min desta quarta-feira, Dilma Vana Rousseff passou a integrar a galeria de ex-presidentes da República. Considerada culpada por crime de responsabilidade pelo voto de 61 senadores, a primeira mulher a governar o país foi destituída do cargo 28 meses antes do final do segundo mandato. Outros 20 votaram a seu favor, oito a menos do que o mínimo necessário para absolvê-la. 

Sacramentado o impeachment, seu vice Michel Temer assume em definitivo o comando da nação. A posse está prevista para logo mais à tarde e em seguida ele parte em viagem oficial à China.

O veredito contra Dilma foi anunciado pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, em meio a um rebuliço que tomou conta do plenário. Enquanto os petistas lamentavam a derrota, entusiastas da cassação da adversária comemoravam o resultado.

Leia mais:
Como Dilma passou as últimas horas antes da votação do impeachment
Rosane de Oliveira: e o amanhã, como será?
Carolina Bahia: chega ao fim a agonia de Dilma e do PT

Condenada por editar três decretos de suplementação orçamentária sem aval do Congresso e por atraso em repasses do Tesouro a bancos públicos, Dilma enfrentou duas votações.

Na primeira, os senadores votaram pela perda do mandato. Na segunda, por 42 votos favoráveis a perda dos direitos e 36 contrários, eles mantiveram Dilma habilitada para exercer funções públicas, o que lhe permite concorrer em eleições, ocupar cargos comissionados, dar aulas em universidades públicas e até mesmo firmar contratos com entes públicos.

A pena praticamente sepulta a incipiente carreira política de Dilma, que em dezembro completa 69 anos e jamais havia concorrido a um cargo público antes de ser eleita duas vezes presidente. Em 2014, foi reeleita com 54,5 milhões de votos, derrotando no segundo turno o senador Aécio Neves (PSDB-MG), na eleição mais disputada das últimas duas décadas.

A segunda gestão de Dilma, contudo, foi um período conturbado. Com uma relação belicosa com o Congresso e a Operação Lava-Jato assombrando os partidos, em especial o PT, ela não conseguiu conduzir uma agenda política e econômica capaz de superar a crise que se desenhava desde 2014. Com a popularidade em queda, viu sua base de apoio parlamentar se erodir.

Em dezembro de 2015, o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), um aliado convertido em inimigo figadal, acatou o pedido de impeachment formulado pelos juristas Miguel Reale Júnior, Hélio Bicudo, um dos fundadores do PT, e Janaína Paschoal.

Desde a primeira posse, em 2011, Dilma foi alvo de 48 pedidos semelhantes, 34 somente no segundo mandato, o que fez dela recordista no quesito. Ela seria afastada do cargo em 12 de maio deste ano, quando 55 senadores votaram pela abertura formal do processo.

O julgamento de Dilma começou na manhã de quinta-feira. Foram três dias consecutivos consumidos na tomada de depoimento de cinco testemunhas e informantes de defesa e acusação. Na segunda-feira, Dilma compareceu ao plenário para se defender. Discursou por 46 minutos e passou cerca de 11 horas sendo interrogada por 48 senadores.

— Façam justiça a uma presidenta honesta, que jamais cometeu qualquer ato ilegal, na vida pessoal ou nas funções públicas que exerceu. Peço: votem contra o impeachment. Votem pela democracia — apelou aos julgadores.

Vencida a etapa mais cansativa de todo o processo, o plenário enfim sentenciou o destino de Dilma. Ao cabo de 73 horas de julgamento, a petista se tornou a segunda presidente a ter o mandato abreviado por um tribunal de senadores. Na história, Dilma se junta ao ex-presidente Fernando Collor, cassado em 1992. Vinte e quatro anos depois, o hoje senador votou pela condenação de Dilma.

Extenuada pelo longo calvário, Dilma pretende retornar a Porto Alegre, onde planeja ficar mais tempo junto à família. Embora tenha convites para participar de campanhas eleitorais, quer apenas descansar. No crepúsculo de sua trajetória de ex-combatente contra a ditadura militar, militante de esquerda e alta hierarca da administração pública até alcançar a Presidência da República, Dilma confia que será absolvida pela história.

Leia as últimas notícias sobre o impeachment


 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaCampanha de multivacinação leva 4.432 crianças aos postos de Saúde de Joinville na primeira semana https://t.co/j7tgeridV7 #LeiaNoSantahá 1 horaRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaGrupos de pedal de Joinville participam de evento para incentivar a segurança no trânsito https://t.co/OnfaBhiANL #LeiaNoSantahá 2 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros