Favorável ao impeachment, Cristovam Buarque é hostilizado em comissão do Senado - Política e Economia - Santa

Brasília01/09/2016 | 15h37Atualizada em 01/09/2016 | 18h49

Favorável ao impeachment, Cristovam Buarque é hostilizado em comissão do Senado

Senador teve de encerrar os trabalhos bem antes do previsto depois da manifestação de professores e alunos de escolas do Distrito Federal

Favorável ao impeachment, Cristovam Buarque é hostilizado em comissão do Senado Geraldo Magela/Agência Senado
Professores e alunos manifestaram-se contra Cristovam Buarque durante sessão da Comissão de Educação nesta quinta Foto: Geraldo Magela / Agência Senado
Agência Brasil
Agência Brasil

Um dia após o Senado aprovar o impeachment de Dilma Rousseff, a Casa amanheceu, nesta quinta-feira, com corredores praticamente vazios e quase nenhum senador. Nem de longe, o Senado lembrou a agitação dos últimos dias. A manhã só não foi tranquila para o senador Cristovam Buarque (PDT-DF).

Presidente da Comissão de Educação, única a manter a agenda desta quinta, Cristovam teve de encerrar os trabalhos bem antes do previsto depois de ter sido hostilizado por professores e alunos de escolas do Distrito Federal. Ex-petista e ex-ministro da Educação do governo Lula, na quarta-feira Cristovam foi um dos 61 senadores que votaram a favor do afastamento definitivo de Dilma Rousseff da Presidência da República.

— De repente, comecei a ouvir os gritos de "golpista, golpista, golpista". Fiquei nove anos fora do Brasil para não conviver com golpistas. Não quero que ninguém conviva com golpistas. Como ali eles achavam que a Mesa estava sendo comandada por um golpista, em homenagem a eles, que não têm coragem de se exilar, como eu fiz, preferi sair e suspender a sessão — explicou o senador.

Leia mais
Haverá repercussão do fatiamento do julgamento do impeachment de Dilma, diz Maia
Dilma recorre ao STF contra decisão do Senado de aprovar o impeachment
Ex-presidente do STF critica nas redes o "impeachment tabajara"

Cristovam acrescentou que não se sentiu agredido, mas incomodado. 

— Tanto que saí passando pelo meio dos manifestantes e ninguém tocou um dedo em mim. 

Para não alimentar ainda mais o clima hostil, Cristovam convidou os manifestantes que estavam sentados no plenário da comissão a se posicionar atrás dele com os cartazes com inscrições "golpista". De acordo com o senador, desse modo as câmeras da TV Senado poderiam registrar melhor o protesto.

"Golpistas, fascistas, não passarão!". Com essa frase e aos gritos de "Fora, Temer!", o grupo deixou a sala da comissão conduzido até a saída do Senado pela Polícia Legislativa da Casa.

— Estávamos saindo e fizemos referência ao "Fora Temer" porque viemos falar de liberdade de expressão. Dentro da audiência, teve ainda uma galera que começou a gritar "Tchau, querida!" — disse a presidente da União dos Estudantes Secundaristas do Distrito Federal (UESDF), Taís de Oliveira Soares.

Leia as últimas notícias de Política

*Agência Brasil

 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaFilmes para ver neste fim de semana https://t.co/iNvSLh8L5G #LeiaNoSantahá 30 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaEnvolto em emoção, último capítulo de "Velho Chico" termina com despedida a Domingos Montagner https://t.co/NC1MLTrP3q #LeiaNoSantahá 5 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros