Mantega nega encontro e pedido de R$ 5 mi para Eike, diz advogado do ex-ministro - Política e Economia - Santa

Lava-Jato22/09/2016 | 12h54Atualizada em 22/09/2016 | 14h39

Mantega nega encontro e pedido de R$ 5 mi para Eike, diz advogado do ex-ministro

Detenção ocorreu na manhã desta quinta-feira

Mantega nega encontro e pedido de R$ 5 mi para Eike, diz advogado do ex-ministro MARCOS BEZERRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Foto: MARCOS BEZERRA / FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

O criminalista José Roberto Batochio, defensor de Guido Mantega, disse, nesta quinta-feira, que o ex-ministro da Fazenda "nega peremptoriamente qualquer tipo de diálogo com o empresário Eike Batista". Segundo Batochio, o ex-ministro da Fazenda afirmou a ele que "nunca conversou" com Eike.

O ex-ministro foi preso com base na acusação do empresário que afirma ter repassado US$ 2,3 milhões para o PT a pedido de Mantega. Nesta quinta, o ex-ministro foi preso pouco antes das 7h da manhã no hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde acompanhava a mulher em um procedimento cirúrgico.

Leia mais
Mantega teria intermediado repasse de R$ 5 milhões para políticos
Quem é Guido Mantega, ex-ministro da Fazenda preso pela Lava-Jato
Sergio Moro revoga prisão do ex-ministro Guido Mantega

Ele foi levado à sede da Polícia Federal, mas não chegou a depor. Seria transferido para a PF em Curitiba, base da Lava-Jato. Antes disso, porém, o juiz Sérgio Moro revogou a ordem de prisão temporária do ex-ministro.

— Não houve nenhum encontro com Eike. O ministro Mantega assegura que jamais tratou com o senhor Eike sobre contribuição de campanha, sobre pagamento de despesas eleitorais. Portanto, o depoimento desse empresário é absolutamente falso — reagiu o criminalista José Roberto Batochio.

Na avaliação do advogado de Mantega, Eike Batista "percebeu que estava sendo investigado e, possivelmente, seria alcançado pela mão da Polícia Federal". 

— Então, procurou espontaneamente o Ministério Público Federal e fez um escambo, 'se não me prenderem posso acusar alguém importante' — afirmou Batochio.

Eike não fez delação premiada, mas para Batochio o empresário agiu como colaborador em busca de benefícios.

O advogado fez uma ironia com o fato de, ao denunciar Lula por corrupção e lavagem de dinheiro, a Procuradoria da República classificar o governo do petista de "propinocracia". 

— Essa violência contra Guido Mantega mostra que a delação 'premiadocracia' produz deformidades monstruosas. É preciso acabar com a delação 'premiadocracia' ou vamos entrar numa conflagração social — disse. — As liberdades individuais e as garantias pessoais estão sequestradas no Brasil e o cativeiro é o Paraná (sede da Lava-Jato). Urge libertar as liberdades.

Batochio também afirmou que "é absolutamente desnecessária" a prisão do seu cliente.

— As liberdades individuais no Brasil estão sequestradas e seu cativeiro é Curitiba — comentou o advogado.

De acordo com Batochio, a prisão de Mantega teve um caráter "surreal" porque teria ocorrido a partir de uma delação do empresário Eike Batista. Segundo o advogado, o ex-ministro mostrou-se estarrecido com o fato porque o acusador não mostrou provas – enquanto ele teria apresentando evidências. Ainda assim, Eike não foi preso e Mantega, sim.

Leia as últimas notícias sobre a Operação Lava-Jato

*Estadão Conteúdo

 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaMultivacinação: dia D da campanha leva 45 mil crianças aos postos de saúde de Santa Catarina https://t.co/JI1qn5Z11O #LeiaNoSantahá 3 horas Retweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaCampanha de multivacinação leva 4.432 crianças aos postos de Saúde de Joinville na primeira semana https://t.co/j7tgeridV7 #LeiaNoSantahá 5 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros