Relator lê na Câmara parecer da PEC sobre teto de gastos - Política e Economia - Santa

Votação prevista para quinta-feira04/10/2016 | 14h26Atualizada em 04/10/2016 | 14h29

Relator lê na Câmara parecer da PEC sobre teto de gastos

Perondi definiu que o limite de despesas para 2017, ano em que a regra começa a valer, será calculado a partir da despesa primária de 2016

Relator lê na Câmara parecer da PEC sobre teto de gastos Brizza Cavalcante/Divulgação
Deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) é o relator da PEC 41, sobre o teto de gastos públicos Foto: Brizza Cavalcante / Divulgação
Agência Brasil
Agência Brasil

O relator da proposta de emenda à Constituição (PEC) 241, que cria o teto de gastos públicos, deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), começou a ler, por volta das 14h, seu parecer sobre o texto na Comissão Especial que analisa a matéria há dois meses. Perondi definiu que o limite de despesas para 2017, ano em que a regra começa a valer, será calculado a partir da despesa primária de 2016, incluídos os restos pagos, corrigida em 7,2%. 

— Essa regra já consta do texto básico aprovado pelo Congresso Nacional para a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2017. Ademais, esse índice reflete as previsões tanto do Poder Executivo quanto do mercado — disse o deputado.

Leia mais
Meirelles participa de jantar com parlamentares para discutir PEC do teto
Se PEC do Teto for aprovada, não haverá aumento de impostos, diz Temer
Temer tenta acelerar votação da PEC dos gastos públicos

Para o teto a partir de 2018, ficou mantida a regra baseada no valor do exercício anterior corrigido pela variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), calculado entre julho de um ano e junho do ano seguinte.

Perondi lembrou que a elaboração e aprovação do Orçamento, que ocorrem entre julho e dezembro, só contariam com uma "previsão de IPCA", já que no fim do ano o IPCA real é calculado de janeiro a dezembro do ano anterior e usado para atualização do Orçamento aprovado. 

— O deslocamento do período de apuração do IPCA simplifica a lógica da obtenção dos limites. Fixando-se esse período entre julho de um ano e junho do outro, o Orçamento pode ser elaborado, aprovado e executado com o índice de correção já conhecido. Com isso, dispensa-se a futura atualização do Orçamento, o que poderia trazer incertezas, complicações operacionais e possível espaço para práticas indesejadas — afirmou.

O deputado manteve também o prazo de 20 anos de vigência do novo regime fiscal e a previsão de que, a partir do décimo exercício de vigência da nova regra, seja possível alterar o cálculo de correção para definir o limite para despesas primárias, embora tenha alterado alguns detalhes. O primeiro foi a forma com que a possível mudança precisa ser aprovada, substituindo a previsão de projeto de lei por lei complementar, que exige quórum qualificado para ser aprovado.

— O segundo aprimoramento pretende evitar que, após o décimo exercício financeiro, o método de correção possa ser alterado em cada ano. Nesse sentido, estabelecemos que a alteração poderá ser feita uma única vez em cada mandato presidencial — destacou.

Saúde e Educação

Nos pontos mais polêmicos do texto, que tratam dos gastos das áreas de saúde e educação, Perondi alterou o ano-base para cálculo do piso de gastos que é feito a partir da receita corrente líquida de 2016 para 2017, com previsão de incidência de 15% sobre o valor. 

— Adotar o ano de 2016 como base de cálculo para as aplicações mínimas em ações e serviços públicos de saúde causaria imensa perda para o setor — afirmou ao resgatar o histórico de legislações sobre estas áreas, entre elas, a emenda constitucional 86/2015, conhecida como Orçamento Impositivo, que criou a base para o cálculo do piso a partir da receita corrente líquida. 

— O governo atual herdou esse quadro calamitoso na saúde, no qual não estavam garantidos os recursos para funcionamento mínimo do Sistema de Saúde.

A partir de 2018, a correção do piso será feita pelo IPCA. 

— Obviamente o governo federal poderá superar o gasto mínimo nessas áreas, como tem feito — destacou o parlamentar. 

As mesmas regras valerão para a educação, mas com base em 18% sobre a receita corrente líquida, resguardados alguns gastos como o do salário-educação e do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), que não foram incluídos nos limites. As despesas com o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), também não estarrão limitadas por terem natureza financeira.

— Lembramos que as receitas oriundas da participação no resultado ou da compensação financeira pela exploração e a produção de petróleo (royalties) destinadas à educação continuarão a ser computadas fora do piso para a manutenção e desenvolvimento do ensino — completou.

DRU

O relator da PEC vinculou a vigência da Desvinculação de Receitas da União (DRU) à da proposta. Com isso, valeria até 2036 a permissão para remanejar até 30% de recursos provenientes de arrecadação, relativa às contribuições sociais, "sem prejuízo do pagamento das despesas do Regime Geral da Previdência Social, às contribuições de intervenção no domínio econômico e às taxas, já instituídas ou que vierem a ser criadas até a referida data".

O texto mantém a proibição de abertura de crédito suplementar ou especial que amplie o total autorizado de despesa primária e estabelece que não estão submetidos ao cálculo valores de transferências constitucionais, alguns créditos extraordinários, despesas não recorrentes da Justiça Eleitoral com eleições e despesas com aumento de capital de empresas estatais não dependentes.

Com o pedido de vista da oposição, já esperado pela base governista, a votação da matéria na comissão especial deve ocorrer na próxima quinta-feira. O governo quer que o texto seja incluído na pauta do plenário o mais rápido possível para que seja discutido no dia 10 e votado, em primeiro turno, no dia 11 deste mês. Para ser aprovada, a PEC precisa de um quinto dos votos dos 513 parlamentares (308).

Leia as últimas notícias de Política

*Agência Brasil

 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaPedro Machado: a Chapecoense é uma unanimidade https://t.co/w9WYf5SyKn #LeiaNoSantahá 4 diasRetweet
  • santacombr

    santacombr

    Santa"Pode-se tentar calar o juiz, mas nunca se conseguirá calar a Justiça", reage Cármen Lúcia https://t.co/JZDSmNAMoY #LeiaNoSantahá 4 diasRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros