Em 2013, lista de Dilma também tinha sorvete Häagen-Dazs - Política e Economia - Santa

Lanchinho "salgado"27/12/2016 | 19h40Atualizada em 27/12/2016 | 19h42

Em 2013, lista de Dilma também tinha sorvete Häagen-Dazs

Na ocasião, ONG Contas Abertas fez levantamento de lanches para o alto escalão do governo. Nesta terça-feira, edital de compras para avião de Michel Temer foi suspenso após repercussão negativa

Em 2013, lista de Dilma também tinha sorvete Häagen-Dazs Mauro Vieira/Agencia RBS
Foto: Mauro Vieira / Agencia RBS
Zero Hora
Zero Hora

Com itens como Nutella, sorvete Häagen-Dazs, tortas de chocolate, picolés e refeições prontas a custos acima dos praticados no mercado, o edital de R$ 1,75 milhão em compras para aeronaves utilizadas pelo presidente Michel Temer foi suspenso nesta terça-feira, diante da repercussão negativa. No entanto, não é a primeira vez que o cardápio do avião presidencial é alvo de críticas.

Em 2013, a ONG Contas Abertas fez um levantamento a partir dos mesmos pedidos para a presidência, à época ocupada por Dilma Rousseff. As opções que podiam ser degustadas nos pratos servidos no avião presidencial da Força Aérea Brasileira (FAB) iam desde coelho assado e costela de cordeiro até carne de rã e de pato. O sorvete Häagen-Dazs também estava na lista de Dilma.

Leia mais:
Lista de compras para avião de Temer custa R$ 1,75 milhão
Planalto cancela compra de alimentos para avião de Temer
Lista de compras para avião de Temer tinha preços acima do mercado

Além disso, o preço acima do mercado em diversos itens também não é uma novidade. No caso da lista para Temer, há diferenças exorbitantes. É o caso da farinha de linhaça dourada. Na relação deste ano, o pacote de 200g da marca Jasmine custaria R$ 44 para o governo. No supermercado, o mesmo produto, da mesma marca, com a mesma quantidade, é vendido a R$ 7,90.

De acordo com o levantamento feito pelo Contas Abertas, a aeronave de Dilma também contaria com preços muito acima do que é estipulado pelo mercado. Na ocasião, foram identificados valores mais altos em latas de refrigerante — que custavam, à época, R$ 3,37 para o governo e eram vendidas a R$ 1,49 no supermercado — e em caixas de sucos de um litro — que custavam R$ 7,16 ao Planalto e sairiam por uma média de R$ 4 a R$ 4,50 para o cidadão comum.

*Zero Hora


 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaComando local pretende aguardar próximas etapas para avaliar impacto na cidade https://t.co/8OK3JXzVx8 #LeiaNoSantahá 3 horas Retweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaSudão do Sul alerta que quase metade de sua população passa fome https://t.co/se1rzRT2kG #LeiaNoSantahá 4 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros