Metalúrgica Duque terá de pagar R$ 16,5 milhões a credores - Política e Economia - Santa

Livre Mercado 20/12/2016 | 15h34

Metalúrgica Duque terá de pagar R$ 16,5 milhões a credores

Na eventualidade de não cumprir com a exigência legal, poderá ser decretada a falência da empresa

* O colunista Claudio Loetz está de férias e volta a escrever neste espaço no dia 10 de janeiro. Sugestões de notas e reportagens no período de ausência do colunista podem ser enviadas para o jornalista Jean Balbinotti pelo e-mail jean.balbinotti@an.com.br ou pelo telefone (47) 3419-2147.

**************************************************************************************



A partir de maio de 2017, a Metalúrgica Duque terá de pagar R$ 16,5 milhões a aproximadamente 1.500 credores trabalhistas. A determinação é da Justiça, seguindo a tramitação natural do processo de recuperação judicial da companhia. Na eventualidade de não cumprir com a exigência legal, poderá ser decretada a sua falência.

O administrador judicial, Agenor Daufenbach Junior, diz que a situação financeira da empresa é grave. A tradicional metalúrgica joinvilense, que teve seu auge entre as décadas de 1970 e 1990, decaiu por falta de adaptação às novas exigências do mercado.

A Duque tornou-se dependente de poucas e grandes corporações compradoras de sua produção. Quando os negócios da linha branca despencaram, não suportou os efeitos das crises econômicas sucessivas e, por isso, precisou se socorrer do instituto da recuperação judicial para não fechar. Agora, o momento é ainda mais delicado.

– A Duque obteve receita aproximada de R$ 800 mil em novembro. E, em dezembro, o valor apurado foi mínimo, com produção praticamente parada. Será necessário faturamento elevado no primeiro quadrimestre de 2017. As perspectivas não são nada boas – destaca.


Rôgga lança residencial em Barra Velha
A Rôgga Empreendimentos reuniu corretores imobiliários e autoridades na semana passada para o lançamento do residencial Vila Açoriana Comfort Club, entre as praias do Tabuleiro e de Itajuba, em Barra Velha. O empreendimento será concebido em três fases.

A primeira delas contemplará três torres, totalizando 216 apartamentos de 58 m² a 64 m² privativos, plantas de dois dormitórios e sacada com churrasqueira a carvão. O lançamento contempla valores a partir de R$ 190 mil e os imóveis podem ser financiados pela Caixa Econômica Federal.

– Trata-se de um empreendimento de referência na região, totalmente “pé na areia” – destaca o diretor-presidente da Rôgga, Vilson Buss.

Um dos destaques do residencial é a área de lazer, com vista para o mar e um conjunto de piscinas, além de spa, deque, salão gourmet, quiosque com churrasqueira, entre outros.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Livre Mercado  11/11/2016 | 22h41

Loetz: GM pede licenciamento para nova fábrica capaz de gerar 449 vagas em Joinville

Expectativa é que obras da nova unidade levem dez meses

Livre Mercado 27/01/2016 | 17h27

General Motors dará férias coletivas a todos os funcionários de Joinville

A capacidade de produção da fábrica joinvilense é de 120 mil motores e de 200 mil cabeçotes por ano

 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaCâmara aprova projeto que libera terceirização de todas atividades https://t.co/ionWl68ymS #LeiaNoSantahá 13 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaSC registra 2,8 mil focos de Aedes aegypti em 108 municípios https://t.co/f2Nu7SPTNF #LeiaNoSantahá 13 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros