Moro critica "emenda da meia-noite" no pacote anticorrupção - Política e Economia - Santa

Senado01/12/2016 | 13h35Atualizada em 01/12/2016 | 13h41

Moro critica "emenda da meia-noite" no pacote anticorrupção

Sentado ao lado de Renan Calheiros, juiz federal participa de debate sobre mudanças na Lei de Abuso de Autoridade

Moro critica "emenda da meia-noite" no pacote anticorrupção Geraldo Magela / Agência Senado/Agência Senado
Foto: Geraldo Magela / Agência Senado / Agência Senado
Matheus Schuch/RBS Brasília

matheus.schuch@gruporbs.com.br

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava-Jato em primeira instância, chamou de "exagerada" a emenda aprovada pela Câmara dos Deputados prevendo a possibilidade de punir de juízes, promotores e procuradores por crime de responsabilidade

Convidado para debate sobre mudanças na Lei de Abuso de Autoridade no plenário do Senado nesta quinta-feira, o magistrado defendeu que o texto, incluído no pacote de medidas anticorrupção, deve ter sido apresentado de forma mais transparente.

— Essas emendas da meia-noite, que não permitem uma avaliação por parte da sociedade e um debate mais aprofundado por parte do parlamento, não são apropriadas, ainda mais tratando de temas tão sensíveis — opinou.

Leia também:
Em debate com Sergio Moro, Renan diz que Lava-Jato é "sagrada"
Senadores rejeitam manobra de Renan para acelerar votação do pacote anticorrupção
Veja as mudanças que os deputados aprovaram no pacote anticorrupção

Na noite passada, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), tentou uma manobra para aprovar o projeto oriundo da Câmara às pressas, sem tempo para discussão pelos senadores. O requerimento de urgência foi rejeitado por 44 votos a 14.

Diante de um plenário lotado, Moro sugeriu que as medidas anticorrupção necessitam de discussão mais aprofundada. 

— Tem que se tomar todo um cuidado para evitar a criminalização do exercício da jurisdição, autonomia do Ministério Público e vinculação do agente policial à lei — pontuou.

Moro foi chamado para ir ao Senado debater a lei de abuso de autoridade, que tramita na Casa. O projeto é diferente do que foi proposto e aprovado na Câmara, mas possui pontos em comum. Moro entregou oficialmente aos senadores uma sugestão de mudança no texto. Ele recomenda inserir um item que veta a criminalização da "divergência na interpretação da legislação penal e na avaliação de fatos e provas".

Ainda que tenha manifestado disposição para contribuir com mudanças no projeto em análise no Senado, Moro defendeu que não é o melhor momento para propor uma lei sobre o assunto.

— A sociedade está ansiosa diante de casos de corrupção que têm sido revelados. A aprovação de um projeto neste presente momento poderia dar uma mensagem errada à sociedade — sustentou.

Além de Moro, participam do evento no Senado o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, e outros magistrados. No início da sessão, Renan Calheiros afirmou que a lei em discussão não quer "punir autoridades, mas o abuso". Ele também disse que considera a operação Lava-Jato "sagrada", e que "a impunidade no Brasil é uma grande chaga".

 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaPedro Machado: a Chapecoense é uma unanimidade https://t.co/w9WYf5SyKn #LeiaNoSantahá 6 diasRetweet
  • santacombr

    santacombr

    Santa"Pode-se tentar calar o juiz, mas nunca se conseguirá calar a Justiça", reage Cármen Lúcia https://t.co/JZDSmNAMoY #LeiaNoSantahá 6 diasRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros