Presidente do Banco do Brasil nega pressão do governo por redução de juros bancários - Política e Economia - Santa

Café com jornalistas27/12/2016 | 14h27

Presidente do Banco do Brasil nega pressão do governo por redução de juros bancários

Para Paulo Rogério Caffarelli, corte das taxas liderado pelos bancos públicos nos anos recentes "não foi frutífera" e o executivo classifica a iniciativa passada como um "puxadinho" econômico

Presidente do Banco do Brasil nega pressão do governo por redução de juros bancários Valter Campanato/Agência Brasil
O presidente do Banco do Brasil, Paulo Rogério Caffarelli, faz um balanço das atividades do banco em 2016 e as perspectivas para 2017 Foto: Valter Campanato / Agência Brasil
Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

O presidente do Banco do Brasil, Paulo Rogério Caffarelli, nega que o governo federal esteja exercendo pressão para que a casa reduza os juros no esforço de retomada da economia.

— Não existe pressão em relação a isso — disse, em café da manhã com jornalistas.

Leia mais
Já está valendo regra que permite diferença no pagamento à vista
Mais de 18 mil lojas de shoppings foram fechadas em 2016 em todo o país
Mais de 9,4 mil funcionários aderem ao plano de aposentadoria do Banco do Brasil

Para o executivo, o corte das taxas liderado pelos bancos públicos nos anos recentes "não foi frutífera" e o executivo classifica a iniciativa passada como um "puxadinho" econômico.

— A ação do Banco do Brasil e a Caixa não foi frutífera ao cortar os juros porque os outros não o fizeram — disse. — Não foi correto. Temos de olhar para frente e fazer coisas consistentes. Não podemos trabalhar com um puxadinho — completou. 

— Não adianta forçar a redução dos juros.

Aos jornalistas, o presidente do BB explicou que os bancos têm mantido contato com o governo sobre iniciativas para redução do custo do crédito.

— A gente tem conversado com o governo e existe disposição do sistema financeiro nacional de reduzir os spreads bancários — afirmou.

— Há predisposição em acompanhar a taxa Selic de forma sustentável e não da maneira feita anteriormente — disse.

"Certamente cresceremos no crédito em 2017"

A carteira de crédito do Banco do Brasil deve voltar a crescer em 2017 com a gradual retomada da economia e a continuidade da queda da taxa Selic, segundo Caffarelli.

— Não divulgamos os números de 2017, mas certamente cresceremos no crédito — disse o executivo.

Ele não divulgou a previsão de expansão das operações de crédito — o chamado guidance —, mas citou que a esperada volta ao crescimento da economia brasileira deve levar à "retomada dos empréstimos na pessoa jurídica".

Nas operações para as famílias, o banco prevê reação em operações como o crédito consignado e financiamento imobiliário. Caffarelli repetiu a previsão da casa de que o Produto Interno Bruto (PIB) deve crescer 0,7% no próximo ano.

Além da atividade, o executivo explicou que a expectativa de continuidade de queda da Selic também ajuda ao reduzir custos. 

— Com a inflação ancorada, existe a tendência de continuidade de redução dos juros — disse. — E os bancos vão se adequando — completou.

Leia as últimas notícias de Economia

*Estadão Conteúdo

 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaPlaneta Atlântida 2017: Jeremih, Ludmilla e CPM 22 são confirmados https://t.co/a2FIjNpHUy #LeiaNoSantahá 35 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaNovos episódios de "O Vestido Ideal" e outras atrações para ver na TV na noite desta segunda-feira https://t.co/WLhfV7qqtd #LeiaNoSantahá 46 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros