VÍDEO: como será o mercado do trabalho no futuro? - Política e Economia - Santa

Versão mobile

Idosos na ativa16/12/2016 | 22h05Atualizada em 16/12/2016 | 22h05

VÍDEO: como será o mercado do trabalho no futuro?

Com escassez de jovens talentos e população envelhecida, experiência e atualização de habilidades serão valorizadas, segundo especialistas

O desafio de moldar o mercado de trabalho do futuro — quando o país terá mais pessoas com rugas e uma proporção menor de gente com espinhas — será das empresas e de quem busca colocação. Ter tarefas feitas à distância, oferecer diferentes pacotes de benefícios de acordo com a faixa etária dos colaboradores e criar formas de amenizar choques entre as diferentes gerações são alguns pontos cada vez mais discutidos em seminários e congressos da área, diz Wolnei Tadeu Ferreira, diretor da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH).

— As pessoas mais maduras devem ser consideradas, porque têm conhecimento e bagagem cultural valiosa. Podem passar a ser instrutores, multiplicadores de conhecimento. Podem não ter o mesmo vigor e vitalidade, suportarem cargas horárias elevadas, mas podem fazer as tarefas com mais habilidade — diz Ferreira.

Pesquisador da área de mercado de trabalho, Bruno Ottoni, da Fundação Getulio Vargas (FGV), entende que as empresas serão forçadas a investirem mais em reciclagem e requalificação dos seus quadros. A atualização será chave para que se mantenham produtivos e competitivos.

Leia mais:
O futuro do mercado de trabalho a partir da reforma da Previdência
Aos 68 anos, Pedro segue na ativa: "Sou respeitado e um exemplo"
Calcule quando você se aposentará se reforma da Previdência for aprovada

— As empresas terão de entender que pessoas com experiência têm valor no mercado de trabalho — afirma Ottoni.

O sociólogo José Pastore, da Universidade de São Paulo (USP), observa que, com a queda da taxa de natalidade, uma proporção menor de jovens no ingresso do mercado de trabalho deve ajudar um pouco a aliviar a concorrência com os mais idosos (que permanecerão mais tempo ocupando seus espaços), mas o ritmo das mudanças tecnológicas vai lançar um desafio para toda a sociedade.

— Se o país não oferecer educação de qualidade, essas pessoas depois não terão condições de se ajustarem nessa transição — alerta Pastore, lembrando que diversos estudos sugerem que, nas próximas décadas, várias profissões podem ser extintas.

Pelo lado do trabalhador, as necessidades serão semelhantes: se reciclar, estudar, manter-se capacitado e atualizado para não ser engolido pela evolução tecnológica.

Leia também:
Ocupação aumenta, mas idosos relatam dificuldade de colocação
Conhecimento acumulado é oportunidade para empreender
Três vidas e um futuro incerto com a reforma da Previdência

Se o futuro do trabalho é uma incógnita, o presente já é desafiador. Com a percepção de quem depara todos os dias com um grande números de pessoas procurando emprego, a gerente do Sine de Porto Alegre, Ângela Oetinger, diz notar um quadro mais preocupante para os candidatos grisalhos.

— O que vemos é que as pessoas mais velhas são demitidas para a contratação de jovens. E depois essas pessoas têm uma inserção mais difícil no mercado — relata Ângela.

Quando conseguem, diz a gerente do Sine, é por um salário mais baixo, com consequente queda no nível de vida e menor contribuição para a Previdência.

Dados do IBGE indicam que, no ano passado, os idosos — com 60 anos ou mais — representavam 14,3% da população brasileira. As projeções apontam que, em 2039, serão quase um quarto dos habitantes do país.

Foto: Zero Hora


 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    Santa"Não fiz uso de nenhuma droga ilícita", diz Fábio Assunção após confusão em Pernambuco https://t.co/y1iN6XdX18 #LeiaNoSantahá 2 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaFábio Assunção é solto após pagar fiança de 10 salários mínimos https://t.co/WN9AFNnwN1 #LeiaNoSantahá 3 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros