Acidente com Teori Zavascki paralisa delação da Odebrecht  - Política e Economia - Santa

Versão mobile

Lava-Jato19/01/2017 | 18h03Atualizada em 19/01/2017 | 19h19

Acidente com Teori Zavascki paralisa delação da Odebrecht 

Ministro que morreu em queda de avião em Paraty analisava os depoimentos da empreiteira. Agora, um novo relator para o caso terá de ser indicado

O acidente aéreo envolvendo o ministro Teori Zavascki provocou um dano colateral que vai se refletir no momento histórico brasileiro: paralisou, por tabela, a análise da maior delação premiada já feita no país, firmada por 77 dirigentes da empreiteira Odebrecht.

Teori, que é relator de todos os processos da Operação Lava-Jato que envolvem pessoas com foro privilegiado (políticos), passou o final de dezembro e a primeira quinzena de janeiro mergulhado no exame dos mais de 800 depoimentos prestados pelos 77 dirigentes. Foram rodadas de conversações com o Ministério Público Federal (MPF) feitas desde maio de 2016. Ele examinava detalhadamente cada depoimento, antes de homologá-lo (autorizar seu uso como prova). A homologação estava prevista para fevereiro.

Leia mais
Filho de Teori confirma que ministro estava em avião que caiu em Paraty
Chovia forte quando avião que levava ministro Teori Zavascki caiu

Na semana que vem Teori iria realizar audiências de verificação, com interrogatório dos réus colaboradores da Odebrecht. A ideia era verificar se eles prestaram testemunho por vontade própria e se não foram indevidamente pressionados, além de checar se possuem indícios do que afirmam nos depoimentos. O ministro do STF tinha a possibilidade de recusar os acordos, se entender que não seguem o determinado na lei. Ou pedir novos interrogatórios.

Tudo isso está agora suspenso, por tempo indeterminado, o que significa que as revelações dos 77 executivos da Odebrecht também não serão validadas, até segunda ordem. Teori contava com uma equipe de juízes auxiliares e servidores do gabinete, que trabalhavam inclusive durante o recesso do STF, que começou em 19 de dezembro e só termina na primeira semana de fevereiro. Para mergulhar na análise das delações, o ministro deu uma pausa na leitura de outros cem processos criminais que estavam em suas mãos.

Teori foi responsável por outras 24 delações homologadas na Lava-Jato e os processos derivados delas, agora, ficarão a cargo de seu substituto - bem como novas delações que podem surgir (como as da Mendes Junior e Galvão Engenharia).

A retomada da análise das delações da Odebrecht — e de qualquer processo envolvendo a Lava-Jato no STF — pode depender, agora, da escolha de um novo ministro. Isso pode acontecer de duas formas: uma, rápida, que consiste em indicar algum outro ministro das atuais turmas do Supremo Tribunal para substituir Teori. Não é o usual. A forma tradicional é, caso o ministro não possa mais julgar, que um novo ministro seja indicado para o STF pelo presidente da República, Michel Temer. Esse novo jurista teria de ser sabatinado, inclusive pelo Senado. Só então ele herdaria os casos que estavam com Teori e a Lava-Jato prosseguiria, no tocante aos suspeitos com foro privilegiado.

Diante da desunião dos ministros do STF em torno da maioria dos temas, é possível que optem por aguardar a nomeação de um novo integrante do tribunal, o que faria com que a Lava-Jato se arrastasse.



Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaCarolina Bahia: à mesa com o presidente https://t.co/FwRohy9igy #LeiaNoSantahá 25 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaBanda goiana Boogarins faz show em Blumenau https://t.co/p9FzR41zmc #LeiaNoSantahá 2 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca