Juiz decide que pagamento de propina na Petrobras não é dano ao erário - Política e Economia - Santa

Operação Lava-Jato11/01/2017 | 15h40Atualizada em 11/01/2017 | 15h40

Juiz decide que pagamento de propina na Petrobras não é dano ao erário

Friedmann Anderson Wendpap entendeu que "os atos ímprobos" podem ter causado dano ao erário, mas os danos não decorrem do pagamento de propina, e sim do superfaturamento dos contratos

Juiz decide que pagamento de propina na Petrobras não é dano ao erário Luis Macedo/Divulgação
Foto: Luis Macedo / Divulgação
Agência Brasil
Agência Brasil

A Justiça Federal em Curitiba decidiu negar andamento a uma ação de improbidade administrativa do Ministério Público Federal (MPF) contra o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, um dos delatores das investigações da Operação Lava-Jato, e a empreiteira Galvão Engenharia, além de executivos da empresa. Na decisão, proferida na segunda-feira, o juiz Friedmann Anderson Wendpap, da 1ª Vara Federal de Curitiba, entendeu que, no caso concreto, o pagamento de propina para fraudar as licitações da Petrobras não pode ser considerado como dano ao erário.

Na ação, o MPF pedia que os acusados fossem condenados a ressarcir R$ 756 milhões aos cofres públicos, quantia equivalente a dez vezes ao valor que teria sido pago em propina pela empreiteira por meio de "operações fictícias" em contratos da estatal. O Ministério Público também pedia que a Galvão Engenharia fosse impedida de assinar contratos com a administração pública e de receber incentivos fiscais. De acordo com as investigações, a empresa participava do cartel de empreiteiras que fraudava as licitações na estatal.

Leia mais
Caso Odebrecht leva crise a pelo menos cinco países
Marcelo Odebrecht fez indicação por meio de Palocci para cargo do governo Dilma, aponta Lava-Jato
Eduardo Cunha fica isolado em presídio do Paraná

Na decisão, o juiz entendeu que "os atos ímprobos" podem ter causado dano ao erário, mas os danos não decorrem do pagamento de propina, e sim do superfaturamento dos contratos.

"No caso concreto, porém, não se pode considerar o pagamento da vantagem indevida como dano ao erário, por uma singela razão: ainda que tenha sido fixada com base no valor do contrato, a propina foi paga pelas próprias empreiteiras, e não pela Administração Pública. O que a Petrobras pagou, em verdade, foi o preço do contrato e em razão de um serviço que, em tese, foi realizado a contento. Logo, o pagamento da propina não implica dano ao erário, mas desvantagem, em tese, às próprias contratadas", decidiu.

O MPF pode recorrer da decisão do juiz.

Leia as últimas notícias sobre a Operação Lava-Jato

*Agência Brasil

 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaCidades catarinenses registram deslizamentos e alagamentos  https://t.co/FCI4ONf1nC #LeiaNoSantahá 1 horaRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaCidades catarinesnes registram deslizamentos e alagamentos  https://t.co/VA5u0kQtZp #LeiaNoSantahá 2 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros