Loetz: Eike Batista, um símbolo - Política e Economia - Santa

Versão mobile

Livre Mercado 28/01/2017 | 08h04

Loetz: Eike Batista, um símbolo

Colunista de "AN" comenta neste artigo a ascensão e queda do empresário no Brasil

Loetz: Eike Batista, um símbolo WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO
Foto: WILTON JUNIOR / ESTADÃO CONTEÚDO

Nos últimos tempos, o mundo de vários dos mais ricos homens brasileiros tem se confundido com os mundos da Polícia Federal e da Justiça. Eike Batista, ex-megabilionário, está foragido e é procurado pela Interpol desde quarta-feira. Notícias deste tipo seriam inacreditáveis há cinco anos. O País está mudando. A frase antiga, de que a cadeia é só para os pobres, aos poucos já não se aplica por completo. Mas não sejamos ingênuos para acreditar que os presídios superlotados e as celas comuns são para os endinheirados.

A trilha contemporânea, a partir da Operação Lava-jato, não nos salva como civilização. Lógico que não. Estamos, a rigor, na antessala de um purgatório doloroso, a expiar parcela mínima de uma enorme lista de pecados cometidos ao longo de 500 anos. A história nos conta que fomos (ou continuamos a ser?) dominados por testamentos e que a colonização perversa predominou tanto, a ponto de, ainda no século 21, nossas mentes se alegrarem com os tímidos avanços institucionais recentes.

Voltemos ao fato. A história de Eike foi forjada com riquezas biliardárias amparadas em promessas e estratégias de negócios recheadas de inventividade e coragem, num comportamento que extravasou para além dos limites da responsabilidade e da ética. O “x” que aparece nas siglas de todos os seus negócios significava a ideia de multiplicação da riqueza. Um símbolo.

Riqueza demais e visível em excesso agregada à imperial arrogância, resulta no que sabemos agora. Dirão os mais céticos que este é um caso raro de busca por criminoso do clarinho branco e que, portanto, não serve para comprovar a tese esboçada no começo deste texto.

Claro que é só um início. Porém, no âmbito da Operação Lava-jato, alguns dos mais importantes empresários brasileiros já arcam com as consequências de seus atos. Quem acha que é pouco pode até ter razão se enxergar apenas o copo em função da quantidade de presos, em relação aos que andam em carrões de luxo ou helicópteros.

Calma aí! Para haver processo – e para haver cadeia – é necessário o cumprimento de tarefas policiais e judiciárias, que exige tempo longo e persistência firme na ação. O que vale aqui não é a amplitude em si com que os juízes mandam prender executivos renomados. Até porque, por óbvio, é preciso cabal demonstração de provas para indiciar, julgar e, se for o caso, depois condenar as pessoas a penas ajustadas ao que determina a nossa legislação.

O que nos interessa, no caso, é a ideia central: há um novo olhar para os malfeitos, e a bandidagem cometida por aqueles que se acreditam acima das leis está na mira de quem tem de agir para preservar a ordem e a lei. Os corruptos e/ou infratores da ordem econômica já não podem dormir tão tranquilamente como o faziam anteriormente. Não estão mais sossegados. Sabem que podem ser arrolados na lista de possíveis investigados. Há menos complacência e mais investigação.

O sinal é claro. O País está renascendo. Renascendo talvez seja uma expressão inadequada. Afinal, para renascer, é necessário ter morrido. No entanto, se o contexto não permite admitir isso, literalmente, ao menos serve para compreendermos o momento. A sensação é de que nem tudo está tão péssimo assim. Há um pequeno indicador de esperança.

A esperança vem da percepção de que há um movimento em curso. Um movimento na direção correta quando olhamos retrospectivamente. Refiro-me ao fato de que, até bem pouco tempo atrás, era absolutamente natural a conivência com a criminalidade, com as poucas ações de efetivo combate sistêmico. Há uma nova forma de encararmos a realidade. A ordem das coisas mudou, felizmente!

O tal do brasileiro cantado na nossa historiografia como sendo “homem cordial”, que aceita tudo com enorme passividade, vem sendo colocado à prova. Hoje, há torcida pública pelos promotores e procuradores. A parte pensante da sociedade compreende a relevância de suas ações.

E mais: o País tem uma das melhores estruturas técnicas e tecnológicas, capaz de captar, com poucos cliques no computador, se há algum crime fazendário ou tributário em andamento. Nunca é demais lembrar que o sistema financeiro, a Receita Federal e a Polícia Federal são parte da mesma engrenagem e sabem tudo sobre todos nós, brasileiros. Eike Batista, o nosso exemplo da semana, é isso: um símbolo.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Livre Mercado  11/02/2016 | 07h06

Claudio Loetz: Espaço Inovaparq, em Joinville, será inaugurado no dia 17

Localizado no Perini Business Park, iniciativa vai apoiar empresas na tomada de decisões e antecipar tendências para negócios com estudos realizados por professores e alunos

Livre Mercado 18/01/2016 | 07h04

Claudio Loetz: Havan terá terceira loja construída em Joinville

Planos da empresa é de instalar também uma loja em Praia Grande e outra em Jundiaí

Livre Mercado 16/01/2016 | 11h34

Claudio Loetz: As dores cotidianas

Livre Mercado 15/01/2016 | 07h07

Claudio Loetz: Novas regras do Minha Casa, Minha Vida afetam as cidades do Norte de SC

Principal mudança trata do valor máximo dos apartamentos ou casas a serem financiadas pela Caixa Econômica Federal

Livre Mercado 11/01/2016 | 07h04

Governo do Estado quer acelerar o cadastro de propriedades rurais em SC

Prazo termina no dia 5 de maio e, até agora, pouco mais da metade dos imóveis foram regularizados

Livre Mercado 09/01/2016 | 06h31

Balança Comercial de Santa Catarina tem déficit de US$ 4,96 bilhões em 2015

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior divulgou balanço nesta semana

Livre Mercado 08/01/2016 | 07h02

Perini reforça a segurança com instalação de novas câmeras de monitoramento

Complexo localizado na zona industrial de Joinville terá equipamentos que reconhecem as placas de veículos em apenas três segundos

Livre Mercado 06/01/2016 | 07h09

Celesc firma contrato de concessão com cinco usinas catarinenses por 30 anos

Assinatura do contrato ocorreu em Brasília, nesta terça-feira. Entre as usinas está a do Bracinho, localizada em Schroeder

Livre Mercado 05/01/2016 | 07h07

CDL de Joinville projeta crescimento de 10% nas vendas do comércio em janeiro

Para presidente da entidade, Luiz Kunde, a presença de turistas e a permanência de moradores na cidade têm contribuído para a perspectiva otimista neste início de ano

Livre Mercado 04/01/2016 | 07h02

Em Joinville, Caixa registra aumento de imóveis comercializados pelo Programa Minha Casa, Minha Vida em 2015

Foram comercializadas 1.918 unidades habitacionais, 45% mais do que em 2014

Livre Mercado 02/01/2016 | 12h17

Aeroporto de Joinville comemora avanços em 2015

Confira entrevista com Rones Rubens Heidemann, superintendente do aeroporto

Livre Mercado 30/12/2015 | 18h13

Walmart fecha unidades da rede Todo Dia em Joinville

Grupo americano não confirma número de unidades desativadas, apenas que serão "algumas"

Livre Mercado 30/12/2015 | 07h08

Mais da metade dos joinvilenses está com dívidas, diz pesquisa da Fecomércio

Índice de famílias endividadas na cidade atingiu 50,4% em dezembro. No ano passado, no mesmo mês, a taxa era 39,2%

Livre Mercado 29/12/2015 | 07h09

Mercado imobiliário de Joinville dá sinais de recuperação em alguns setores

Pesquisa encomendada pelo Sinduscon mostra que no terceiro trimestre deste ano foram comercializadas 40% mais unidades de prédios verticais do que no trimestre anterior

Livre Mercado 28/12/2015 | 06h31

Loetz: Trabalhadores das indústrias têxteis definem pauta de reivindicações

Documento tem 80 cláusulas e pede, entre outras coisas, a reposição da inflação oficial a partir de 1º de fevereiro

Livre Mercado 25/12/2015 | 19h12

Claudio Loetz, sobre 2016: "Luz no fim da escuridão? Sempre há. Precisaremos de paciência, determinação e disciplina"

Colunista faz análise sobre o que esperar da economia no ano que vem

Jornal de Santa Catarina
Busca