Prefeito Gean Loureiro usa experiência no legislativo para aprovar pacotão de projetos - Política e Economia - Santa

Versão mobile

Convocação extraordinária28/01/2017 | 06h07Atualizada em 28/01/2017 | 06h07

Prefeito Gean Loureiro usa experiência no legislativo para aprovar pacotão de projetos

Vereador por cinco legislaturas, peemedebista conseguiu consolidar base aliada para aprovar reformas, cortar benefícios e agradar entidades

upiara boschi
upiara boschi

Em seus primeiros dias de mandato como prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (PMDB) pôs à prova toda a experiência de quem viveu cinco legislaturas como vereador na cidade. A polêmica convocação extraordinária da Câmara para analisar e votar em apenas 12 dias um pacotão de 38 projetos foi uma cartada em que o peemedebista mostrou força política e controle de uma base aliada ainda em formação, além de apresentar um novo estilo de governar.

Upiara Boschi: votação do pacotão mostra o estilo Gean Loureiro de governar

Ao final de cada longa sessão realizada ao longo da semana que passou — algumas delas encerradas próximo à meia-noite — Gean Loureiro ligava para os parlamentares aliados para falar sobre o dia. Uma forma de dividir a pressão e mostrar-se próximo, especialmente após a terça-feira, quando a votação da reforma administrativa e da suspensão do plano de carreira dos servidores municipais levou ao confronto entre servidores e a guarda municipal que impedia o acesso às galerias.

Foto: Arte DC sobre foto de Felipe Carneiro / Grupo RBS

— Eu conheço a Câmara, sei o que os vereadores querem e como gostam de ser tratados — afirmaria o prefeito na tarde de quinta-feira, quando a sucessão de vitórias em plenário já deixava claro que ele sairia politicamente mais forte do episódio.

Embora o pacotão tenha sido reduzido para 26 propostas, Gean diz que a aprovação de projetos estruturais vai permitir programar o ano de forma mais tranquila. Além da reforma administrativa que cortou 12 das 24 secretarias e do projeto que vai extinguir benefícios de servidores público (incorporações, licença-prêmio, triênios), o prefeito também recebeu aval da Câmara para propostas que devem dar algum fôlego ao caixa do município. 

Entre eles, o que dá 180 dias para os devedores quitarem os débitos sem juros ou multas e o que reduz de 3% para 2% e 0,5% a alíquota do imposto sobre transações imobiliárias pelo mesmo período - uma aposta na regularização de contratos de gaveta. Emitiu, ainda, sinais claros a entidades empresarias que devem ser parcerias da gestão, emplacando propostas que devem sinal verde à parcerias público-privadas e desburocratizar licenciamentos.

— É uma vitória política importante para este começo de governo. O resultado contrário seria uma tragédia — afirma o secretário da Casa Civil, Filipe Mello (PR), que se alternou entre a Câmara e reuniões com os servidores grevistas ao longo da semana.

Foi justamente no Sintrasem, o sindicato dos servidores municipais, a maior resistência ao pacotão de Gean. A greve da categoria foi deflagrada assim que o pacote aportou na Câmara. O prefeito disse que não negociaria enquanto a greve fosse mantida, mas manteve Filipe Mello e o líder do governo na Câmara, Roberto Katumi (PSD), em diálogo quase permanente. Nessa tentativa de acordo, o governo aceitou incluir uma emenda que mantinha a incorporação de benefícios aos salários quando os servidores já tivessem cumprido dois terços do tempo de serviço para aposentadoria e retirou da pauta a criação de um novo fundo previdenciário e o aumento da alíquota de contribuição de 11% para 14%. 

O Sintrasem pedia a retirada do artigo que suspende o plano de carreira da categoria até a aprovação de um novo - que Gean tem dito que considera inaplicável. Em entrevista ao Jornal do Almoço, na quarta-feira, o prefeito garantiu que o projeto não resultaria em diminuição de salários, embora reconheça que possa acontecer em casos de funcionários que fazem muitas horas-extras - cujo valor caiu de 200% para 50% da hora normal. Sem acordo, a proposta foi votada sob vaias, tentativas de invasão do prédio da Câmara e confrontos entre servidores e a Guarda Municipal. 


Leia também:

Prefeitura recorre da determinação que retirou três projetos da pauta da Câmara Municipal de Florianópolis

Líderes comunitários criticam rapidez na tramitação dos projetos do pacotão de Gean Loureiro

Servidores de Florianópolis fazem caminhada contra pacotão de Gean

No terceiro dia de votações, vereadores aprovam mais sete projetos do pacotão de Gean

Servidores de Florianópolis decidem manter a greve por tempo indeterminado

Vereadores aprovam mais cinco projetos do "pacotão" de Gean

Servidores reclamam de truculência durante confusão na Câmara, mas consultor defende ação das tropas

Vereadores da Capital aprovam reforma administrativa e suspensão do plano de carreira dos servidores


Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaTaxista é roubado no bairro da Velha em Blumenau  https://t.co/BWUR8qq13R #LeiaNoSantahá 4 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaPrefeitura de Balneário Camboriú nega autorização para Parada da Diversidade https://t.co/fq804huSCe #LeiaNoSantahá 9 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros