Setor imobiliário de Joinville aprova novidades no Minha Casa, Minha Vida - Política e Economia - Santa

Habitação07/02/2017 | 18h04

Setor imobiliário de Joinville aprova novidades no Minha Casa, Minha Vida

Anúncio pode aumentar a confiança do consumidor, analisam profissionais do setor

Setor imobiliário de Joinville aprova novidades no Minha Casa, Minha Vida Germano Rorato/Agencia RBS
Conjunto Residencial Engenheira Rúbia Kaiser, entregue em 2014 Foto: Germano Rorato / Agencia RBS

 

As novas regras anunciadas pelo governo federal para o Programa Minha Casa, Minha Vida, da Caixa Econômica Federal, foram bem recebidas pelo mercado imobiliário de Joinville. As principais novidades são a mudança no valor máximo do imóvel, que subiu de R$ 180 mil para R$ 190 mil, e na renda familiar.

Agora, famílias com renda conjunta de até R$ 9 mil poderão se beneficiar da taxa de juros mais baixa oferecida pela Caixa. Até então, o teto era de R$ 6,5 mil. O principal ganho é o próprio anúncio, na visão de profissionais do setor, algo que pode elevar a confiança do consumidor.

:: Leia mais sobre Joinville e região AN.com.br

- É uma atitude que vem animar o mercado, e só não vai refletir da maneira como poderia em virtude da conjuntura econômica, o desemprego atingiu fortemente a classe média - afirma o corretor de imóveis da Imobiliária Loyola Lobo, Roland Bublitz, referindo-se à camada da população que passa a se enquadrar nas regras depois da reforma.

Para a gerente de vendas da Imobiliária Koncreta, Janaína Lubke, a expectativa é de que o consumidor comece a procurar por imóveis, reduzindo o receio verificado no ano passado. O Minha Casa, Minha Vida não é a especialidade do negócio da Koncreta, no entanto, a gerente diz que notícias como esta aumentam a procura, mesmo de outras modalidades de compra.

O gerente de vendas da Irineu Imóveis, Rodolfo Lima, também está otimista. Ele diz que, em 2016, os consumidores faziam muita pesquisa sobre imóveis em geral e não fechavam a compra, e nos últimos meses percebe confiança maior, alguns concretizando a aquisição, o que o leva acreditar que a tendência é de aumento das vendas.

A mudança no valor do imóvel não foi tão significativa quanto a do ano passado, quanto o teto passou de R$ 145 mil para R$ 180 mil. Agora, a elevação de R$ 180 mil para R$ 190 mil é interpretada como atualização por causa da inflação e também um aumento que pode refletir no melhor acabamento das unidades habitacionais.

Ampliação

Se o governo quer ampliar o acesso ao programa, o interesse parece recíproco. Profissionais do setor observam que há demanda para a faixa de renda familiar entre R$ 6,5 mil e R$ 9 mil. O diretor administrativo-financeiro da Anagê Imóveis, Rodrigo Manteuffel Alves da Silva, afirma que, embora a maioria dos interessados tenha renda inferior a R$ 6,5 mil, já atendeu a clientes com renda familiar superior e que eram forçados a buscar outra linha crédito, com juros mais elevados.

Segundo ele, nessa faixa de renda mais alta, o perfil que busca o Minha Casa, Minha Vida é alguém que mora sozinho, paga pensão para os filhos ou está investindo no negócio, diferentes situações em que a remuneração é comprometida com outras tarefas e a pessoa precisa investir valor menor na residência.

O diretor também se deparou com casos em que o imóvel era adquirido no nome de um dos membros somente, pois o casal não tinha união formal e, se considerasse a renda conjunta, ficaria de fora por ultrapassar o teto.

Nesta imobiliária, os últimos lançamentos contemplavam bairros como Anita Garibaldi e Santo Antônio. Rodrigo afirma que faz tempo que o Minha Casa, Minha Vida não atende apenas à camada de mais baixa renda.

— Dentro do plano, há prédios de quatro andares, sem elevador e distantes da região central, e outros mais altos com elevador, é preciso desmistificar que é só periferia — afirma o diretor.

O corretor Roland Bublitz segue a mesma linha. Segundo ele, o Minha Casa, Minha Vida também oferece imóveis mais perto do Centro, que são menores, com dois dormitórios. No entanto, afirma que o padrão de imóveis menores acompanha a tendência de redução do tamanho das famílias.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Novas medidas 06/02/2017 | 18h24

Famílias com renda de até R$ 9 mil poderão ter acesso ao Minha Casa Minha Vida

Atualmente, limite para participar do programa é de R$ 6,5 mil. Governo prevê a contratação do financiamento de 610 mil unidades habitacionais para este ano

Livre Mercado 04/01/2016 | 07h02

Em Joinville, Caixa registra aumento de imóveis comercializados pelo Programa Minha Casa, Minha Vida em 2015

Foram comercializadas 1.918 unidades habitacionais, 45% mais do que em 2014

Programa habitação 02/02/2015 | 10h34

Cerca de 1.300 pessoas fazem fila para cadastro no Minha Casa Minha Vida em Joinville

Secretaria de Habitação abre novas inscrições para moradia popular nesta segunda-feira

Novos lares 03/07/2014 | 06h02

Joinville ganha 320 novas unidades habitacionais do Minha Casa, Minha Vida

Residencial construído no Jardim Paraíso vai beneficiar mais de mil pessoas

 
 
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros