Conselho Monetário reduz juros de financiamentos do BNDES para 7% ao ano - Política e Economia - Santa

Economia30/03/2017 | 23h06Atualizada em 30/03/2017 | 23h06

Conselho Monetário reduz juros de financiamentos do BNDES para 7% ao ano

CMN tomou a decisão em reunião extraordinária nesta quinta-feira

Agência Brasil
Agência Brasil

As empresas que contraírem empréstimos e financiamentos no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) pagarão juros mais baixos a partir de abril. Depois de cinco trimestres sem alterações, o Conselho Monetário Nacional (CMN) reduziu, de 7,5% para 7% ao ano a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP).

Leia mais:
Vendas do varejo caem 7% em janeiro, revela IBGE
Inflação do aluguel sobe 0,01% em março, menor valor para o mês desde 2009
"Não fizemos aumento de tributos porque prejudicaria retomada econômica"

A cada três meses, o CMN fixa a taxa para o trimestre seguinte. O conselho tomou a decisão em reunião extraordinária nesta quinta-feira, uma vez que o encontro mensal do colegiado será só nesta sexta-feira, mas a taxa que irá vigorar de abril a junho precisa ser publicada no Diário Oficial da União até o último dia de março.

O CMN é formado pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, pelo presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, e pelo ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira.

A queda da TJLP foi possível por causa da redução da taxa Selic, juros básicos da economia. Atualmente em 12,25% ao ano, a Selic caiu dois pontos percentuais nos últimos seis meses, abrindo espaço para o corte ao não aumentar as pressões sobre o Tesouro Nacional, que cobre a diferença entre a taxa subsidiada dos financiamentos do BNDES e os juros de mercado.

Criada em 1994, a TJLP é definida como o custo básico dos financiamentos concedidos ao setor produtivo pelo BNDES. Em janeiro de 2013, a taxa tinha sido reduzida para o menor nível da história, em 5% ao ano, como medida de estímulo à economia. A TJLP aumentou para 5,5% ao ano em janeiro de 2015, 6% em abril, 6,5% em julho, 7% em outubro e 7,5% em janeiro de 2016, sendo mantida nesse nível até agora.

De acordo com o Ministério da Fazenda, o valor da TJLP leva em conta dois fatores: centro da meta de inflação, atualmente em 4,5%, mais o Risco Brasil, indicador que mede a diferença entre os juros dos títulos brasileiros no exterior e os papéis do Tesouro norte-americano, considerados o investimento mais seguro do mundo.

Leia as últimas notícias de Política

*Agência Brasil

 
 
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros