Moro condena Cunha a 15 anos de prisão na Lava-Jato - Política e Economia - Santa

Versão mobile

Decisão inédita30/03/2017 | 12h14Atualizada em 30/03/2017 | 19h30

Moro condena Cunha a 15 anos de prisão na Lava-Jato

Ex-presidente da Câmara dos Deputados foi condenado pelo pagamento de propina na compra do campo petrolífero de Benin, na África, em 2011

Moro condena Cunha a 15 anos de prisão na Lava-Jato EVARISTO SA/AFP
Eduardo Cunha teve o mandato cassado pela Câmara e está preso preventivamente desde outubro de 2016 Foto: EVARISTO SA / AFP
Zero Hora
Zero Hora

O juiz federal Sergio Moro condenou, nesta quinta-feira, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB)  a 15 anos e quatro meses de prisão por crimes de corrupção, de lavagem e de evasão fraudulenta de divisas. Primeira condenação de Cunha na Lava-Jato, a ação envolve o pagamento de propina na compra do campo petrolífero de Benin, na África, em 2011.

Moro determinou que "deverá Eduardo Cosentino da Cunha responder preso cautelarmente eventual fase recursal". Além do cumprimento da pena em regime fechado, a decisão prevê pagamento de multa — em valor a ser somado. A defesa de Cunha informou que vai recorrer ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), com sede em Porto Alegre.

Leia mais:
Opinião: "Moro ultrapassou seus padrões de velocidade"
Leia a íntegra da decisão que condenou Cunha na Lava-Jato
Cunha alega cerceamento de defesa e pede absolvição à Lava-Jato

"A responsabilidade de um parlamentar federal é enorme e, por conseguinte, também a sua culpabilidade quando pratica crimes. Não pode haver ofensa mais grave do que a daquele que trai o mandato parlamentar e a sagrada confiança que o povo nele deposita para obter ganho próprio. Agiu, portanto, com culpabilidade extremada, o que também deve ser valorado negativamente", escreveu Moro na sentença.

Os valores da propina a Cunha teriam saído da compra, pela Petrobras, de 50% dos direitos de exploração de um campo de petróleo em Benin, na África, no valor de US$ 34,5 milhões. O negócio foi tocado pela Diretoria Internacional da estatal, cota do PMDB no esquema de corrupção.

Segundo a sentença, "a prática do crime corrupção envolveu o recebimento de cerca de US$ 1,5 milhão, considerando apenas a parte por ele recebida, o que é um valor bastante expressivo, atualmente de cerca de R$ 4.643.550,00". 

O prejuízo estimado da Petrobras pela compra do campo de petróleo, afirmou Moro, é de cerca de US$ 77,5 milhões, segundo a Comissão Interna de Apuração da estatal.

Foto: JASON SILVA / AGIF/ESTADÃO CONTEÚDO

Eduardo Cunha foi preso preventivamente por ordem de Moro em 19 de outubro, em Brasília (foto acima), quando sua casa também foi vasculhada pela Polícia Federal.

A mulher de Eduardo Cunha, Cláudia Cruz, também é alvo da Lava-Jato. A investigação apontou que mais de US$ 1 milhão da propina que o peemedebista teria recebido sobre contrato da Petrobras no campo petrolífero de Benin foram gastos por ela em compras de luxo na Europa. Cláudia adquiriu sapatos, bolsas e roupas de grife na França, Itália e em outros países europeus.

Relembre a trajetória de Cunha


Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaMinistério Público Estadual encerra processo movido contra a licitação da Ponte do Centro em Blumenau https://t.co/eSBGlJWbYi #LeiaNoSantahá 1 minutoRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaTaxistas se negam a atender criança machucada porque seus pais chegaram de Uber ao hospital  https://t.co/mJKOTTPW7N #LeiaNoSantahá 2 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros