Redes de supermercado deixam de vender produtos de investigadas da Carne Fraca - Política e Economia - Santa

Consumo24/03/2017 | 11h25Atualizada em 24/03/2017 | 18h13

Redes de supermercado deixam de vender produtos de investigadas da Carne Fraca

Três gigantes do setor anunciaram já ter removido carnes das prateleiras

Estadão Conteúdo e Zero Hora

Grandes redes de supermercados retiraram das prateleiras os produtos fabricados pelos frigoríficos interditados pela Polícia Federal (PF) na Operação Carne Fraca para blindar os clientes do risco de comprar itens contaminados.

O Carrefour informou, por meio de nota, que "retirou preventivamente das lojas os produtos das plantas interditadas". A empresa frisa que procedimento se refere às fábricas investigadas, mas não às marcas. A companhia não detalhou os volumes removidos nem o destino dos produtos.

Leia mais:
Veja quais países restringiram importação de carne do Brasil após Carne Fraca
O que o consumidor pode fazer para se proteger das irregularidades
Quem são os maiores exportadores de carne bovina no mundo
Saiba o que a PF encontrou na operação contra frigoríficos

O concorrente Walmart também retirou das lojas os produtos suspeitos de contaminação. Em seu comunicado, a empresa afirma que "suspendeu preventivamente a venda em suas lojas dos produtos oriundos das plantas frigoríficas interditadas na Operação Carne Fraca". A rede varejista informou que tinha relação comercial contínua apenas com uma das três plantas que tiveram a produção interrompida, pertencente ao frigorífico Peccin.

O GPA, dono das bandeiras Pão de Açúcar, Extra e Assaí, informou, por meio de nota, que também suspendeu a compra das três unidades industriais interditadas, duas no Paraná e uma em Goiás.

A rede varejista não detalhou, no entanto, se os itens fabricados nessas plantas foram recolhidos das lojas. "Recall no Brasil só pode ser determinado pela Anvisa mediante laudos técnicos comprovando contaminação ou problemas sanitários dos produtos. O que não aconteceu ainda - e continuamos aguardando para ver se há alguma orientação dos órgãos nesse sentido", informou a nota.

O Grupo Zaffari disse, por meio de assessoria de comunicação, que "somente deixará de disponibilizar produtos de empresas citadas na Operação caso seja notificado por órgãos competentes".

Na nota, a empresa também disse que "está acompanhando os fatos, estando preparada para prontamente tomar as providências indicadas pelas autoridades sanitárias. Esclarece ainda que tem por princípio empresarial a qualidade, e para isso escolhe os melhores fornecedores disponíveis para a composição de seu mix de produtos".

Procurado por ZH, o Asun ainda não se manifestou sobre o assunto.

O presidente da Associação Gaúcha de Supermercados (Agas), Antônio Cesa Longo, afirmou que o setor "continua acreditando nas marcas e na qualidade dos produtos que estão no mercado até que se prove o contrário". Longo também disse que a Agas só vai promover ações junto a seus associados após solicitações de autoridades públicas.

— Não vamos tomar nenhuma atitude isolada. Vamos seguir de acordo com orientações do Ministério da Agricultura — disse Longo. 


 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaObras na ponte da Barra da Lagoa não devem ser retomadas em menos de um ano https://t.co/N8SbaGqi6k #LeiaNoSantahá 7 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaPedido da OAB por impeachment pode influenciar o julgamento da chapa Dilma-Temer no TSE https://t.co/4dli9Efqmh #LeiaNoSantahá 23 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros