Documentos da Operação Acarajé sustentam investigação de assessor de Raimundo Colombo no STJ  - Política e Economia - Santa

Polícia Federal18/04/2017 | 03h10Atualizada em 18/04/2017 | 03h10

Documentos da Operação Acarajé sustentam investigação de assessor de Raimundo Colombo no STJ 

Nome de André Agostini Moreno, comissionado da Casa Civil, aparece em lista encontrada na casa do presidente da Odebrecht Infraestrutura

Em 22 de fevereiro de 2016, agentes da Polícia Federal (PF) do Paraná realizaram buscas em uma residência na rua das Acácias, em bairro de classe média de Salvador (Bahia). A dona da casa de dois pisos é Maria Lúcia Guimarães Tavares, funcionária por mais de 40 anos da construtora Odebrecht, e os documentos e objetos apreendidos, além de sua delação premiada registrada semanas depois, transformariam a Lava-Jato na maior investigação sobre corrupção no país. E também fariam que a megaoperação alcançasse a Casa d¿Agronômica.

A partir dos documentos apreendidos na Bahia, a PF conseguiu esmiuçar um rigoroso esquema da construtora que teria distribuído dinheiro lavado para políticos em todo país. Entre os achados nas buscas da operação Acarajé, a PF encontrou uma lista denominada de Noboa, na residência de Benedicto Barbosa da Silva Junior, presidente da Odebrecht Infraestrutura.

É onde aparece pela primeira vez o nome do advogado e assessor da Casa Civil de Santa Catarina, André Agostini Moreno. Ele teria recebido R$ 1 milhão pelo esquema de entrega de valores chamado de ¿subreptício¿ pelos delegados no relatório de investigação, que incluía softwares próprios para registro dos pagamentos e comunicação interna dos funcionários participantes. 

Agentes da PF fizeram buscas em Jurerê

O atual assessor nomeado pela Casa Civil, mas que trabalha no Deinfra segundo nota do governo, foi conduzido coercitivamente na operação Xepa. De acordo com vizinhos, no dia da operação, 22 de março de 2016, agentes da PF chegaram às 6h na rua Professor Renato Barbosa, em Jurerê, e tiveram que arrombar o portão do edifício para chegar ao apartamento de Agostini Moreno.

Leia também:

Raimundo Colombo é citado em inquérito aberto em 2016 no STJ que investiga comissionado da Casa Civil

Delatores citam caixa 2 na campanha de Raimundo Colombo em 2010

Cacau Menezes: Nada a comemorar pelas denúncias dos políticos catarinenses

Moacir Pereira: Delações: o judicial e o político

Rafael Martini: Lista de Fachin: quem cala, consente

Delações influenciam cenário para eleição de 2018 em Santa Catarina

"É da natureza dessa atividade usar entrepostos para receber dinheiro", diz procuradora da República membro da Lava-Jato no MPF/PR

Odebrecht teria destinado R$ 20,1 milhões para caixa 2 em Santa Catarina

Veja a situação de cada catarinense citado nas delações da Lava-Jato

Delator afirma que candidatos a vereador de Blumenau receberam dinheiro de caixa 2 na campanha eleitoral de 2012

Ex-executivo da Odebrecht Ambiental afirma que tratou de repasse a Jean Kuhlmann na prefeitura

Quinta-feira foi de avaliação e reação na residência oficial do governador de Santa Catarina

Lideranças partidárias de SC defendem cautela em relação às delações da Odebrecht

Governo de SC diz que delação da Odebrecht está "carregada de mentiras, ódio e revanchismo"

Entenda as negociações entre Colombo e Odebrecht envolvendo R$17,1 milhões, relatadas por delatores

André Agostini é citado por delator da Odebrecht como primo de Colombo e emissário de dinheiro

Colombo tem dia de silêncio e não aparece em compromisso oficial

Acusados de intermediarem caixa 2 têm relação antiga com Colombo

Colombo e cúpula do PSD teriam pedido R$ 17,1 milhões para a Odebrecht, dizem delatores


 
 
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros