Ex-executivo da Odebrecht Ambiental afirma que tratou de repasse a Jean Kuhlmann na prefeitura - Política e Economia - Santa

Operação Lava-Jato14/04/2017 | 08h04

Ex-executivo da Odebrecht Ambiental afirma que tratou de repasse a Jean Kuhlmann na prefeitura

Delator Paulo Welzel diz que conversou sobre pagamento à campanha do deputado estadual para prefeito em 2012 com Cassio Quadros, chefe de gabinete na época

O vídeo da delação do ex-executivo da Odebrecht Ambiental Paulo Roberto Welzel tem uma carga importante de informações e, uma das mais relevantes, é a de que as tratativas seriam feitas com pessoas de peso dentro dos partidos, não necessariamente da linha de frente. É o caso da citação a Cassio Quadros (PSD), que segundo o ex-diretor-superintendente para a região Sul da empreiteira teria tratado sobre o repasse para o deputado estadual Jean Kuhlmann (PSD).

O nome de Quadros acabou se tornando mais popular no ano passado, quando coordenou a segunda campanha de Kuhlmann à prefeitura, mas no meio político ele sempre foi conhecido por ser um homem de articulação, que trabalha nos bastidores. Esteve no primeiro escalão durante os dois mandatos do então prefeito e atual deputado federal João Paulo Kleinübing (PSD), de quem ganhou a confiança com a atuação na Procuradoria-Geral do Município, já a partir de 2005.

O desempenho o alçou, anos mais tarde, à chefia de gabinete, cargo de braço direito do mandatário maior, de onde teve afastamentos pontuais para atuar em outras pastas e só saiu definitivamente ao final da gestão de Kleinübing em 2012. Quadros teve ainda uma passagem pela Assembleia Legislativa de Santa Catarina como secretário-adjunto de Comunicação e voltou para Blumenau em 2015 para dirigir a Secretaria de Desenvolvimento Regional, mais tarde transformada em agência pelo governo do Estado. No ano passado, deixou o cargo para trabalhar na campanha de Kuhlmann.
Além da atuação nos governos municipal e estadual, Quadros também é um nome forte dentro do PSD, onde já chegou a ocupar a vice-presidência estadual.

Segundo o relato de Paulo Welzel na delação feita no âmbito da Operação Lava-Jato, foi esta figura-chave da administração municipal entre 2005 e 2012 quem teria tratado do suposto repasse de R$ 500 mil via caixa 2 para a campanha eleitoral do deputado Jean Kuhlmann – a quem atribui o codinome de "Alemão" no sistema "Drousys", que era utilizado pela Odebrecht para organizar o pagamento da propina – à prefeitura em 2012.

No detalhamento da negociação, Welzel afirma que se encontrou com Quadros na antessala da Chefia de Gabinete, dentro do prédio da prefeitura de Blumenau. Ele diz ainda para o entrevistador que os dois eram do mesmo partido – ainda são – e que Quadros “era o único contato” que ele tinha.

Fora do STF

A petição que cita o nome de Kuhlmann não se tornou inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR). Isso ocorre porque, no caso do deputado estadual, não há pessoas incluídas com  foro privilegiado. Considerando isto, o Procurador-Geral da República Rodrigo Janot solicitou o encaminhamento da petição ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, que após receber o material encaminhado pelo STF vai analisar e definir se abre ou não o inquérito contra o deputado estadual.

É diferente das situações do senador Dalirio Beber (PSDB) e do deputado federal Décio Lima (PT), que possuem o benefício do foro privilegiado e, por isso, o prefeito Napoleão Bernardes (PSDB) e a deputada estadual Ana Paula Lima (PT), que figuram no mesmo inquérito, também serão investigados na instância federal.

CONTRAPONTOS

O que diz Cassio Quadros:

A reportagem conseguiu contato com o ex-chefe de gabinete da Prefeitura de Blumenau na noite de sábado, quando ele respondeu às citações feitas nas delações. Confira abaixo:

O que o senhor tem a dizer a respeito do que foi dito nas delações?
Eu tenho a dizer que conheço o seu Paulo (Welzel), da empresa (Foz do Brasil/Odebrecht Ambiental). Representando a empresa ele esteve algumas vezes comigo no gabinete, foi lá me visitar umas quatro, cinco vezes, para tratar de assuntos do contrato. Seja do andamento da obra, muitas vezes por conta das reclamações dos conselhos das ruas. Enfim, visita institucional, para falar disso. Sempre atendi, assim como atendia todo mundo, sem formalidade. Quem chegava lá ou eventualmente fazia o contato telefônico, se eu tivesse condições, eu atendia sem dificuldade nenhuma. Mas não falei com ele sobre questões eleitorais nessas visitas, realmente eram visitas institucionais. Não sei quem tratou, nunca falei sobre esse assunto com ele, nunca intermediei nada, nunca recebi nada, que é inclusive o que ele fala no vídeo. Basicamente é isso. Dentro das minhas funções de chefe de gabinete era isso, era receber seja lá quem fosse para tratar dos mais diversos assuntos, dentre eles esse que já era um concessionário do esgoto e tinha assuntos para tratar na prefeitura. Era assim que funcionava.

Houve repasse de dinheiro em caixa 2 para a campanha de Jean Kuhlmann em 2012?
Que eu tenha conhecimento, não. Pelo menos comigo não teve nenhuma tratativa nesse sentido. Como eu disse, minha relação com a empresa era institucional. Se eventualmente ele esteve lá me visitando ou falou genericamente como ele diz no vídeo, “manter uma relação positiva com a prefeitura ou com o governo”, isso não demonstra nada a não ser um apoio normal. Mas realmente não me recordo de ele ter falado especificamente “vamos te apoiar com isso ou aquilo”, era um apoio genérico, muito menos com dinheiro. Nunca foi verbalizado isso. Quero deixar claro qual era a minha atuação e que não houve nenhum tipo de conversa que não seja institucional. E que havia relacionamento. Como eu disse, ele era um representante da empresa, quando vinha para cá eventualmente passava lá, e é isso.


O que diz Jean Kuhlmann:

Atendendo contato da reportagem, o deputado federal Jean Kuhlmann afirmou que não tem conhecimento de tratativas feitas para que sua campanha recebesse repasses em 2012:

— Ninguém nunca tratou desse assunto comigo, eu nunca falei com ninguém sobre esse assunto, até porque nunca aconteceu, então eu nunca tive contato com ninguém.

Sobre o vídeo da delação de Paulo Welzel, Kuhlmann diz que o próprio delator afirma que nunca falou, tratou ou repassou nada a ele, e destaca que as informações são confusas e não esclarecem os fatos.

— O próprio cidadão diz que nunca falou comigo, que nunca me entregou nada, então eu sou o que mais quero que essa situação seja esclarecida, porque nos dois fatos está muito claro que: um, não cita o meu nome, e outro, que o cidadão diz que nunca me entregou nada. Eu estou sendo vítima de umas colocações que são absurdas, infelizmente — conclui.

JORNAL DE SANTA CATARINA

 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    Santa"Liga da Justiça": após tragédia familiar, Zack Snyder é substituído por diretor de "Os Vingadores" https://t.co/iiSrinoDKM #LeiaNoSantahá 4 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaPerito contratado por Temer diz que gravação é "imprestável como prova" https://t.co/1H686OhEwd #LeiaNoSantahá 10 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros