Quatro políticos de Blumenau aparecem em inquéritos autorizados pelo ministro Edson Fachin - Política e Economia - Santa

Lava-Jato11/04/2017 | 17h33Atualizada em 12/04/2017 | 09h38

Quatro políticos de Blumenau aparecem em inquéritos autorizados pelo ministro Edson Fachin

Informação foi divulgada pelo jornal O Estado de S. Paulo na tarde desta terça-feira. Abertura de inquérito foi pedida pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot 

Quatro políticos de Blumenau aparecem em inquéritos autorizados pelo ministro Edson Fachin Carlos Moura/STF,Divulgação
Foto: Carlos Moura / STF,Divulgação

Napoleão. Dalirio. Décio. Ana Paula. Quatro dos mais conhecidos nomes da política blumenauense, que fizeram e ainda fazem história na cidade, no estado e no país, têm seus nomes citados em inquéritos do Supremo Tribunal Federal (STF) na maior investigação de corrupção da história do Brasil. Blumenau acordou hoje digerindo essa informação e sem saber ainda o que está por vir. Porém, apenas o peso de aparecer nesta lista é suficiente para pensar que tudo vai muito mal e a pergunta que fica é: como nossos políticos chegaram a esse ponto?

A Operação Lava-Jato investiga desde 2014 a corrupção epidêmica que corrói o sistema político brasileiro. Começou com a apuração de organizações criminosas lideradas por doleiros, chegou a um escandaloso esquema de propinas operado dentro da Petrobras há cerca de 10 anos e alcançou os contratos com empreiteiras em diversos estados do país. O Grupo Odebrecht, cujo braço em Blumenau já foi a Odebrecht Ambiental (vendida pelo grupo principal no final de 2016), empresa que recebeu a concessão do sistema de esgoto sanitário, é a principal fonte de informações ao Ministério Público Federal e à Procuradoria-Geral da República por meio das delações de 78 executivos e ex-executivos. Dois deles citam os quatro nomes blumenauenses que aparecem na lista do ministro Edson Fachin, relator da Lava-Jato no STF.

Napoleão Bernardes (PSDB), o jovem prefeito eleito como o azarão em 2012, engajado em mostrar o trabalho feito no primeiro mandato e em boa fase na relação com nomes nacionais da linhagem tucana, é suspeito de ter recebido R$ 500 mil na campanha eleitoral daquele ano. O repasse, segundo o que os delatores teriam informado ao Ministério Público, teriam sido negociados pelo então articulador da campanha e atual senador Dalirio Beber (PSDB), não por coincidência o padrinho político de Napoleão. O inquérito de cinco páginas diz ainda que o pagamento foi feito ao ¿Conquistador¿, identidade do beneficiário no sistema de pagamentos criado pela empresa. Quando prefeito, Napoleão deu continuidade ao contrato da concessão do serviço com a Odebrecht, que pedia um milionário reequilíbrio financeiro. A prefeitura alegou ter resolvido a questão sem danos aos cofres públicos e o prefeito reforça este argumento, dizendo ter ido inclusive contra os interesses da empresa.

O casal mais conhecido da política blumenauense também é citado. Dedicada à campanha para a prefeitura em 2012, a deputada estadual que está no quarto mandato Ana Paula Lima (PT), recentemente eleita presidente do diretório municipal do partido, teria recebido outros R$ 500 mil da Odebrecht com a mesma intenção do pagamento feito a Napoleão. Neste caso, a articulação teria sido feita pelo deputado federal, líder da oposição na Câmara Federal e marido de Ana Paula, Décio Lima (PT), e registrado como em benefício da ¿Musa¿ no sistema do grupo, segundo as cinco páginas do documento. Dalirio e Napoleão serão investigados pelos crimes de corrupção passiva, ativa e lavagem de dinheiro. Contra Ana e Décio será apurado o crime de falsidade ideológica eleitoral.

Outro nome conhecido de Blumenau também apareceu em uma lista menos divulgada, mas não menos importante. A petição que pedia a investigação do deputado estadual Jean Kuhlmann (PSD) foi remetida pelo ministro Edson Fachin para o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, devido a falta de foro para análise do STF. De acordo com o documento há dois fatos a ser analisados: o primeiro seria um suposto repasse de vantagem no valor de R$ 65,6 mil no ano de 2004, quando Kuhlmann era vereador. O segundo seria um suposto recebimento de R$ 50 mil não contabilizados para a campanha eleitoral de 2012, quando o deputado amargou o segundo lugar nas urnas.

Há pouco mais de um ano 60 mil pessoas protestaram em Blumenau indignadas com a corrupção no país. Há pouco menos de um mês as ruas receberam mil pessoas ainda indignadas. Agora essa mesma corrupção – ainda passível de investigação, sabemos – se escancara sob o nariz da população na devassa provocada pela maior investigação da política brasileira. Se não está, a cidade deve ficar estarrecida. Não apenas pelo valor (que é significativo), mas pela responsabilidade de quem concorre ao cargo de mandatário maior para decidir as ações que determinam o futuro de todos e de cada cidadão. O dinheiro ilícito desequilibra a disputa, tira a igualdade dos que almejam o item mais precioso de uma sociedade que quer ser democrática – o voto – e coloca em xeque toda ação tomada a partir deste ponto. Os planos de futuro próspero vendidos há seis meses serão ainda mais questionados pela desconfiança da possibilidade de negociações desonestas.

 
 
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros