"A máquina custou menos, mas a atividade do Estado custou mais", diz secretário de Planejamento - Política e Economia - Santa

Versão mobile

Cofres públicos 30/05/2017 | 22h11Atualizada em 30/05/2017 | 22h36

"A máquina custou menos, mas a atividade do Estado custou mais", diz secretário de Planejamento

Murilo Flores defendeu as modificações em 2015 que transformaram as Secretarias de Desenvolvimento Regional (SDRs) em ADRs

O secretário de Estado de Planejamento, Murilo Flores, defendeu nesta terça-feira as modificações feitas em 2015 que transformaram as Secretarias de Desenvolvimento Regional (SDRs) em Agências de Desenvolvimento Regional (ADRSs) com redução de cargos e extinção da entidade na Grande Florianópolis. Ele garante que houve redução no custeio em R$ 6 milhões. 

Levantamento do DC, conforme dados do Portal Transparência, mostrou que as despesas das secretarias passaram de R$ 403 milhões em 2015 para R$ 444 milhões em 2016. 

Na comparação das despesas de 2015 com 2016 houve um aumento. O projeto de economizar não se concretizou?
O projeto não era só economia. O governo queria dar um sentido novo, mais moderno e mais eficiente às Secretarias Regionais transformando elas em agências e articuladoras de desenvolvimento. Mas elas continuaram com algumas atividades relativas às SDRs. Nós tivemos redução de custeio: diminuímos 242 cargos comissionados e isso implicou em menos gasto de combustível, de diárias. Tivemos R$ 6 milhões na redução do custeio. O que houve de acréscimo não é da ADR, é de ação do governo e outras coisas que são folha de pagamento. A maioria das agências é formada por servidores de carreira, que tiveram aumentos. Por exemplo, muitos professores que fazem a coordenação da educação por meio das ADRs tiveram aumento do piso salarial. Tivemos aumento vegetativo da folha de pagamento e os funcionários das ADRs também receberam. Então tivemos o acréscimo de gastos com o transporte escolar, inclusive em dois meses de 2015 foram pagos em 2016, então aparece computado no ano seguinte. Na realidade, a máquina custou menos, mas a atividade do Estado custou mais. Isso independentemente de ser ADR ou Secretaria da Educação, da Saúde, haveria esse gasto de qualquer forma por força das ações de governo. 

O senhor citou dados enviados à reportagem por nota oficial, como pagamento de transporte escolar e folha dos servidores, mas isso entra como custeio da ADR? 
Quando falamos só custeio é atividade do dia a dia (energia, viagens, atividades burocrática). Neste sentindo, houve uma redução porque as secretarias encolheram em número de cargos e até extinção de uma delas (Grande Florianópolis). O custeio evidentemente diminuiu. O que aumentou são coisas consideradas custeio, mas que seriam executadas de qualquer forma pelo governo via ADRs ou via outro setor porque são atividades inerentes do governo e que hoje são executadas pelas ADRs. A leitura do custo das agências não é tão simples. 

E esses R$ 6 milhões foram economizados onde exatamente?
Diárias, gasolina, serviço terceirizado, cargos. Isso entra como custeio. Então essa redução de comissionados impactou no dia a dia do funcionamento da burocracia. Não é só retirar o gasto com comissionado, isso impacta em outros custos. 

O TCE questionou esses gastos com as ADRs. O governo pediu um prazo maior para resposta. Por que?
Porque tem algumas questões que o TCE coloca que na realidade essa é uma decisão de governo, algumas extinções por exemplo. O governo fez um primeiro ajuste neste modelo. Evidentemente no futuro serão feitos outros. Os ajustes de SDRs para ADRs não era apenas por questões financeiras, era readequar o papel que queria se resgatar, pela origem. Ser uma grande articuladora do governo naquela região. Foi resgatado e está funcionando. As agências estão fazendo bem a mobilização dos órgãos naquela região. 

Por que no Portal de Transparência não é possível ver essa diminuição do custeio?
Há dificuldades de acessar as informações e separá-las. Inclusive a primeira informação que a Secretaria da Fazenda tinha era de uma redução de R$ 10 milhões e está sendo feita uma correção de que são R$ 6 milhões. Eles mesmos identificaram que tinha um erro da informação. É difícil identificar quanto é cada item no portal. E esses R$ 6 milhões foram economizados onde?Diárias, gasolina, serviço terceirizado, cargos. Isso entra como custeio. Então essa redução de comissionados impactou no dia a dia do funcionamento da burocracia. Impactou em outros custos. 

Em 2003, quando as secretarias foram criadas, o quadro econômico era outro. Hoje, mediante austeridade, este modelo de descentralização ainda é válido?
Ajustes terão que ser feitos, mas não podemos jogar fora o lado bom que é de aproximar as pessoas e articular os órgãos públicos. Um segundo ajuste terá de ser feito, não sei se neste governo ou no próximo. Não tenho dívida que esse assunto virá num próximo debate eleitoral. 


Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaCâmaras de Joinville e Chapecó lideram despesas com diárias em Santa Catarina  https://t.co/dKl5ARjuHg #LeiaNoSantahá 4 horas Retweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaMinistério Público investiga morte em operação do Bope, em Piçarras https://t.co/glCVrM49pb #LeiaNoSantahá 4 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca