Em nota, senador Dário Berger nega recebimento de R$ 1 milhão e traição a Luiz Henrique da Silveira - Política e Economia - Santa

Versão mobile

Citado em delação23/05/2017 | 14h42Atualizada em 23/05/2017 | 16h11

Em nota, senador Dário Berger nega recebimento de R$ 1 milhão e traição a Luiz Henrique da Silveira

Catarinense aparece em colaboração do executivo da JBS Ricardo Saud na Operação Lava-Jato

Em nota, senador Dário Berger nega recebimento de R$ 1 milhão e traição a Luiz Henrique da Silveira Moreira Mariz/Agência Senado
Foto: Moreira Mariz / Agência Senado
Diário Catarinense
Diário Catarinense

Citado em delação do executivo da JBS Ricardo Saud na Operação Lava-Jato, o senador catarinense Dário Berger (PMDB) se manifestou por meio de nota oficial nesta terça-feira. No texto, ele nega o recebimento de R$ 1 milhão e a suposta traição a Luiz Henrique da Silveira, morto em 2015, na votação à presidência do Senado em 2014.

Em trecho do depoimento gravado em vídeo à Procuradoria Geral da República (PGR), Saud diz que Berger teria sido beneficiado com R$ 1 milhão em 2014 e que o repasse teria sido feito pelo também senador Renan Calheiros (PMDB-AL).

Confira a nota oficial do senador Dário Berger na íntegra:

Preocupado com as notícias veiculadas a respeito de recursos financeiros que teriam sido recebidos na campanha eleitoral de 2014, para o Senado Federal, e ciente do compromisso com a verdade perante meus eleitores e a sociedade catarinense, afirmo:

1. Todos os recursos recebidos pelo Comitê Financeiro da minha campanha tiveram origens lícitas e assim estão registrados.

2. Relativamente ao suposto valor um milhão de reais noticiado pela imprensa com base em uma delação, dele não tenho conhecimento; não o recebi e tampouco jamais chegou ao Comitê Financeiro de minha campanha.

3. A falta de compromisso com a verdade chegou ao ponto de ter sido posta em dúvida minha amizade e lealdade para com o pranteado amigo, grande líder catarinense e brasileiro, senador Luiz Henrique da Silveira. Grave ofensa à minha pessoa e à amizade e fidelidade para com meu amigo.

4. É que, muito embora a votação para a eleição à Presidência do Senado tenha sido secreta, ficou comprovado, pela mídia nacional, que não apenas fui um dos protagonistas da campanha como honrei a amizade e votei em Luiz Henrique da Silveira,: "Os três Senadores do PMDB que apoiam Luiz Henrique são Waldemir Moka (PMDB – MS), Ricardo Ferraço (ES) e Dário Berger (SC)" (Valor Econômico, 30/01/2015).

5. Por estar com a consciência tranquila e confiante que esta verdade triunfará, continuo no exercício da missão que o povo catarinense me confiou.

Leia também:

Delator diz que pagou para Dário Berger votar contra LHS em eleição do Senado

Antonio Gavazzoni deixa a Secretaria da Fazenda de SC

Colombo e cúpula do PSD teriam pedido R$ 17,1 milhões para a Odebrecht

Colombo nega ilegalidade no recebimento de verbas para campanha em 2014 

Antonio Gavazzoni, o supersecretário do governo Colombo

"Delator sob pressão vende a mãe", diz Colombo ao falar sobre delação da JBS

Delator da JBS diz que pagou R$ 10 milhões para Colombo; governador nega

 
 
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros