Manifestantes protestam contra Temer no centro de Porto Alegre - Política e Economia - Santa

Versão mobile

Movimentação social24/05/2017 | 13h56Atualizada em 24/05/2017 | 22h09

Manifestantes protestam contra Temer no centro de Porto Alegre

Ato terminou por volta das 20h30min. Não foi registrado confronto entre o grupo e a BM

Manifestantes protestam contra Temer no centro de Porto Alegre André Feltes/Especial
Foto: André Feltes / Especial
Zero Hora e Rádio Gaúcha

Manifestantes se reuniram no centro de Porto Alegre, nesta quarta-feira (24) para protestar contra o governo do presidente Michel Temer. Os participantes do ato, que começou por volta das 17h, se concentraram na Esquina Democrática, onde gritaram palavras de ordem contra Temer.

Leia mais
Esplanada vira campo de guerra enquanto o governo está esfacelado
Rodrigo Maia nega engavetamento de impeachment de Temer
Terremoto no Poder: fique sabendo o que ocorreu na manhã desta quarta

Estudantes, sindicatos, movimentos sociais e representantes e integrantes de partidos políticos participam do protesto. A Brigada Militar (BM) e a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) acompanharam a movimentação.

Por volta das 19h30min, manifestantes começaram caminhada pelas principais ruas e avenidas da região central de Porto Alegre, causando bloqueios em alguns trechos das vias. Durante o ato, não foi registrado confronto entre o grupo e a BM. A unidade do mercado Zaffari na Rua Lima e Silva, no bairro Cidade Baixa, foi depredada por alguns integrantes do movimento.

A passeata terminou por volta das 20h30min, quando os manifestantes se concentraram no Largo Zumbi dos Palmares, na esquina das Avenidas Loureiro da Silva com a Rua José do Patrocínio. No local, a maior parte do grupo dispersou sem confusão perto das 21h30min.

Confronto em Brasília

A marcha de centrais sindicais nesta quarta-feira (24), em Brasília, foi palco de confronto entre manifestantes e policiais. Após uma passeata contra as reformas e pela renúncia do presidente Michel Temer, o ato se concentrou na Esplanada dos Ministérios e no entorno do local, que virou um cenário de guerra. Com o auxílio de um carro de som, organizadores chegaram a falar em "invadir o Congresso".

Em breve pronunciamento, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que tropas federais foram convocadas para intervir no protesto na Esplanada para que os prédios fossem "mantidos incólumes". Ministro disse que o presidente Michel Temer considera a "baderna inaceitável". A intervenção foi solicitada pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a Temer.

Os embates começaram por volta das 14h quando um grupo de mascarados tentou furar a barreira policial em frente ao Congresso. A Força Nacional e a Polícia Militar (PM) usaram bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha para conter os manifestantes, que avançavam pelo gramado. O Congresso foi cercado por grades instaladas mais cedo e por um cordão formado por policiais.

Pouco depois das 15h15min, chamas foram registradas no térreo do prédio do Ministério da Agricultura. Conforme o Corpo de Bombeiros, o fogo foi extinto pouco depois das 16h. O Ministério do Planejamento e o da Cultura também foram alvos de incêndio. Com a intensificação do protesto e dos registros de depredação, a Casa Civil determinou a liberação de todos os funcionários da Esplanada.

Alguns participantes criaram barricadas, colocando fogo em banheiros químicos, placas, cones, orelhões e objetos retirados de dentro dos prédios ministeriais. Há informação de feridos, mas ainda não foi divulgado um balanço oficial da Secretaria de Segurança Pública.

O ato foi encerrado gradativamente após o anúncio de Raul Jungmann. Às 17h30min, a Esplanada já estava praticamente vazia. Parte dos sindicalistas se dirigiu ao estádio Mané Garrincha, onde se concentravam os ônibus que os levaram a Brasília. Também houve uma aglomeração e novo confronto entre policiais e manifestantes na rodoviária Plano Piloto, que fica a poucos metros da Esplanada.

A estimativa da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal é que cerca de 35 mil pessoas participaram da marcha, enquanto organizadores calcularam 150 mil. Brasília recebeu 500 ônibus com caravanas de outros Estados. A maioria das faixas carregadas pelos manifestantes tinha como dizeres a frase "Fora Temer".

"Bolo"

Depois do "bolo" que as centrais sindicais receberam de parlamentares que prometeram se juntar à manifestação e não compareceram à concentração do ato, manifestantes gritam: "Ô deputados, cadê vocês? Viemos aqui para ver vocês".

Leia mais
Oposição critica uso de Forças Armadas para reprimir manifestações em Brasília
Parlamentares discutem fim do governo Temer em meio a socos e empurrões no plenário da Câmara
Exército nas ruas, agora com ordem presidencial

Leia as últimas notícias

*Zero Hora

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaHomem é detido suspeito de ameaçar funcionários em ambulatório geral de Blumenau https://t.co/tJfg1k1JMw #LeiaNoSantahá 16 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaRaquel Dodge oficializa mudança no grupo de trabalho da Lava Jato https://t.co/Z4SQtBKQ8g #LeiaNoSantahá 1 horaRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros