O dia em que Aécio Neves perdeu a cadeira no Senado e no partido - Política e Economia - Santa

Versão mobile

Operação da PF18/05/2017 | 20h50Atualizada em 18/05/2017 | 20h54

O dia em que Aécio Neves perdeu a cadeira no Senado e no partido

Após receber 51 milhões de votos em 2014 e ser apontado como o principal nome da oposição ao PT, senador foi afastado pelo STF

O dia em que Aécio Neves perdeu a cadeira no Senado e no partido Bruno Alencastro/Agencia RBS
Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS
Zero Hora
Zero Hora

Líder da oposição que quase derrubou a sequência de quatro vitórias consecutivas do PT em 2014, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) se transformou em um político fantasma a partir da divulgação de trechos da delação dos donos do grupo JBS.

Após ser exposto em diálogos comprometedores, que envolvem o repasse de R$ 2 milhões, ele teve seu o afastamento do mandato parlamentar determinado pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR).

A força da conversa gravada por Joesley Batista e as imagens da entrega do dinheiro acabaram gerando reação no PSDB. Tucanos de várias partes do país pediram a saída do senador da presidência do partido, o que acabou ocorrendo ao final do dia. O senador Tasso Jereissati (CE) assumiu o comando da legenda.

Leia mais
Irmã de Aécio Neves é presa em Belo Horizonte
O que pesa contra Aécio Neves após a delação da JBS
AO VIVO: acompanhe a repercussão da crise no governo e as ações da Lava-Jato

Controlador do frigorífico, Joesley entregou ao Ministério Público Federal (MPF), no dia 10 de maio, gravações nas quais registra pedidos de dinheiro de Aécio. Ele foi gravado solicitando R$ 2 milhões a Joesley. Nesta quinta-feira, o parlamentar enfrentou novo revés: em operação, a Polícia Federal fez buscas em seus endereços pessoais e profissionais.

Agentes da PF realizaram buscas no prédio onde mora Aécio, no bairro Anchieta, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, em fazendas da família Neves no interior de Minas Gerais e no gabinete do senador no Congresso.

Andréa Neves, irmã de Aécio e seu braço direito na vida pública, que teria intermediado o pedido de recursos a Joesley, e o primo de ambos, Frederico Pacheco de Medeiros, que teria recebido parte do dinheiro, tiveram sua prisão preventiva decretada por Fachin. A PGR chegou a pedir a prisão de Aécio, mas o ministro negou a solicitação. Andréa está em uma ala separada no Complexo Penitenciário Feminino Estevão Pinto, em Belo Horizonte. A lei permite o isolamento de um detento quando houver riscos a sua integridade física.

Andréa Neves, irmã de Aécio, foi presa preventivamente nesta quinta-feira em Belo Horizonte (MG) Foto: Reprodução / Reprodução

Por meio de sua defesa, o senador admitiu o encontro com Joesley, ocorrido em 24 de março, em um hotel de São Paulo, mas alegou que mantinha com o empresário uma relação pessoal de amizade sem conexão com suas atividades políticas. Os advogados de Aécio alegam que ele pediu um empréstimo ao executivo, e que sua intenção inicial era vender um apartamento a Joesley, que se propôs então a emprestar o dinheiro.

— Tratou-se única e exclusivamente de uma relação entre pessoas privadas, em que o senador solicitou apoio para cobrir custos de sua defesa, já que não dispunha de recursos para tal — afirmou o advogado de Aécio, José Eduardo Alckmin.

 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    Santa"São infelizes coincidências", diz secretário sobre ataques a agentes prisionais em SC https://t.co/m5tXxIVxoq #LeiaNoSantahá 7 horas Retweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaEpagri/Ciram alerta para risco de ressaca e alagamentos no domingo e na segunda-feira em SC https://t.co/9sQLDUhstM #LeiaNoSantahá 9 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros