Quem é Rodrigo Maia, o próximo na linha sucessória da Presidência - Política e Economia - Santa

Deputado federal18/05/2017 | 18h51Atualizada em 19/05/2017 | 14h41

Quem é Rodrigo Maia, o próximo na linha sucessória da Presidência

Apelidado de Botafogo no sistema clandestino de propinas da construtora Odebrecht, presidente da Câmara é alvo de dois inquéritos na Lava-Jato

Quem é Rodrigo Maia, o próximo na linha sucessória da Presidência Marcelo Camargo/Agência Brasil
Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil
Fábio Schaffner / Brasília

fabio.schaffner@zerohora.com.br

Primeiro nome na linha sucessória do país, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não nasceu em solo pátrio. Filho do ex-prefeito do Rio Cesar Maia, Rodrigo Felinto Ibarra Epitácio Maia nasceu em Santiago, no Chile, em 12 de junho de 1970. À época, o pai estava exilado no país vizinho, vítima da ditadura militar. Como foi registrado no consulado do Brasil, Maia é considerado brasileiro nato. Numa eventual renúncia — ou impeachment — de Michel Temer, será a 47ª pessoa a envergar a faixa presidencial em 128 anos de República.

Atualmente no quinto mandato de deputado, Maia se elegeu pela primeira vez aos 28 anos. Aos poucos, com a habilidade para conduzir articulações políticas, ganhou respeito e destaque no Congresso, onde ocupou duas vezes o posto de líder do DEM. Em 2015, contudo, teve dificuldades para renovar o mandato, tendo a pior votação de sua trajetória. Os 53.167 votos fizeram dele somente o 29º entre 46 parlamentares eleitos pelo Rio.

Na ocasião, declarou ter gasto R$ 2,3 milhões na campanha, dos quais R$ 550 mil foram doados pelo banco BMG, onde trabalhou em 1990. Maia também recebeu R$ 100 mil da JBS, empresa cuja delação dos sócios provocou a crise política que atinge Temer.

Leia mais
Maia já discute eleições indiretas com técnicos legislativos 
O que revelaram os donos da JBS na delação que implodiu Brasília
Ex-assessor de Temer ofereceu à JBS cargos em órgãos, diz jornal

Apelidado de Botafogo no sistema clandestino de propinas da construtora Odebrecht, Maia é alvo de dois inquéritos na Lava-Jato. Num deles, é acusado de receber R$ 350 mil em 2008 para financiar campanhas do DEM. Dois anos depois, receberia mais R$ 600 mil, desta vez destinados à candidatura do pai ao Senado.

Na segunda investigação, o Ministério Público Federal sustenta que ele recebeu R$ 100 mil em 2013 para colaborar na aprovação da Medida Provisória 613. A MP desonerava a aquisição de matéria-prima para a indústria química, área de atuação da Braskem, empresa controlada pela Odebrecht.

Sucessor de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na presidência da Câmara, Maia foi bastante prestigiado pelo peemedebista. Recebeu a relatoria de projetos relevantes, como a reforma política. À época, manifestou posição contrária ao voto em lista, sistema que passou a defender com ênfase desde o início do ano, após a retirada do sigilo das delações dos executivos da Odebrecht.

Ex-bancário, Maia atuou na financeira Icatu nos anos 1990, mas não concluiu a faculdade de Economia que começou a cursar na Universidade Cândido Mendes. Preferiu ingressar na política, ao assumir em 1997 a Secretaria de Governo da prefeitura do Rio, à época administrada por um aliado de seu pai, o prefeito Luiz Paulo Conde.

Liberal na economia, conservador nos costumes

Influente no DEM, foi um dos maiores entusiastas do sepultamento do antigo PFL, sigla criada em 1985 de uma dissidência do antigo PDS, partido de sustentação do regime militar. Em 2007, quando defendeu uma ampla renovação na legenda, então vista como fisiológica, o deputado não só liderou a adoção do nome Democratas como acabou aclamado como seu novo presidente nacional.

Apesar de liderar o chamado grupo jovem do partido, Maia tem posições conservadoras nos costumes e liberais na economia. É contra a legalização da maconha, o aborto e o casamento entre pessoas do mesmo sexo e a favor da redução da maioridade penal. Defende a redução da carga tributária e uma menor participação do Estado em setores estratégicos da economia.

Ao disputar o comando da Câmara, no ano passado, conquistou apoio de partidos de oposição e tradicionais adversários do DEM, como PDT e PC do B — o PT chegou a cogitar um suporte a sua candidatura, mas acabou recuando. Embora contasse com a simpatia do Planalto, Maia derrotou o candidato governista, Rogério Rosso (PSD-DF).

Casado desde 2005 com Patrícia Vasconcelos, filha do ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, Maia tem quatro filhos: três meninas e um menino. Chorão confesso, tomou três calmantes mas não conseguiu evitar as lágrimas ao fazer o discurso da vitória. Analisadas pela ótica do atual turbilhão político que lança incertezas sobre os rumos do país, suas palavras finais no pronunciamento soam proféticas caso venha a assumir a Presidência da República.

— Sei que estou pronto para navegar nessa tormenta, que passará. A Câmara, o Congresso e o Brasil são maiores que qualquer crise.

Leia as últimas notícias sobre a delação da JBS

 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaJBS tem R$ 18 bilhões em dívidas para quitar em 2017, afirma jornal https://t.co/VRS2mMAU69 #LeiaNoSantahá 17 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaA crise política do governo Temer contada pelos memes https://t.co/bk6FGeuHvq #LeiaNoSantahá 27 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros