Temer admite encontro com Joesley, mas nega ter autorizado compra do silêncio de Cunha - Política e Economia - Santa

Versão mobile

Defesa17/05/2017 | 21h48Atualizada em 17/05/2017 | 21h48

Temer admite encontro com Joesley, mas nega ter autorizado compra do silêncio de Cunha

Em nota, presidente defendeu "ampla e profunda investigação para apurar todas as denúncias veiculadas pela imprensa"

Temer admite encontro com Joesley, mas nega ter autorizado compra do silêncio de Cunha Romério Cunha/PMDB,Divulgação
Em delação ainda não homologada, executivo diz ter áudio em que Temer (esq.) dá aval à compra de silêncio de Cunha (dir.) Foto: Romério Cunha / PMDB,Divulgação
Guilherme Mazui / RBS Brasília
Guilherme Mazui / RBS Brasília

guilherme.mazui@gruporbs.com.br

Na primeira manifestação pública sobre a gravação na qual teria dado aval à compra do silêncio do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o presidente Michel Temer admitiu que se encontrou com o empresário Joesley Batista no Palácio do Jaburu, em março, porém negou que tenha autorizado "qualquer movimento com o objetivo de evitar delação ou colaboração com a Justiça" do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Temer se posicionou por meio de nota, divulgada pelo Palácio do Planalto na noite desta quarta-feira (17), diante da repercussão da reportagem do jornal O Globo. O presidente defendeu uma "ampla e profunda investigação para apurar todas as denúncias veiculadas pela imprensa".

A gravação, revelada pelo colunista Lauro Jardim, consta no acordo de delação premiada dos donos da JBS, Joesley e Wesley Batista, ainda não homologado pelo ministro do STF Edson Fachin. 

Leia mais:
Temer é gravado dando aval para compra do silêncio de Cunha, diz jornal
Gravação mostra Aécio pedindo R$ 2 milhões a dono da JBS, diz jornal
Carolina Bahia: delação da JBS coloca futuro do governo Temer em risco

Os executivos ofereceram uma gravação em áudio na qual Temer indica a Joesley o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para resolver um assunto da J&F (holding que controla a JBS). Em outro áudio, Rocha Loures foi filmado recebendo uma mala com R$ 500 mil enviados por Joesley. Temer também ouviu do empresário que estava dando a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro uma mesada na prisão para ficarem calados. Diante da informação, o presidente teria dito:

— Tem que manter isso, viu?

Sobre a conversa com Joesley, Temer confirmou o encontro com o empresário, mas afirmou que "não houve no diálogo nada que comprometesse a conduta do presidente da República".

Confira a íntegra da nota do presidente Michel Temer:

"O presidente Michel Temer jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. Não participou e nem autorizou qualquer movimento com o objetivo de evitar delação ou colaboração com a Justiça pelo ex-parlamentar.

O encontro com o empresário Joesley Batista ocorreu no começo de março, no Palácio do Jaburu, mas não houve no diálogo nada que comprometesse a conduta do presidente da República.

O presidente defende ampla e profunda investigação para apurar todas as denúncias veiculadas pela imprensa, com a responsabilização dos eventuais envolvidos em quaisquer ilícitos que venham a ser comprovados."

 
 
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros