AO VIVO: STF julga pedido de prisão de Aécio Neves - Política e Economia - Santa

Versão mobile

Operação Lava-Jato20/06/2017 | 15h06Atualizada em 20/06/2017 | 17h26

AO VIVO: STF julga pedido de prisão de Aécio Neves

Ministros também deverão examinar um pedido da defesa do tucano para que ele retorne ao exercício do mandato

Zero Hora
Zero Hora

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu não analisar o novo pedido de prisão apresentado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG). O julgamento que  começou nesta terça-feira (20) conceder prisão domiciliar a Andrea Neves (irmã de Aécio), Frederico Pacheco (primo) e o ex-assessor parlamentar Mendherson Souza Lima — apontado como operador de propina do tucano. Os três deverão usar tornozeleira eletrônica.

Após a votação sobre os casos de Andrea, Frederico e Mendherson, o ministro Marco Aurélio Mello decidiu que casos envolvendo Aécio Neves diretamente não serão julgados na sessão desta terça. Não há prazo para uma nova sessão ocorrer. A decisão sobre o adiamento foi tomada depois que a defesa do senador afastado fez um novo pedido de Aécio para levar o processo para o plenário do STF, formado por 11 ministros — a Primeira Turma tem cinco ministros.

Acompanhe a cobertura do repórter Matheus Schuch, em Brasília:

Leia mais:
PF conclui que houve corrupção passiva de Temer e Rocha Loures
Entenda o que acontece no STF e na Câmara caso Janot denuncie Temer
"Expandiu-se demais a investigação", diz Gilmar Mendes sobre a Lava-Jato

A prisão e o afastamento de Aécio Neves foram pedidos, segundo a PGR, para evitar que o parlamentar tucano atrapalhe as investigações nas quais já foi acusado pelos crimes de corrupção passiva e obstrução de Justiça.

O STF também julga os pedidos das defesas da irmã de Aécio, Andrea Neves, do primo do tucano Frederico Pacheco e do ex-assessor parlamentar Mendherson Souza Lima, que foram presos preventivamente por decisão de Fachin. As defesas pedem a revogação das ordens de prisão.

Na semana passada, no primeiro julgamento relacionado a esta investigação — o de uma questão de ordem apresentada pelo relator Marco Aurélio —, a Primeira Turma decidiu manter Andrea presa. Na ocasião, Barroso, Rosa Weber e Fux mantiveram o entendimento de Fachin, que foi o primeiro relator do caso, antes da redistribuição para Marco Aurélio.

Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros