Governo pretende votar reforma trabalhista no plenário do Senado nesta terça-feira  - Política e Economia - Santa

Versão mobile

Congresso10/07/2017 | 20h26Atualizada em 11/07/2017 | 09h53

Governo pretende votar reforma trabalhista no plenário do Senado nesta terça-feira 

Nesta segunda-feira, o presidente da Casa, Eunício Oliveira, reiterou que colocará a reforma em votação nesta semana 

Governo pretende votar reforma trabalhista no plenário do Senado nesta terça-feira  Gilmar de Souza/Agencia RBS
Foto: Gilmar de Souza / Agencia RBS
Zero Hora
Zero Hora

Em meio à crise política enfrentada pelo Planalto, a reforma trabalhista, um dos principais projetos da agenda de ajuste fiscal do governo Michel Temer, poderá ser votada no plenário do Senado nesta terça-feira (11). A análise na Casa está prevista para começar a partir das 11h. Nesta segunda-feira (10), o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), reiterou, por meio do Twitter, que colocará a reforma em votação nesta semana.

Leia mais:
Presidente do Senado confirma votação de reforma trabalhista nesta semana
Alckmin não vê razão para o PSDB seguir no governo após votação de reformas
Como ficou a reforma trabalhista que vai a votação no plenário do Senado

Também nesta segunda, a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, negou um mandado de segurança impetrado por senadores da oposição que pretendia suspender a tramitação do projeto por 20 dias. O pedido foi assinado por 18 senadores — a maioria do PT —, que pediam que fossem realizados os cálculos de impacto orçamentário e financeiro provocados pela reforma trabalhista.

Para garantir a aprovação na íntegra do texto na CCJ, em 28 de junho, última etapa antes do plenário do Senado, o Planalto se comprometeu a vetar oito pontos do projeto. A manobra evitou o retorno do texto à Câmara dos Deputados, o que ocorreria caso houvesse alguma modificação por parte dos senadores.

A proposta, que altera artigos da CLT, precisa de maioria simples — 41 votos — para ser aprovada na Casa. O governo trabalha com uma margem apertada, de 42 votos já declarados pela reforma. Cinco senadores ainda se dizem indecisos.

Para o líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), o projeto será aprovado com 48 votos. Ele confirmou que a ideia é colocar a reforma para votação nesta terça-feira. Mesmo que a votação coincida com a análise da denúncia contra o presidente Michel Temer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, o governo quer aprovar o projeto antes do recesso parlamentar, que começa na semana que vem.

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) considera inaceitável o Senado votar nesta terça-feira (11) a reforma trabalhista, enquanto a Câmara decide se autoriza o prosseguimento da denúncia do Ministério Público contra o presidente Michel Temer por crime de corrupção passiva.

Para Lindbergh, "é um absurdo" o Senado abrir mão de alterar o projeto da reforma trabalhista com o argumento de que haverá vetos presidenciais. Segundo Lindbergh, não há qualquer garantia de que Temer estará no Planalto até o final das próximas duas semanas.

Os principais pontos da reforma trabalhista

Jornada de trabalho
Como é hoje:
jornada de 44 horas semanais, com no máximo oito horas diárias.
O que está na reforma: a jornada diária pode chegar a até 12 horas, e o limite semanal a 48 horas, incluídas quatro horas extras. 

Tempo de deslocamento
Como é hoje:
a legislação atual conta como jornada o tempo gasto até a chegada no emprego, desde que o transporte seja fornecido pela empresa.
O que está na reforma: deixa de considerar como jornada o tempo gasto no trajeto usando transporte fornecido pela empresa. 

Hora extra
Como é hoje:
trabalhador pode fazer máximo de duas horas extras por dia, o que só pode ser alterado por acordo escrito entre empregador e empregado ou contrato coletivo. A remuneração é, pelo menos, 50% superior à da hora normal.
O que está na reforma: mantém máximo de duas horas extras, mas regras poderão ser fixadas por acordo individual, convenção ou acordo coletivo. Remuneração é mantida, no mínimo, 50% superior à da hora normal. 

Banco de horas
Como é hoje:
hora extra pode ser compensada em outro dia, desde que em um ano não exceda à soma das jornadas semanais nem que seja ultrapassado o limite máximo de 10 horas diárias.
O que está na reforma: banco de horas poderá ser negociado por acordo individual, com compensação em seis meses. Também poderá ser ajustada, por acordo individual ou coletivo, qualquer forma de compensação, desde que não ultrapasse dez horas diárias e seja feita no mesmo mês. 

Terceirização
Como é hoje:
é permitida a terceirização irrestrita das atividades.
O que está na reforma: cria quarentena de 18 meses, período no qual o empregador não poderá demitir o trabalhador efetivo e recontratá-lo como terceirizado. A terceirizada terá de oferecer todas as condições da empresa-mãe, como uso de ambulatório, alimentação e segurança. 

Férias
Como é hoje:
podem ser gozadas em dois períodos, desde que um deles não seja inferior a dez dias ininterruptos.
O que está na reforma: podem ser usufruídas em até três períodos, um com pelo menos 14 dias corridos e os demais, cinco dias corridos. Proíbe o início das férias dois dias antes de feriado ou no dia de repouso remunerado. Desobriga trabalhadores com mais de 50 anos de tirar período único de 30 dias. 

Regime parcial
Como é hoje:
considera regime de tempo parcial aquele que não passe de 25 horas semanais. É proibida a realização de hora extra.
O que está na reforma: aumenta o período para 30 horas semanais, mas mantém proibição de hora extra. Também considera trabalho em regime parcial aquele que não passa de 26 horas por semana, com a possibilidade de seis horas extras semanais, com acréscimo de 50% no valor. 

Multa por não assinar carteira
Como é hoje:
empregador que não assina carteira de trabalho paga multa de um salário mínimo regional por empregado não registrado, acrescido de igual valor em cada reincidência.
O que está na reforma: estabelece multa de R$ 3 mil por empregado não registrado, acrescida de igual valor em cada reincidência. Microempresa e empresa de pequeno porte pagam multa de R$ 1 mil. O texto prevê ainda que o empregador deverá manter registro dos respectivos trabalhadores sob pena de multa de R$ 800. 

Trabalho remoto ou home office 
Como é hoje:
não há previsão legal.
O que está na reforma: inclui o home office na legislação, incluindo que a presença esporádica na sede da empresa para atividades específicas não descaracteriza o regime de trabalho remoto. As regras, contudo, serão descritas em contrato individual de trabalho.

Itens que estão na reforma, mas que Temer prometer vetar:
Para garantir a aprovação, o presidente Michel Temer encaminhou carta na qual reafirmou compromisso de vetar oito pontos acordados com os senadores da base aliada. O governo poderá alterar esses tópicos por meio de medidas provisórias.

Trabalho intermitente
O que está na reforma:
– Possibilidade de contratar trabalhadores para períodos de prestação de serviços. Poderão ser alternados períodos em dia e hora. Convocação é feita com pelo menos cinco dias de antecedência, ficando excluídos profissionais com legislação específica. Trabalhador pode recusar o chamado.
Promessa do Planalto:
– Quarentena de 18 meses pra evitar que empresas alterem contratos por prazo indeterminado para intermitentes.– Não se adotará multa de 50% em caso de descumprimento contratual para não impor custos financeiros ao trabalhador.

Jornada de 12 x 36 horas
O que está na reforma:
– Libera-se a jornada 12 x 36 horas para todas as categorias.
Promessa do Planalto:
– Será permitida somente com acordo ou convenção coletiva, respeitando as leis específicas que permitem essa jornada por acordo individual.

Participação dos sindicatos
O que está na reforma:
– A convenção coletiva e o acordo coletivo de trabalho prevalecem sobre a lei em pontos determinados no projeto, mas não vale para itens como férias, FGTS ou 13º salário.
Promessa do Planalto:
– Será reafirmada a obrigatoriedade de participação sindical na negociação coletiva.
– Ficará explícito que a comissão de empregados não substitui os sindicatos na defesa dos direitos dos trabalhadores.

Gestantes em ambientes insalubres
O que está na reforma:
– Poderá trabalhar se apresentado atestado médico comprovando que o local não oferecerá risco à gestante ou à lactante.
– Somente em caso de impossibilidade absoluta da prestação de trabalho em local insalubre haverá redirecionamento da trabalhadora.
Promessa do Planalto: 
– Será estabelecida a vedação em locais insalubres.
– Somente será permitido o trabalho nesses locais de forma excepcional, com atestado médio liberando a atuação.

Insalubridade na negociação
O que está na reforma:
– A convenção coletiva e o acordo coletivo valem mais do que a lei quando tratarem de grau de insalubridade e prorrogação de jornada nesses ambientes insalubres, sem licença prévia das autoridades do Ministério do Trabalho.
Promessa do Planalto:
– Esses enquadramentos podem se efetivar somente por meio de negociação coletiva.
– Mas será preciso respeitar as normas de segurança e saúde do trabalho previstas em lei ou em normas do Ministério do Trabalho.

Dano moral no trabalho
O que está na reforma:
– Regulamenta a indenização por danos morais no trabalho.
– A indenização varia de acordo com o salário do prejudicado, o que pode acarretar valores diferentes para trabalhadores com o mesmo dano. A pena varia de cinco a 50 vezes o salário.
Promessa do Planalto:
– Não será usada a vinculação ao salário, com reavaliação da metodologia para oferecer reparação mais justa, mas sem excessos.

Autônomo exclusivo
O que está na reforma:
– Cria o trabalhador autônomo exclusivo, que pode oferecer serviços para um único empregador de forma contínua, mas sem vínculo permanente.
Promessa do Planalto:
– Será definido que o contrato desse trabalhador não pode prever cláusula de exclusividade, sob pena de configurar vínculo empregatício.
– Não poderá haver restrição da atividade a um único empregador.

Contribuição sindical
O que está na reforma:
– Deixa de ser obrigatória e passa a ser opcional. O pagamento equivale a um dia de salário descontado em folha.
Promessa do Planalto:
– Será adotado um modelo de extinção gradual da contribuição sindical para garantir o planejamento financeiro dos sindicatos e entidades patronais.

 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaConta de luz aumenta 7,85% em SC a partir de 22 de agosto https://t.co/M4ZL5lJEHW #LeiaNoSantahá 7 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaPRF apreende 30 mil maços de cigarros contrabandeados na BR-282, no Meio-Oeste de SC https://t.co/mXZxjXM95q #LeiaNoSantahá 49 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros