Relatório de impacto ambiental para novo porto em São Francisco aponta locais alternativos para construção  - Política e Economia - Santa

Versão mobile

Projeto05/07/2017 | 06h00Atualizada em 05/07/2017 | 06h00

Relatório de impacto ambiental para novo porto em São Francisco aponta locais alternativos para construção 

Prioridade da WorldPort Desenvolvimento Portuário, responsável pelo projeto, é conseguir licença na praia do Forte 

Relatório de impacto ambiental para novo porto em São Francisco aponta locais alternativos para construção  Maykon Lammerhirt/Agencia RBS
Área considerada a prioritária para a instalação do novo porto  Foto: Maykon Lammerhirt / Agencia RBS

O relatório de impacto sobre o meio ambiente (Rima) para a implantação do Porto Brasil Sul, na praia do Forte (também conhecida como praia do Farol), em São Francisco do Sul, já está disponível no site da Fundação do Meio Ambiente (Fatma). O empreendimento projetado pela WorldPort Desenvolvimento Portuário S/A, que está orçado em R$ 3,6 bilhões e tem a perspectiva de gerar quase três mil empregos, continua em análise na Fatma.

A divulgação do Rima é um procedimento comum, informa a assessoria do órgão ambiental, e não indica aprovação, nem obtenção de licença. O caminho a ser percorrido é longo e pode levar meses. Por enquanto, o estudo de 94 páginas continua sendo avaliado pelos técnicos da Fatma. Não há definição para a divulgação do resultado do estudo, tampouco para a convocação de audiência pública.

Mapa mostra as alternativas para a instalação do empreendimento Foto: Reprodução / Reprodução


O Rima da WorldPort detalha os impactos que serão gerados pela obra (47 no total) em uma área ainda pouco habitada e com vegetação nativa (mangues). Por isso, os empreendedores apresentaram duas áreas alternativas de instalação, caso a primeira opção seja rejeitada: no bairro Paulas e na Vila da Glória. Ambas não oferecem a mesma eficiência operacional e condições de acesso ao canal hidroviário.

O Rima mostra, por exemplo, que nos pontos alternativos, o volume de dragagem (remoção de sedimentos do fundo do oceano) será bem maior – de 4 milhões a 5 milhões de metros cúbicos (m3) –, enquanto que na praia do Forte, o volume ficará em 400 mil m3 para a dragagem e 300 mil m3 para a derrocagem (remoção de rochas). O Rima diz também que o transporte terrestre das cargas movimentadas pelo porto será feito pelos meios rodoviário e ferroviário, com a estimativa de movimentação de 1.823 caminhões e 668 vagões de trem por dia.

Foram identificados e avaliados ainda os 47 impactos ambientais, sendo 35 (74% deles) considerados negativos, oito (17%) positivos e quatro (9%) positivos e negativos. As medidas de mitigação ou de compensação dos impactos estão organizadas em 27 programas ambientais.

Pesquisa
Pesquisa realizada pelo Instituto VC indica que 55,2% dos moradores de São Francisco do Sul consideram que o Porto Brasil Sul trará benefícios para a cidade. Para 79,6% dos entrevistados, o empreendimento trará novos investimentos para São Francisco; 20,4% estão em dúvida e responderam ¿talvez¿. A pesquisa foi feita no dia 16 de junho no Centro e bairros do município e ouviu 500 pessoas, com margem de erro de 3% para mais ou para menos.

 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaCom dezenas de autoridades presentes, entidades cobram prazos e agilidade na duplicação da BR-470 e outras obras do Vale …há 53 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    Santa"Todos ajudaram a deixar meu olho roxo", desabafa professora agredida por aluno em Santa Catarina https://t.co/gOUcZj1f91 #LeiaNoSantahá 1 horaRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros