"Chega de apunhalarem os brasileiros pelas costas", diz Jorge Mussi - Política e Economia - Santa

Versão mobile

Moacir Pereira24/10/2017 | 03h20Atualizada em 24/10/2017 | 15h20

"Chega de apunhalarem os brasileiros pelas costas", diz Jorge Mussi

Confira a entrevista com magistrado de SC que assume nesta terça-feira como juiz efetivo do Tribunal Superior Eleitoral

"Chega de apunhalarem os brasileiros pelas costas", diz Jorge Mussi Coordenadoria de Editoria e Imprensa/STJ/Coordenadoria de Editoria e Imprensa/STJ
Foto: Coordenadoria de Editoria e Imprensa/STJ / Coordenadoria de Editoria e Imprensa/STJ

O catarinense Jorge Mussi assume nesta terça, às 19h, em Brasília, como juiz efetivo do Tribunal Superior Eleitoral. O magistrado, já foi juiz substituto do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Santa Catarina de 1988 a 1989 e juiz efetivo do TRE-SC de 1989 a 1991. Também foi presidente do TRE-SC de 2003 a 2004.

Qual o significado de sua posse no Tribunal Superior Eleitoral?        

É um momento muito importante para mim. Estou muito emocionado e orgulhoso por Santa Catarina. Jamais imaginei em minha carreira, nem em sonho, chegar a ministro do Superior Tribunal de Justiça e agora no Tribunal Superior Eleitoral, e participar da eleição do novo presidente da República, como juiz efetivo e corregedor do TSE. É um momento em que a alma vibra e o coração pulsa mais forte. Como catarinense, vou dar tudo de mim, vou vestir a camisa do tribunal para corresponder à confiança que a sociedade sempre depositou no TSE.

Alguma ideia ou projeto para o processo eleitoral de 2018?

A partir de fevereiro de 2018, o tribunal será presidido pelo ministro Luiz Fux. Ele está organizando uma reunião com os ministros para estudar mais agilidade na entrega dos resultados, e com máxima transparência. Vamos buscar medidas para dar mais celeridade.

O senhor defende a impressão do voto do eleitor?

Tenho trocado ideias com meus colegas e concluímos que neste momento o custo do voto impresso seria insuportável nas eleições de 2018. Nas seguintes, é possível. Vejo na urna eletrônica um equipamento simples e seguro, que funciona até com bateria. A comprovação impressa vai dar mais segurança à votação, sem dúvida.

E o que o senhor acha dos que defendem a extinção da Justiça Eleitoral?

Ao contrário, imagino um TSE funcionando como o STJ ou outro tribunal. Aí, a Justiça Eleitoral vai se aprimorar. Afinal, um país com a dimensão territorial do Brasil, que teve 101 milhões de brasileiros votando, com resultados em quatro horas, não pode prescindir da Justiça Eleitoral. O brasileiro confia na sua Justiça Eleitoral. Sua extinção seria um atraso.

O senhor teve atuação destacada no STJ em processos da  Lava-Jato. A operação corre risco?

Não, ao contrário. No Tribunal Federal da 4ª região, onde as decisões são analisadas em grau de recurso, ou no STJ, em minha Turma, busca-se cada vez mais dar velocidade no julgamento dos processos. Temos a oportunidade de ver o Brasil ser passado a limpo. Os brasileiros não aguentam mais ser apunhalados pelas costas de maneira sórdida. Basta! Temos uma grande oportunidade para deixarmos um país melhor e com mais credibilidade para as próximas gerações.

Acompanhe as publicações de Moacir Pereira

Procurador Sidney Dalabrida é o novo desembargador de Santa Catarina

Florianópolis é hoje a sexta melhor cidade para se investir no Brasil

a>

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaBlog do Pancho: Usuários do Quero-Quero aguardam aprovação da sinalização noturna do aeroporto https://t.co/xFaFqHNw36há 16 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaCaminhão carregando retroescavadeira atinge pedestre na BR-470 no Vale https://t.co/3MMdwXUZnu #LeiaNoSantahá 35 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca