Falência da Oi poderia comprometer serviços em mais de 2 mil cidades - Política e Economia - Santa

Versão mobile

Para fugir da falência22/10/2017 | 16h55Atualizada em 22/10/2017 | 16h55

Falência da Oi poderia comprometer serviços em mais de 2 mil cidades

Problemas financeiros, resultados de sucessão de maus negócios, causaram à empresa perda de participação de mercado

Falência da Oi poderia comprometer serviços em mais de 2 mil cidades Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

O governo federal montou grupo de trabalho para tentar buscar solução de mercado e evitar a falência da Oi, hipótese prevista em lei caso as negociações com os credores fracassem. Dos R$ 64 bilhões devidos, R$ 11 bilhões são para a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e R$ 20 bilhões para bancos públicos federais.

Eduardo Tude, presidente da consultoria especializada na área Teleco, avalia que já houve avanço em relação às propostas anteriores e seria possível caminhar para um acordo. O desfecho, diz, pode demorar. Tude entende que é possível que o encontro, agora remarcado para 6 de novembro, não tenha quórum e a situação se arraste, à espera de consenso, para a segunda chamada da assembleia, prevista para 27 de novembro.

– Se a empresa for à falência, todos perdem – lembra Tude.

Autor de livro sobre recuperação judicial, o administrador Julio Cesar Teixeira de Siqueira sustenta que os dois lados deveriam ceder um pouco para chegarem a bom termo, sob pena de grande impacto no serviço. A Oi é a única operadora de telefonia fixa em mais de 2 mil dos 5,5 mil municípios brasileiros.

– Se falir, teremos um apagão em várias cidades – alerta Siqueira, que também considera o caso da Oi o teste de fogo da legislação de recuperação judicial, para verificar se é efetiva na tarefa de dar fôlego às empresas no pagamento de dívidas enquanto tentam se consolidar, ou começará a ser encarada como protelação.

Os problemas financeiros, resultados de sucessão de maus negócios, vêm causando à Oi perda de participação de mercado. Em telefonia fixa, na qual era líder até 2016, caiu para o segundo lugar, de acordo com a Teleco. Em banda larga fixa, saiu de fatia de 27,3% em 2015 para 22,8% em agosto deste ano. Na telefonia móvel, é a quarta, com 17,3%, sem ameaçar as líderes Vivo, Claro e TIM. Para Tude, reflexo da falta de caixa:

– A Oi precisa da injeção de capital para poder ampliar sua rede.

Esse é o principal desafio, ressalta Paulo Wyss, da Mazars Cabrera. A Oi está entre as líderes apenas em telefonia fixa, “um negócio que está morrendo”, avalia, enquanto não tem dinheiro para investir em telefonia móvel e internet.


Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaCom placar apertado, Câmara de Blumenau aprova moção de aplauso a evento sobre diversidade da Escola Elza Pacheco… https://t.co/P7qW8L1t8Qhá 1 horaRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaAdolescente é apreendido com quatro quilos de maconha em terminal de ônibus de  Blumenau https://t.co/Ummd7eCJnm #LeiaNoSantahá 4 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca