Servidores fazem paralisação nesta terça-feira em Gaspar - Política e Economia - Santa

Versão mobile

Funcionalismo público31/10/2017 | 11h50Atualizada em 31/10/2017 | 11h50

Servidores fazem paralisação nesta terça-feira em Gaspar

Servidores fazem paralisação nesta terça-feira em Gaspar Lucas Correia/Jornal de Santa Catarina
Foto: Lucas Correia / Jornal de Santa Catarina
Jornal de Santa Catarina
Jornal de Santa Catarina

A queda de braço entre a prefeitura de Gaspar e os servidores públicos municipais, que pedem o reajuste do vale-alimentação, culminou nesta terça-feira com uma paralisação de 24 horas nesta terça-feira dos trabalhos da administração municipal.

Cerca de 600 servidores estão reunidos desde o início da manhã em frente à prefeitura para pedir o reajuste de 5,44% no vale-alimentação (VA) e que o benefício não seja retirado da folha de pagamento. Eles alegam que, por lei, o VA faz parte do salário do funcionário público e que é incorporado no salário pelos trabalhadores ao pedir a aposentadoria.

— Estamos há três anos sem reajuste no vale alimentação e pedimos os 5,44% como forma de reaver essas perdas. Nossa data-base é março e na mesa de negociação pediram para que esperássêmos até outubro. Agora, eles dizem que não vão dar o reajuste e ainda fomos informados que o benefício passará a ser pago com cartão — explica a presidente do sindicato que representa a categoria no município, Lucimara Rozanski Silva.

Diante da negativa, os funcionários aprovaram em assembleia na semana passada que entrariam em estado de greve e que nesta terça-feira fariam a paralisação. No final da tarde de segunda, a prefeitura obteve uma liminar determinando que o sindicato mantenha 80% dos serviços essenciais funcionando durante a paralisação. A entidade diz que foi notificada na manhã desta terça, na praça em frente à prefeitura, e que está cumprindo a determinação.

O que diz o Executivo

O procurador-geral de Gaspar, Felipe Juliano Braz, afirma que o Executivo ainda está fazendo um levantamento sobre os serviços afetados com a paralisação, mas diz que pela manhã, duas unidades escolares estavam fechadas.

Ele argumenta também que a prefeitura mostrou ao sindicato que não tem condições de arcar com um reajuste no VA, "porque a conjuntura econômica do país ainda não apresentou melhora" e que a decisão de tirar o vale da folha de pagamento para que o benefício seja feito por meio de cartões garante uma economia de R$ 1,8 milhão por ano aos cofres do município.

— Só nesta despesa de fazer o depósito do vale alimentação nas contas bancárias dos servidores, gastamos R$ 1,8 milhão por ano. Muitas empresas e prefeituras já adotaram o cartão para o pagamento do benefício, não há porque não fazermos o mesmo. 

Sobre o fato de que o vale, ao ser aplicado na folha de pagamento, o VA é agregado ao cálculo dos ganhos ao pedir a aposentadoria, Juliano confirma a prática, que atinge cerca de 1,2 mil servidores. Em contrapartida, ele alega que, ao ser retirado do holerite,  parte do vale deixa de ser descontado da folha.

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaBlog do Pancho: Usuários do Quero-Quero aguardam aprovação da sinalização noturna do aeroporto https://t.co/xFaFqHNw36há 13 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaCaminhão carregando retroescavadeira atinge pedestre na BR-470 no Vale https://t.co/3MMdwXUZnu #LeiaNoSantahá 32 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca