Carolina Bahia: Há vaga para outsider - Política e Economia - Santa

Versão mobile

Política28/11/2017 | 04h00Atualizada em 28/11/2017 | 04h00

Carolina Bahia: Há vaga para outsider

O brasileiro está irritado com o chamado político tradicional, e o eleitor espera um nome que não como berço os partidos protagonistas da Lava-Jato.

Carolina Bahia: Há vaga para outsider Rafael Campos/TV Globo/Divulgação
Foto: Rafael Campos / TV Globo/Divulgação

Inseguro quanto aos rumos de uma campanha, Luciano Huck desistiu de lançar a candidatura à Presidência da República, deixando aberta a vaga de outsider. A disputa de 2018 já tem como marca os balões de ensaio, começando pelo prefeito João Doria (PSDB-SP) e ganhando um segundo capítulo com o apresentador. Outros certamente surgirão até meados do próximo ano. Portanto, atenção para não cair em armadilhas.

Afinal, há um vácuo no limitado cardápio apresentado ao brasileiro até agora. Irritado com o chamado político tradicional, o eleitor estaria aberto ao novo, a um nome que não tenha como berço os partidos protagonistas da Lava-Jato. É nesse cenário que o ex-presidente do STF Joaquim Barbosa continua sendo assediado pelo PSB a para assumir uma candidatura. O risco é o eleitor cair na tentação de mais uma vez acreditar no discurso fácil de mais um folclórico salvador da pátria. Mergulhado na mais profunda crise política dos últimos tempos e tentando sair de uma crise econômica, o Brasil precisa de tudo, menos de um aventureiro.

BENÇÃO TUCANA

A bancada do PSDB na Câmara comemora as costuras que levam o governador Geraldo Alckmin a assumir a presidência nacional do partido. É uma forma de abafar o grupo do senador Aécio Neves (PSDB-MG), que mantém a interlocução com o governo Temer. Uma situação que pavimenta a candidatura de Geraldo Alckmin à Presidência da República.

DIRETO PARA O PLANALTO

Após procedimento cirúrgico em São Paulo, o presidente Temer retomou as atividades ontem no Palácio do Planalto, com uma reunião com o presidente da Petrobras, Pedro Parente, e com deputados do DEM. A informação do médico, de que ele tinha 90% das artérias obstruídas, surpreendeu os aliados, acostumados com o ritmo intenso da agenda do presidente.

FALA SÉRIO

Se quiser mesmo consolidar a candidatura a Presidência, Alckmin precisa dar um basta nas guerras internas no PSDB. Além disso, o partido precisa assumir um discurso com começo, meio e fim sobre as relações com Michel Temer. Os tucanos estão mergulhados até o pescoço no governo do PMDB

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 20-11-2017: Rodrigo Maia, Presidente da Câmara dos Deputados brasileira, em visita à RBS, participou do programa Gaúcha+ nos estúdios da Rádio Gaúcha, e também foi recebido no Salão Nobre da empresa (FOTO FÉLIX ZUCCO/AGÊNCIA RBS, Editoria de Notícias).
Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

"O MP poderia ter avançado mais para oferecer uma denúncia com força maior. As duas denúncias precisariam de embasamento maior para suspendermos o mandato do presidente".

Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, sustentando a permanência de Michel Temer na Presidência

Leia outras colunas de Carolina Bahia:

Carolina Bahia: à mesa com o presidente

 Carolina Bahia: agarrados ao poder 

Carolina Bahia: Começa o desembarque

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaMotociclista morre em acidente na SC-477, em Rodeio https://t.co/idnWNTGpVW #LeiaNoSantahá 30 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaCom novas atrações, turismo religioso cresce no Vale do Itajaí https://t.co/YJeNwfvtuF #LeiaNoSantahá 2 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca