Safra de trigo terá quebra de 38% em Santa Catarina - Política e Economia - Santa

Versão mobile

Prejuízo18/11/2017 | 11h24Atualizada em 18/11/2017 | 11h24

Safra de trigo terá quebra de 38% em Santa Catarina

Queda na colheita está relacionada ao mau tempo e à diminuição do preço em relação ao ano passado 

Safra de trigo terá quebra de 38% em Santa Catarina Diogo Zanatta/Especial
Lavouras de trigo sofreram com estiagem no plantio e chuva próximo da colheita Foto: Diogo Zanatta / Especial

 A safra de trigo em Santa Catarina terá queda de 38% em relação ao ano passado, segundo dados do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola da Epagri. Uma estiagem de cerca de 30 dias na hora do plantio e a queda no preço em relação ao ano passado provocaram redução de área de 26%. Teve produtor que até abandonou algumas áreas ou substituiu o cultivo por milho.

A lavoura foi prejudicada por duas situações adversas no tempo: primeiro o vasto período de seca e depois, na hora da colheita, em outubro, o excesso de chuva. Os fatores causaram queda de produtividade e na qualidade dos grãos. De acordo com o engenheiro agrônomo João Rogério Alves, do Cepa/Epagri, uma parcela da produção não terá qualidade para farinha e deverá ser destinada à ração.

– O padrão exigido é de PH (peso hectolitro) 78, mas a maioria do trigo colhido está com PH entre 70 e 76, tem muito grão falhado, xoxo, miúdo – explica Alves.

Cada ponto a menos de 78, há um desconto de R$ 0,30 centavos ao agricultor, que reclama do prejuízo. No ano passado, o preço da saca chegou a estar R$ 39, neste ano baixou para R$ 32 e ainda haverá este desconto para quem teve perda na qualidade.

– Não vai sobrar nem palha de lucro – afirma o agricultor Gilcemir Piaia.

Piaia plantou 400 hectares de trigo e esperava colher mais de 60 sacas por hectare em média – no ano passado chegou a tirar 80 em algumas áreas. No final da safra, porém, conseguiu colher apenas entre 25 e 43 sacas por hectare, conforme a data do plantio. Por isso, planeja reduzir a área de plantio pela metade no próximo ano.

Aumento da importação

A quebra na safra vai aumentar a necessidade de importação. Atualmente, o Brasil já importa metade do consumo, que é de 11 milhões de toneladas. Cerca de 90% do total vem da Argentina.

Apesar da frustração da safra nacional, o agrônomo da Epagri, João Rogério Alves, e o presidente da Cooperativa Agroindustrial Alfa (Cooperalfa), Romeo Bet, não acreditam em aumento de preços para o consumidor .

– O mundo está bem abastecido de trigo devido a boa produção de outros países e o trigo da Argentina está chegando aqui com o mesmo preços do produto nacional – avalia Bet.
No entanto, ele se diz preocupado com a possibilidade de o produtor nacional ficar desestimulado e reduzir ainda mais o plantio.

 Colheita de trigo em Chapecó
Foto: Darci Debona / Diário Catarinense

Acompanhe outras publicações de Darci Debona

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaPIB caiu em 109 cidades catarinenses em 2015 https://t.co/M5tfmBxGSN #LeiaNoSantahá 1 horaRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaDagmara Spautz: Outlet inaugura em Porto Belo com investimento de R$ 200 mi https://t.co/7sueqH4O9I #LeiaNoSantahá 2 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca