Nova licitação do Frohsinn é a largada para reinauguração do restaurante em 2018 - Política e Economia - Santa

Versão mobile

 

Economia20/12/2017 | 07h00Atualizada em 20/12/2017 | 07h00

Nova licitação do Frohsinn é a largada para reinauguração do restaurante em 2018

Complexo do restaurante promete reforçar turismo com reabertura ao público em 2018; espaço terá empório e mirante

Nova licitação do Frohsinn é a largada para reinauguração do restaurante em 2018 Patrick Rodrigues/Agencia RBS
Imóvel será ocupado por um restaurante da culinária típica alemã Foto: Patrick Rodrigues / Agencia RBS

Ele já foi um ícone. Fechou. Virou pivô de ação judicial. Sofreu com um incêndio. Foi reconstruído e, agora, passa a contar os dias para reabrir as portas e receber blumenauenses saudosos e turistas encantados com uma das vistas mais privilegiadas de Blumenau: a do alto do Morro do Aipim. Lançada nesta semana, a licitação para a nova concessão do Restaurante Frohsinn – que inclusive pode ter o nome alterado – é o primeiro passo para o retorno do uso público do espaço que, além do estabelecimento comercial, poderá abrigar uma espécie de um complexo turístico, com área para eventos, empório com produtos locais e o clássico mirante, que terá acesso gratuito e aberto ao público.

A proposta mínima de outorga (o aluguel a ser pago pelo uso do imóvel) é de R$ 12 mil mensais. Respeitados os prazos previstos no edital, a expectativa é abrir as portas do novo Frohsinn ainda em 2018, quem sabe antes da Oktoberfest:

– Esse prazo é possível. Poderemos atender empreendedores em janeiro e fevereiro para fazer as visitas técnicas e para que apresentem as propostas no dia 26 (de fevereiro). Concluído o processo vem a assinatura do contrato, são apresentados os projetos e feitas as reformas. Temos condições de abrir em 2018 – estima o secretário de Turismo, Ricardo Stodieck.

De acordo com o edital lançado esta semana pela administração municipal, o imóvel precisa ser ocupado por um restaurante com pratos da culinária típica alemã. Além disso, o concessionário pode instalar outro espaço, desde que seja um empório, café, loja de conveniência, bar, ou ainda um local para eventos, e que a atividade fim – o restaurante – não seja comprometida. Para isso, o ganhador da licitação pode sublocar até 50% do espaço.

Reformas ainda são necessárias

O investidor que vencer a concorrência terá que, antes de abrir as portas, promover uma nova reforma no espaço. Fechado desde 2012, o prédio já não estava em plenas condições de uso em agosto de 2014, quando o imóvel pegou fogo: faltavam a fiação elétrica e a estrutura hidráulica. Além disso, uma área de aproximadamente 183 metros quadrados – a extensão da cozinha – que foi feita de maneira irregular, precisa ser demolida e reconstruída dentro das normas da Vigilância Sanitária. Após o incêndio, a prefeitura reconstruiu o que foi destruído, mas a estrutura seguiu sem condições de operação. O investimento nas reformas será descontado do pagamento da outorga, que só começa quando o estabelecimento abrir as portas.

Para Stodieck, abrir a licitação era, de fato, a etapa que faltava para viabilizar a reabertura do Frohsinn. O secretário conta que o espaço já teve investidores interessados no passado, mas a concessão não foi possível pela falta do edital de licitação.

– Não temos um número (de interessados), mas acreditamos que o modelo do edital vai atrair investidores. Ele foi feito nos mesmos moldes da Thapyoka (Biergarten) e agora a reabertura é uma questão de tempo – avalia o secretário de Turismo.

O EDITAL

Confira destaques do edital de licitação para a concessão do Frohsinn. O texto na íntegra está disponível no Portal da Transparência de Blumenau, na guia Licitações, Contratos e Convênios. É a concorrência nº 31/2017:

- A abertura dos envelopes com a identificação das empresas interessadas e as propostas será no dia 26 de fevereiro de 2018, às 9h, na prefeitura.

- A escolha será feita a partir da melhor proposta de outorga (o aluguel do espaço). O valor mínimo é R$ 12 mil mensais.

- O prazo de concessão é de cinco anos a partir da assinatura do contrato, prorrogável pelo mesmo período.

- Consórcios e cooperativas não podem participar do processo.

- O imóvel precisa ser utilizado para a instalação de um restaurante com gastronomia típica germânica. Outros tipos de culinária podem ser desenvolvidos e integrar o cardápio, com exceção de pizzaria, lanchonete e churrascaria.

- O acesso ao mirante será público e gratuito, sem a necessidade de consumo de bens ou serviços oferecidos no local, porém, nos horários de funcionamento do estabelecimento.

- O estabelecimento deve funcionar durante seis dias na semana, no almoço e no jantar.

- A concessão está condicionada à reforma do imóvel, atendendo aos seguintes requisitos:
- reestruturação e recuperação da cozinha
- recuperação do prédio (pintura e reparos parte externa e interna)
- reforma dos sanitários
- instalação elétrica
- instalação hidráulica
- climatização
- iluminação
- humanização
- mobiliário
- comunicação visual interna e externa
- louças, talheres e demais utensílios, que devem ser novos e obedecer às normas sanitárias e as orientações da Secretaria Municipal de Turismo

- A concessionária terá seis meses para efetuar a reforma, fazer a instalação dos móveis e equipamentos e estar em pleno funcionamento.

- O valor recebido pela outorga vai compor a dotação orçamentária da Secretaria de Turismo.

 
Jornal de Santa Catarina
Busca