Blumenau mostra as tendências da tecnologia para o setor têxtil na 16ª Febratex  - Política e Economia - Santa

Versão mobile

 

Economia22/08/2018 | 12h25Atualizada em 22/08/2018 | 13h12

Blumenau mostra as tendências da tecnologia para o setor têxtil na 16ª Febratex 

O evento reúne mais de 2,4 mil marcas de 67 países e traz o que há de mais inovador para todos os envolvidos na cadeia produtiva têxtil

Blumenau mostra as tendências da tecnologia para o setor têxtil na 16ª Febratex  Patrick Rodrigues/Jornal de Santa Catarina
16a Feira Brasileira para a Indústria Têxtil (Febratex) Foto: Patrick Rodrigues / Jornal de Santa Catarina

Blumenau se consolidou como polo da indústria têxtil ao longo dos 167 anos de fundação. Um crescimento que foi acompanhado pelas inúmeras transformações no setor. Os antigos teares foram substituídos por outros que reduzem custos, aumentam a produção e a qualidade do produto. A 16ª  edição da Febratex, uma feira que reúne mais de 2,4 mil marcas de 67 países, revela a importância da região para o cenário deste segmento.

O evento traz o que há de mais inovador para todos os envolvidos na cadeia produtiva têxtil. Os corredores ficam abarrotados de profissionais do ramo e também curiosos, que demonstram interesse a cada demonstração nos 400 estandes espalhados por cinco setores da Vila Germânica.

 Blumenau - SC - Brasil - 21082018 - Febratex abre as portas para a inovação da indústria têxtil, vila germânica Blumenau.
Máquina de corte automática que oferece segurança ao operador Foto: Patrick Rodrigues / Jornal de Santa Catarina

No local têm solução para todo tipo de processo aplicado na indústria têxtil. Uma empresa com sede em Florianópolis apresenta na feira uma máquina de corte automática, que além da precisão em todo tipo de tecido busca a segurança do operador do maquinário. Uma preocupação recorrente para evitar acidentes de trabalho nas empresas e que garante uma economia, com a redução do desperdício e aumento da produtividade.

– O sistema faz o encaixe para o máximo aproveitamento do tecido, que vai gerar uma melhor qualidade da peça na loja. Se alguém entrar na área de risco, a máquina para e volta na posição normal, evitando uma queda de 40% de produtividade, quando a máquina é interrompida em caso da presença de alguém na área – explica o CEO da empesa, Claudio Roberto Grando.

A tecnologia impulsionou o setor e não somente os maquinários são aplicados para acompanhar a evolução. A criação de softwares contribui para a melhor gestão das empresas, com o acompanhamento de todos os setores e processos de forma integrada. Carlos Fistarol, diretor de uma empresa de TI de Indaial, explica a necessidade do controle das operações e gestão.

– Trabalhamos com um sistema que consegue fazer com que a empresa funcione como uma engrenagem, informando a necessidade de compra de matériaprima, análise de estoque, avaliação do que está em produção e também o financeiro da empresa. Ele faz a interligação das ações, uma necessidade dos gestores, que muitas vezes não conseguem ver a fábrica por inteiro – conta Fistarol.

A imagem e as cores estão presentes nas roupas e peças produzidas nas indústrias do ramo têxtil. Para agradar o público final, o processo de impressão é fundamental para chamar atenção nas vitrines. Uma marca de equipamentos de impressão percebeu este nicho de mercado e há cinco anos começou a atuar em soluções para estamparia digital.

– A tecnologia digital como um todo, sendo de sublimação ou impressão direta, permite produzir o lote do tamanho que você quer. Além de reduzir os desperdícios de uma fábrica e poder redobrar as coleções do brasileiro que consome e gosta de estampas – conta a gerente de negócios da marca, Evelin Wanke.  

Tratamento de efluentes também está presente

Dentro do universo de produção têxtil, um dos problemas que geram custos elevados para a empresa é o tratamento de efluentes. Consequentemente, o processo acarreta no desperdício de recursos hídricos, suscitando alternativas que tentem equilibrar a balança para atender a demanda. Uma empresa com sede em Florianópolis fabrica geradores de ozônio com tecnologia de plasma frio para o setor de tratamento de efluentes, que segundo o CEO da companhia, Bruno Mena Cadorin, possibilita o tratamento com uma redução de custos e atendimento das normas ambientais.

– Alguns clientes chegam a reutilizar 40% da água tratada. Não aplicamos produtos químicos no processo e nem geramos resíduos secundários como lodo – completa Cadorin.

 Blumenau - SC - Brasil - 21082018 - Febratex abre as portas para a inovação da indústria têxtil, vila germânica Blumenau. empresa Wier
Gerador de ozônio com tecnologia de plasma frio para o setor de tratamento de efluentesFoto: Patrick Rodrigues / Jornal de Santa Catarina

O diretor de comunicação da Febratex, Hélvio Pompeo Madeira Jr., reforça que Blumenau e Santa Catarina possuem história no contexto têxtil. As empresas centenárias que existem aqui conseguiram manter-se e a tecnologia foi aliada nessa trajetória.

– De certa forma, Santa Catarina cresceu bastante em tecnologia, pois a Feira conseguiu se desenvolver desde 1991 discutindo e trazendo o que há de mais novo no setor. Assim, enriquecendo e fortalecendo a nossa indústria – completa Hélvio.

Serviço

16a Feira Brasileira para a Indústria Têxtil (Febratex)

Até sexta-feira, das 14h às 21h

Parque Vila Germânica, em Blumenau (Rua Alberto Stein, 199 - Velha)

Ingressos: R$ 30 na bilheteria


 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaDuas pessoas morrem em acidente na BR-470, em Ilhota https://t.co/DzntbjJaXo #LeiaNoSantahá 8 horas Retweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaDois homens são presos após roubo a lotérica no Centro de Gaspar https://t.co/4xM5W69r7C #LeiaNoSantahá 9 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca