MPF denuncia oito por organização terrorista e associação criminosa  - Segurança - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Radicalismo16/09/2016 | 11h14Atualizada em 16/09/2016 | 17h34

MPF denuncia oito por organização terrorista e associação criminosa 

Suspeitos foram alvo da Operação Hashtag e seriam integrantes do grupo extremista Estado Islâmico

MPF denuncia oito por organização terrorista e associação criminosa  EVARISTO SA / AFP/AFP
PF levou os 10 presos da primeira fase da Operação Hashtag para a Penitenciária de Segurança Máxima de Campo Grande Foto: EVARISTO SA / AFP / AFP
Zero Hora
Zero Hora

O Ministério Público Federal (MPF) apresentou acusação contra oito pessoas envolvidas em crimes de recrutamento e promoção de organização terrorista nesta sexta-feira. Eles são suspeitos de integrar o grupo extremista Estado Islâmico (EI) e foram alvo da Operação Hashtag, deflagrada duas semanas antes do início dos Jogos Olímpicos, no Rio de Janeiro

Os denunciados são Alisson Luan de Oliveira, Leonid El Kadre de Melo, Oziris Moris Lundi dos Santos Azevedo, Israel Pedra Mesquita, Levi Ribeiro Fernandes de Jesus, Hortêncio Yoshitake, Luís Gustavo de Oliveira e Fernando Pinheiro Cabral. Todos responderão por associação criminosa.

Oliveira, Melo, Azevedo, Mesquita e Yoshitake também foram denunciados por incentivar que crianças e adolescentes praticassem atos criminosos. Além disso, Melo responde por recrutamento para organização terrorista.

Leia mais
Quem são os suspeitos de apologia ao terrorismo presos pela PF 
Presos por jurar fidelidade ao EI encomendaram armas no Paraguai
Vazamento levou ao anúncio das prisões de suspeitos de planejar atentado

Pedido de prisão preventiva

O MPF solicitou a prisão preventiva dos oito denunciados e pediu a aplicação de medidas alternativas a outros seis suspeitos até a conclusão das investigações pela PF. Um deles ainda teve o pedido de prisão temporária prorrogado. 

Doze envolvidos na investigação foram detidos no mês de julho e levados para a Penitenciária Federal de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul.

Monitoramento

Integrado por brasileiros, o grupo denunciado pelo MPF era monitorado pelas autoridades brasileiras há algum tempo a partir do recebimento de um relatório do FBI. Durante o cumprimento da Operação Hashtag, os acusados foram presos em nove Estados (Paraná, Amazonas, Ceará, Paraíba, Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul).

Através da quebra de sigilo telefônico, os investigadores rastrearam as redes sociais, sites acessados e mensagens trocadas pelo aplicativo Telegram entre os suspeitos. Segundo as autoridades, eles se comunicavam para convocar pessoas interessadas a constituir um grupo de apoio ao EI, incluindo treinamento no território brasileiro.

Denunciados ofereciam risco à sociedade, diz MPF

O MPF afirma que a denúncia e o pedido de prisão preventiva dos suspeitos evidenciam o risco que os acusados representavam para a sociedade. Conforme as investigações, alguns suspeitos chegaram a realizar o "batismo" no EI, ritual exigido pelo grupo extremista islâmico para a adesão de novos membros.

As autoridades também identificaram mensagens de celular trocadas entre suspeitos sobre a possibilidade de aproveitar os Jogos Olímpicos para realizar uma ação terrorista. 

Coletiva

Na tarde desta sexta-feira, o procurador da República Rafael Brum Miron deve fornecer outras informações sobre as denúncias. A entrevista coletiva está prevista para as 15h, na sede da Procuradoria da República no Paraná.


 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaPelo menos dez Estados vão proibir venda de bebidas alcoólicas na eleição; no RS, comércio é liberado https://t.co/QceAhxqeJT #LeiaNoSantahá 12 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaDebate entre candidatos, Uber na Capital e mais três coisas para saber nesta sexta-feira https://t.co/MV1sadtcfj #LeiaNoSantahá 40 minutosRetweet

Veja também

Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros