Receita Federal encontra mais de uma tonelada de cocaína em carga de abacaxi em calda em Navegantes - Segurança - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Segurança17/10/2016 | 13h41Atualizada em 17/10/2016 | 16h03

Receita Federal encontra mais de uma tonelada de cocaína em carga de abacaxi em calda em Navegantes

Esta é a terceira apreensão de drogas no porto este ano

Receita Federal encontra mais de uma tonelada de cocaína em carga de abacaxi em calda em Navegantes Foto: Divulgação Receita Federal/
Foto: Foto: Divulgação Receita Federal

Atualizada às 16h

A Alfândega da Receita Federal em Itajaí localizou na manhã desta segunda-feira 1,1 tonelada de cocaína pura escondida em uma carga de abacaxis em calda, que seria enviada do porto de Navegantes à Espanha. É a maior apreensão de cocaína já feita em Santa Catarina, e uma das maiores do país _ a terceira grande apreensão de drogas feita pela Receita no terminal este ano.

A carga foi vistoriada devido a investigações da Receita, que indicaram que o carregamento de abacaxis tinha um representante legal em comum com a carga de bobinas de aço, interceptada na semana passada, em que foram localizados 300 quilos de cocaína. 

::: Investigação sigilosa procura responsáveis por mais de 800 kg de cocaína 

::: Receita apreende em Navegantes cocaína que seria enviada à Itália

De acordo com nota emitida pela Receita, uma das empresas exportadoras atua no comércio de tecidos e só havia realizado duas exportações nos últimos dois anos. Chamou atenção dos fiscais o fato de ela estar enviando ao exterior frutas em calda.

A empresa exportadora é de Ji-Paraná, em Rondônia. As latas de abacaxi em calda foram produzidas em Minas Gerais.


Foto: Foto: Divulgação Receita Federal


Cão localizou droga

Ao todo, 12 contêineres foram interceptados. Depois de passarem por inspeção com scanner, 10 foram liberados e dois ficaram retidos para conferência física. A carga foi submetida ao cão farejador da Polícia Federal de Itajaí, que indicou o esconderijo dos pacotes.

O material apreendido ficará a cargo da PF, que tomará as providências para responsabilização criminal. À Receita cabem as sanções administrativas.

O delegado Alexandre Braga, responsável pela delegacia da PF em Itajaí, é o responsável pelos dois outros inquéritos que apuram o envio de drogas através da Portonave, em Navegantes. Segundo ele, nenhuma hipótese será descartada _ o que significa que as investigações estão sendo levadas sem restrições. A polícia entende que operadores da carga podem ter sido envolvidos de boa fé, mas todas as etapas de envio serão analisadas.

A PF acredita em uma ¿migração¿ das exportações de drogas entre os portos. O que explicaria por que as interceptações se tornaram mais comuns em Navegantes. Até então, o porto em que ocorriam mais apreensões no país era Santos.

Para a PF, o ponto em comum entre as três apreensões na Portonave é o ¿profissionalismo¿ em esconder a droga. Em todos os casos, o carregamento só foi descoberto porque houve uma análise da Receita que indicou inconsistência e encorajou a abertura dos contêineres.

Mais controle

A polícia pretende intensificar o controle em Navegantes para interceptar cargas que possam estar escapando às análises de risco. Uma das possibilidades é adotar uma operação semelhante à foi feita pela PF em Santos, em que 100% das cargas passaram a ser analisadas por scanner antes de serem liberadas para embarque.

 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaPedro Machado: a Chapecoense é uma unanimidade https://t.co/w9WYf5SyKn #LeiaNoSantahá 5 diasRetweet
  • santacombr

    santacombr

    Santa"Pode-se tentar calar o juiz, mas nunca se conseguirá calar a Justiça", reage Cármen Lúcia https://t.co/JZDSmNAMoY #LeiaNoSantahá 5 diasRetweet

Veja também

Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros