Presos por terrorismo trocavam mensagens homofóbicas e elogiavam massacres - Segurança - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Operação Hashtag03/11/2016 | 02h02Atualizada em 03/11/2016 | 02h02

Presos por terrorismo trocavam mensagens homofóbicas e elogiavam massacres

A partir de mensagem saudando atentado em boate gay de Orlando, dois policiais federais passaram a se infiltrar no grupo suspeito de terrorismo

Presos por terrorismo trocavam mensagens homofóbicas e elogiavam massacres Fernando Gomes/Agencia RBS
Participante de grupo fala, em mensagem, de seu ódio aos integrantes da Parada Gay, em São Paulo Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

A matriz do terrorismo tupiniquim mostra sua cara pela primeira vez no Facebook, no início de 2015, em chats de fãs do Estado Islâmico (EI). Alguns recém-convertidos ao extremismo trocam mensagens às claras e, depois, inbox (privadas). Um dos principais debatedores é o paranaense Levi Ribeiro Fernandes de Jesus, que usa o codinome de Muhammad Ali Huraia. 

Ex-atendente de telemarketing, é um dos aliciadores de adeptos do EI (conforme as conversas interceptadas pela PF) e o primeiro a mencionar a Olimpíada como "grande oportunidade" de atentado. Até por isso, a investigação seria canalizada para a Justiça Federal do Paraná.

Leia mais:
Operação Hashtag: os detalhes da maior ação antiterrorismo no Brasil
Preso na Hashtag se mostrava ansioso para decapitar "com as próprias mãos"

Em 16 de fevereiro deste ano os proto-terroristas decidem procurar uma forma de comunicação considerada mais segura. Criam, no aplicativo Telegram, o grupo secreto denominado Defensores da Sharia. Reuniram 61 participantes. 

"O grupo precisa ser bastante filtrado, só pessoas de confiança", alerta o atendente de supermercado Alisson Luan de Oliveira, o Alisson Mussab, um fluminense que prega a instalação de um califado (governo muçulmano) no Brasil, numa das mensagens interceptadas.

As mensagens começam com vídeos, compartilhados por Hortêncio Yoshitake, o Teo Yoshi, goiano radicado em São Paulo, com todos os do grupo. Eles mostram execuções sumárias de reféns praticadas pelo EI. Em alguns casos, tiros. Noutros, degolas e incêndio de pessoas vivas. Nas mensagens, todos os que se manifestam apoiam as cenas. 

Leia também:
Grupo cogitava "ataque bioquímico" e bombas de vidro na Olimpíada
Gaúcho preso queria contrabandear armas para suspeitos de terrorismo

O mesmo Teo Yoshi elogia o massacre praticado por um muçulmano fã do EI, em Orlando (EUA) numa boate gay. E se propõe a fazer algo semelhante no Brasil, citando a Parada Gay como alvo:

"Tenho vontade de sair para a (avenida) Paulista e mandar todas essas bichas para o inferno", escreveu, em mensagem ao grupo.

Oziris Moris Lundi de Azevedo, ex-funcionário da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas e outro participante do chat, apoia e diz: "Gostei do ataque em Orlando".

É por essa época que dois agentes da PF ingressam nos grupos de apoio virtual ao Estado Islâmico e, a partir dali, gravam os planos dos extremistas, coletando provas das intenções terroristas do grupo.


 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaPedro Machado: a Chapecoense é uma unanimidade https://t.co/w9WYf5SyKn #LeiaNoSantahá 8 diasRetweet
  • santacombr

    santacombr

    Santa"Pode-se tentar calar o juiz, mas nunca se conseguirá calar a Justiça", reage Cármen Lúcia https://t.co/JZDSmNAMoY #LeiaNoSantahá 8 diasRetweet

Veja também

Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros