Grupo protesta após morte de idosa em Joinville  - Segurança - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Violência29/04/2017 | 15h52Atualizada em 29/04/2017 | 15h52

Grupo protesta após morte de idosa em Joinville 

Moradores pedem por Justiça, além de mais segurança no bairro Iririú 

Carolina Wanzuita
Carolina Wanzuita

carolina.wanzuita@an.com.br


Grupo se reuniu em frente à casa de Maria Schlickmann Brüning Foto: Carolina Wanzuita / Agencia RBS


O silêncio na rua Arco-íris se quebrou neste sábado com as palavras de Vicente Brüning, filho da idosa assassinada aos 87 anos após um assalto no bairro Iririú, em Joinville. Maria Schlickmann Brüning não resistiu às agressões sofridas no dia 19 de abril e morreu por causa de uma embolia arterial provocada pelos golpes.

Leia as últimas notícias de Joinville e região em AN.com.br
Joinville registra um assassinato a cada dois dias em 2017   

Em cima de um caminhão, ele desabafou e pediu por mais segurança, ouvido por cerca de cem pessoas, entre parentes, vizinhos e conhecidos de dona Maria.

Foto: Carolina Wanzuita / Agencia RBS

 

O grupo se reuniu na frente da casa dela, onde o suspeito a agrediu e roubou um celular e cerca de R$ 600, para garantir que dona Maria não seja esquecida, além de pedir mais segurança para a região. O clima era de tristeza e revolta.

— Desde que enterrei minha mãe no sábado, não parei em casa. Estou fazendo de tudo para que encontrem o culpado —, desabafou Vicente.

O assaltante invadiu a casa da idosa após cortar o vidro de uma das janelas da residência com uma faca. Ele conta que dona Maria dormia quando tudo aconteceu.  Ela acordou com o barulho e resolveu ir ao banheiro do quarto em que estava. Ao retornar, estranhou que a porta estivesse aberta, já que ela sempre a mantinha trancada. Foi aí que ela encontrou o homem e começaram as agressões. Depois de derrubar Maria, o homem desferiu chutes contra a vítima e tentou enforcá-la enquanto ainda estava caída. 

A mãe de Vicente, mesmo ferida, conseguiu telefonar para o filho depois que o bandido fugiu, e contou com detalhes tudo o que aconteceu. Depois disso, sentiu fortes dores de cabeça e foi levada ao hospital.

– Eu ainda lembro as últimas palavras dela na UTI: ¿Filho, você vai me deixar aqui sozinha?¿

Neste sábado também ocorreu um grupo de oração na casa de dona Maria, que era participante assídua e conhecida dos vizinhos. Antes disso, se reuniram para o protesto.

— Que a morte da minha mãe não seja em vão. Que sirva para salvar outras vidas —, disse Vicente. 

Com medo, moradores criaram um grupo no aplicativo Whatsapp para unir os vizinhos e trocar informações, com intuito de evitar roubos. 

— Queremos que a justiça seja feita e que os criminosos não fiquem impunes. Temos que nos ajudar – completa.

Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros