Polícia Federal diz que delegado ferido em casa noturna não foi executado em hospital - Segurança - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Investigação31/05/2017 | 16h09Atualizada em 31/05/2017 | 17h25

Polícia Federal diz que delegado ferido em casa noturna não foi executado em hospital

Informação é da Superintendência da PF a partir de análises de câmeras do hospital Florianópolis

Polícia Federal diz que delegado ferido em casa noturna não foi executado em hospital Cristiano Estrela/Agencia RBS
Casa noturna no bairro Estreito em que delegados federais foram baleados. Foto: Cristiano Estrela / Agencia RBS

Policiais federais e civis afirmam ser inverídica a versão que circula em redes sociais apontando que um dos delegados da Polícia Federal (PF) baleados em uma casa noturna, na madrugada desta quarta-feira, em Florianópolis, teria sido executado no hospital quando chegava ferido.

A informação foi apurada pelo DC junto à Superintendência da PF em Santa Catarina e com policiais civis da Delegacia de Homicídios da Capital. Segundo as fontes, a conclusão saiu após a análise do circuito de câmeras do Hospital Florianópolis. Conforme a apuração, as imagens mostrariam o delegado Adriano Antônio Soares, 47 anos, sendo levado para dentro do hospital em uma cadeira de rodas enquanto do lado de fora o taxista que o socorreu foi alvo de um disparo.

A versão oficial que as polícias investigam é que Nilton Cesar Souza Júnior, o homem que atirou nos policiais, foi levado para o hospital ferido por um funcionário dele de comércio do cachorro-quente e na sequência chegou um dos delegados feridos socorrido por um taxista.

O policial chegou com vida e foi colocado na cadeira de rodas. Em seguida, o funcionário que trazia o atirador vai até o carro, pega a arma, segue em direção ao taxista que trouxe o policial ao hospital e atira no motorista, mas não acerta o disparo.

Esse funcionário do comércio de cachorro-quente do Estreito está sendo procurado pelas polícias por tentativa de homicídio contra o taxista e até às 16 horas não havia sido localizado. O delegado Adriano acabou morrendo no hospital. Na casa noturna, morreu baleado o delegado Elias Escobar, 60 anos. Os dois trabalhavam no Rio de Janeiro e faziam um curso na PF em Florianópolis.

Segundo as polícias, houve um desentendimento banal entre os delegados e clientes da casa seguido dos tiros contra os policiais. O cliente que atirou nos policiais, Nilton Cesar Souza Júnior, dono de um cachorro-quente nas proximidades, também ficou ferido e está internado.

Leia também
Dois delegados federais são mortos a tiros em Florianópolis

PF diz que delegado assassinado em SC não comandava mais investigação sobre morte de Teori

Desentendimento banal teria motivado troca de tiros na casa noturna

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaSeis carros se envolvem em acidente na Rua Joinville em Blumenau https://t.co/bndxm3yGBc #LeiaNoSantahá 44 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaMapa dos suicídios no Brasil coloca Santa Catarina em alerta https://t.co/6KhrRAizJP #LeiaNoSantahá 1 horaRetweet

Veja também

Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros