Diogo Vargas: "morte de agente linha de frente gera luto na Polícia Civil" - Segurança - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Opinião14/06/2017 | 17h35Atualizada em 14/06/2017 | 17h48

Diogo Vargas: "morte de agente linha de frente gera luto na Polícia Civil"

Fabrício Strobel, 35 anos, é mais uma vítima da carnificina do trânsito, onde a impotência toma conta de quem perde alguém próximo em acidente.

Diogo Vargas: "morte de agente linha de frente gera luto na Polícia Civil" Harold Ayres/Arquivo Pessoal
Agente faleceu em acidente na Via Expressa,  rodovia de entrada e saída de Florianópolis. Foto: Harold Ayres / Arquivo Pessoal

A Polícia Civil está de luto. A morte do agente da Deic na Capital, Fabrício Strobel, 35 anos, entristeceu colegas da instituição e da segurança pública. O jovem policial civil se tornou mais uma vítima da carnificina do trânsito catarinense ao ter o carro que dirigia atingido por outro que apareceu em sentido contrário, na Via Expressa, cujo motorista também perdeu a vida.

A repercussão do acidente gerou depoimentos entre amigos e policiais nas redes sociais. Fabrício atuava na divisão de roubos e antissequestros da Deic. Nos últimos anos, essa equipe virou referência nas investigações e operações linhas de frente contra violentos assaltantes de bancos e sequestradores. Os resultados renderam aos policiais, entre eles Fabrício, várias homenagens públicas de reconhecimento.

O secretário-adjunto da Segurança Pública, Aldo Pinheiro D'Ávila, que é delegado da Polícia Civil, lamentou a perda e fez um desabafo em seu perfil nas redes sociais:"Foi mais uma vítima de mais um, dentre tantos motoristas, que matam diariamente muito mais do que assassinos e assaltantes, mas que contam com a complacência social, afinal, mesmo que matem muito mais, usam a arma que todos usamos: um veículo", decretou.

As palavras do secretário expressam a indignação e a dor do sofrimento de ter alguém próximo ceifado no trânsito. Há um sentimento de impotência porque os casos se repetem sem que nada de impacto seja feito para frear a violência ao volante.

A Via Expressa é a porta de entrada e saída da Capital catarinense. De dia, completamente engarrafada. De noite, quase uma pista de corrida, com cenas de imprudência e acidentes constantes. Os pardais controladores de velocidade parecem não surtir mais efeito, pois já estão em locais "manjados", o motorista desacelera e logo volta a pisar fundo.

Dados da Polícia Rodoviária Federal mostram que foram três mortes na Via Expressa em 2017: as duas de ontem e um andarilho atropelado por uma moto na noite de 6 de abril. Nesses meses ocorreram 126 acidentes, com 93 vítimas leves e 15 vítimas graves.

Por que não colocar lombadas eletrônicas piscantes, intensificar comandos de fiscalização em horários críticos de noite e madrugada? Talvez essas medidas não acabem com os acidentes e as mortes, mas certamente trarão algum efeito conscientizador. O mesmo vale para a SC-401, no norte da Ilha, um escândalo de insegurança no trânsito 24 horas por dia.

Leia mais:

Vítima de acidente na Via Expressa era agente da Deic de Florianópolis

 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaGoverno do Estado teria desviado dinheiro do fundo previdenciário para pagar despesas correntes https://t.co/c5jL5uWrdx #LeiaNoSantahá 3 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaSeterb suspende autuações de trânsito via câmeras de monitoramento em Blumenau https://t.co/MzyfuG6I0F #LeiaNoSantahá 3 minutosRetweet

Veja também

Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros