"A PM não vai dar conta sozinha" de reduzir criminalidade, diz presidente da Associação Nacional dos Praças - Segurança - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Segurança02/07/2017 | 21h36Atualizada em 02/07/2017 | 21h57

"A PM não vai dar conta sozinha" de reduzir criminalidade, diz presidente da Associação Nacional dos Praças

Militante da categoria, crítico do atual modelo de segurança, Elizandro Lotinintegra o Fórum Brasileiro de Segurança Pública

O catarinense Elizandro Lotin, 44 anos, calcula ter percorrido mais de 90% dos Estados brasileiros nos últimos anos para falar e discutir sobre segurança pública. Cabo da Polícia Militar em Joinville, ele preside a Associação Nacional dos Praças (Anaspra), entidade que congrega policiais de todo o Brasil. Militante da categoria, crítico do atual modelo de segurança, o servidor integra o Fórum Brasileiro de Segurança Pública e é especialista em ciências penais. Com a experiência de 26 anos na corporação, acredita que a PM não dará conta sozinha da redução da criminalidade no Estado. Leia a entrevista com Lotin na abaixo:

A onda de crimes já gerou mais de 100 mortes violentas este ano em Florianópolis. Muitos são jovens. Por quê?

Os jovens de hoje não têm expectativa. A carência na cultura, educação, inserção social é muito grande. Em Joinville, na praça da biblioteca, sábado à tarde, via uma infinidade de guris de 14, 15 anos andando como zumbis. Quando o Estado falha, o traficante chama. É clichê, mas é verdade. A falta de valores, família, está tudo meio abandonado. O jovem acaba sendo cooptado pela marginalidade. Junta-se a isso o espírito de rebeldia do jovem, que tem canalizado a partir da violência. Essa situação de SC não foge à regra nacional.

Como representantes de outros Estados enxergam a situação de Santa Catarina em relação à criminalidade?

Enxergam como referência. Para a gente, os índices são altos, porque não estamos acostumados. Mas se comparar com outros Estados, são pequenos. Em Pernambuco, foram 2 mil homicídios até agora. Só que viemos perdendo espaço. Faltou e falta investimentos em segurança pública. Entender segurança a partir só de polícia é um erro. Por que Jaraguá do Sul é uma das cidades menos violentas do Estado? Porque tem um investimento em educação fortíssimo. É a base de tudo.

Mas há uma contradição, porque a maioria dos policiais defende a repressão, a prisão...

Não. Discordo. O Estado brasileiro e o de SC abandonaram a prevenção e o resultado é o índice alto de violência. Em Portugal, entre outros países onde a violência está estabilizada, os programas de prevenção de base são fortíssimos. O modelo da polícia inglesa, que é de proximidade com a comunidade, preventivo, os índices estão controláveis. Claro que temos o terrorismo, que é outro debate. Em Joinville, há 15 anos, tínhamos 15 policiais de manhã fazendo o ostensivo, o cosme e damião, e 15 à tarde. Era controlável. Hoje não temos ninguém. A queda de efetivo foi gritante. A repressão causa enfrentamento e gera mais violência.

Há uma sensação de que está havendo mais mortes pela polícia. A nossa PM é violenta?

Não. Comparado com o Brasil, nossa polícia não é violenta. A sociedade é violenta. Se pegar os padres franciscanos para fazer policiamento no Rio de Janeiro ou Florianópolis vai ter confronto.

O que acontece, então?

O estresse, a cobrança. O Estado e a sociedade jogam para as costas da PM a responsabilidade específica para diminuir a criminalidade, e a PM não vai dar conta sozinha. O policial que está na rua se sente cobrado, quando na verdade ele é uma ponta de um processo maior.

Qual a sua opinião sobre a unificação das polícias?

É um debate que existe no Congresso e não vai avançar. Temos uma lógica de defender o ciclo completo do Brasil. O nosso modelo é ultrapassado. Esse negócio de meia polícia, que uma complementa a outra, não existe. Deveria ser: a PM pega um cara aqui e vai até o Judiciário, o que não acontece. Os delegados são contra, fazem o seu lobby porque avaliam que vão perder poder. Estamos brigando por poder, mas ninguém, na verdade, está mandando, e sim a marginalidade. Unificar polícia? 

Poucos países têm uma só polícia hoje. Imagina uma polícia brasileira única numa greve? Por que tantos fatos e conflitos entre as polícias em SC? 

Começou em 2007 quando a PM passou a fazer termo circunstanciado. Do ponto de vista pragmático, na rua avançou. Não se admite mais um policial pegar uma ocorrência corriqueira, de som alto, por exemplo, levar para a delegacia, esperar o delegado. Ficava cinco, seis horas uma viatura parada lá. Houve ganho, otimização, mas os delegados não admitem. A PM tem avançado estando na rua.

Na Capital há a sensação de que a PM está fechando postos.

Não é uma sensação, é uma realidade, fato. É estilo de polícia. A PM objetiva otimizar o efetivo. Mas o Estado tem que vir junto com saúde, educação, lazer, as questões sociais. Tratar a questão só como ocupação de território não vai resolver. Foi o que aconteceu com o Rio de Janeiro.

Em relação ao tráfico de drogas, policiais dizem que estão enxugando gelo e ninguém fica preso. Qual a saída?

Temos que parar com dogmas nas questões das drogas. O mundo todo caminha por rediscutir a política de drogas. Essa que temos hoje é oriunda do governo americano da década de 1970 a partir de um enfrentamento aos grandes traficantes da Colômbia e isso foi disseminado pelo mundo. Nós perdemos. A sociedade mundial está perdendo a guerra contra às drogas. Temos que rediscutir. A descriminalização, que é diferente da liberação, é um caminho. Aqui no Brasil a guerra contra as drogas tem ocasionado a morte de 500 policiais por ano e a de 2,5 mil pessoas pela polícia por ano. Essa guerra já matou mais gente do que qualquer outra guerra no mundo. Temos que tratar a droga como problema de saúde pública.

Que experiências positivas você tem vivido no envolvimento nacional pela segurança?

Em Pernambuco, entre 2007 e 2014, teve um programa chamado pacto pela vida muito bem desenvolvido e reduziu significativamente os índices de homicídios. Focaram em investigação constante, investimento maciço em inteligência, na aproximação das polícias com as comunidades. Em 2014, o projeto foi abandonado e os índices voltaram a subir.

Alguma experiência dos Estados no sistema prisional que está dando certo?

As Apacs. São no Brasil o que mais se aproximam de ressocialização. Minas Gerais tem trabalhado bastante. Aqui existe um trâmite, uma burocracia que não deixou se avançar. Se não recuperarmos,  estamos agravando o debate sobre segurança. Não existe sociedade sem violência. É normal. Precisamos trabalhar é o controle da violência. Se não controlarmos, Florianópolis está prestes a se tornar um Rio de Janeiro e Joinville uma São Paulo em razão das características semelhantes.

Leia também:

Polícia Civil faz reconstituição do assassinato de delegados federais em Florianópolis

Governo do Estado divulga lista de mortes violentas por bairro de Florianópolis

Veja as três ações que prefeitura e SSP planejam para frear assassinatos em Florianópolis

Polícia Civil aposta em delegacias em pontos críticos de Florianópolis para frear alto número de mortes

Secretário de Segurança contesta número de mortes violentas na Capital e fala em "força-tarefa"

Diogo Vargas: O embate polícia x bandidos


Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    Santa"O corte de despesas é o caminho para o país crescer", disse Henrique Meirelles na Fiesc https://t.co/RopkDeryEE #LeiaNoSantahá 1 horaRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaPedro Machado: Meirelles é visto com bons olhos pelo mercado, mas só isso não basta https://t.co/vJtxZhOyYC #LeiaNoSantahá 6 horas Retweet

Veja também

Jornal de Santa Catarina
Busca